Foto: Arquivo/Agência Brasil
Foto: Arquivo/Agência Brasil

Amazônia+21: Pará é o estado com maior potencial para a produção de Biogás

Combustível verde, gerado a partir da decomposição de resíduos, seria suficiente para atender 174 mil residências por ano, beneficiando mais de 700 mil pessoas


Um dos primeiros projetos de negócios sustentáveis na região amazônica a serem desenvolvidos pelo Instituto Amazônia+21 será o de biogás, produção de combustível verde proveniente da decomposição de resíduos sólidos. E o Pará larga na frente, já que o estado é o que tem maior potencial de geração de energia renovável em toda a Região Norte.

Segundo estudo do Instituto Escolhas, publicado em agosto deste ano, apenas com os resíduos sólidos urbanos, os resíduos da piscicultura e da mandioca em todos os estados da Amazônia seria possível gerar mais de 537 milhões de metros cúbicos de biogás por ano, algo em torno de 1,1 TWh de eletricidade. É o suficiente para atender mais de 550 mil residências em todo o Norte do País, o que, por sua vez, beneficiaria mais de 2,2 milhões de pessoas. Desse potencial, apenas 6% é utilizado atualmente para a geração de energia nos aterros sanitários de Manaus (AM) e Rosário (MA).

De acordo com os dados do estudo, com o material disponível no Pará, é possível produzir 168 milhões de metros cúbicos de biogás ao ano. Em segundo, vem o Maranhão, com a possibilidade de uma capacidade estimada em 113 milhões de metros cúbicos.

A estimativa do instituto é que o Pará pode gerar com a decomposição de resíduos quase 350 GWh de eletricidade, suficiente para atender 174 mil residências e beneficiar aproximadamente 706 mil paraenses – ou a metade da população da capital, Belém. Além dos resíduos sólidos urbanos, onde está a maior parte do potencial para o biogás, o estado também tem bastante material a aproveitar com as sobras do abate de peixes.

Mas o destaque é outro: o estado é o maior produtor de farinha de mandioca da Amazônia, com quase 79 mil casas de farinha. Segundo o estudo, o Pará concentra 53% do potencial amazônico para produzir biogás a partir do tubérculo. O descarte da produção poderia gerar 1,5 milhão de metros cúbicos por ano, capazes de gerar 3 GWh de eletricidade para as instalações do setor ou para atender 1.500 casas no entorno. Para se ter uma ideia, a quantidade é equivalente a 44 mil botijões de gás de cozinha.

A utilização da energia renovável poderia reduzir em até 38% o uso de energia poluente na região amazônica, consumida em sistemas isolados, que geram energia local por meio de usinas que queimam combustíveis fósseis, como o óleo diesel. Segundo dados da Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE) de 2020, além de ser poluente, a energia hoje utilizada tem custos anuais na região que giram em torno de R$ 7,6 bilhões.

Karen Oliveira, gerente para Políticas Públicas e Relações Governamentais da ONG TNC Brasil, explica que a região amazônica já tem uma grande geração de energia proveniente das hidrelétricas, mas que precisam percorrer longas distâncias até o centro-sul, o que a torna uma energia cara. A produção de biogás não só tornaria o processo mais barato e limpo, como também atenderia aos produtores locais, que dependem de energia gerada por queima de combustíveis fósseis.

“As comunidades locais que tanto necessitam de energia, também para verticalizar e para dar escala a sua produção, para otimizar o seu desenvolvimento local, ficam desabastecidas, dependendo de uma energia cada vez mais cara e poluente baseada em geradores, normalmente a diesel”, explica Karen. 

“Então, com a possibilidade do biogás, se você traz biodigestores para região e aproveita esse potencial para realmente gerar energia, você tem a possibilidade de localmente fazer uma grande transformação, gerando energia para essas comunidades a partir dos resíduos dos produtos comercializados e produzidos por essas comunidades.”

Amazônia +21 e ESG

A ideia do Instituto Amazônia+21 é começar a identificar os potenciais produtores de biogás nas regiões da Amazônia Legal a partir de 2022, com a geração de energia térmica, elétrica e veicular por meio da decomposição de resíduos orgânicos. O chamado biogás é produzido em três etapas: preparação do material biológico, fermentação e pós-tratamento do material residual. Mas, para isso, é necessário também identificar as possíveis parcerias que, segundo o deputado federal Paulo Bengtson, do PTB do Pará, são essenciais para que o Brasil possa se destacar ainda mais na economia verde.

“Todo e qualquer instituto, toda e qualquer ação, seja ela pública, privada, mista ou organização não governamental que vise realmente a diminuição, a redução da emissão de gases e que seja isso um incentivo até para a Amazônia, principalmente, como eu sempre digo, para os amazônidas, que são os moradores daquela região, eu sou a favor.”, destaca o parlamentar.

A aposta do Instituto no Biogás vai além da questão de abundância do material utilizado. A energia, além de renovável, soma uma destinação adequada aos resíduos orgânicos, apresenta uma grande versatilidade, tem alto potencial de redução dos gases de efeito estufa e ainda consegue utilizar todo o substrato descartado na produção como fertilizante.

A ideia do instituto é que as federações de indústria, em cada um dos estados da Amazônia Legal, possam levantar dados como a quantidade de resíduos sólidos daquela região, quais as possibilidades apresentadas e que usinas de geração de biogás podem ser construídas no local. As pesquisas realizadas sobre o assunto em Rondônia vão ajudar a guiar os próximos passos da iniciativa.

A presença física do Instituto nos estados será feita por meio das federações de indústria, como a FIEPA, no Pará. O site da iniciativa será lançado em breve, onde os produtores e possíveis investidores terão acesso a mais dados e informações, como as já levantadas sobre Biogás.  
 

Continue Lendo



Receba nossos conteúdos em primeira mão.

LOC.: Um dos primeiros projetos de negócios sustentáveis na região amazônica a serem desenvolvidos pelo Instituto Amazônia+21 será o de biogás, produção de combustível verde proveniente da decomposição de resíduos sólidos. E o Pará larga na frente, já que o estado é o que tem maior potencial de geração de energia renovável em toda a Região Norte.

Segundo estudo do Instituto Escolhas, publicado em agosto deste ano, é possível produzir 168 milhões de metros cúbicos de biogás ao ano no estado, o suficiente para atender 174 mil residências e beneficiar aproximadamente 706 mil paraenses.

Segundo Karen Oliveira, gerente para Políticas Públicas e Relações Governamentais da ONG TNC Brasil, o biogás, além de ser local, ajudaria os pequenos produtores a alavancar seus negócios sem que eles precisem depender de energia gerada por queima de combustíveis fósseis, como é o caso dos geradores, por exemplo, que usam diesel.
 

TEC. SONORA: Karen Oliveira, gerente da ONG TNC Brasil

“Então, com a possibilidade do biogás, se você traz biodigestores para região e aproveita esse potencial para realmente gerar energia, você tem a possibilidade de localmente fazer uma grande transformação, gerando energia para essas comunidades a partir dos resíduos dos produtos comercializados e produzidos por essas comunidades.”
 

LOC.: A ideia do Instituto Amazônia+21 é começar a identificar os potenciais produtores de biogás nas regiões da Amazônia Legal a partir de 2022, com a geração de energia térmica, elétrica e veicular por meio da decomposição de resíduos orgânicos. Possíveis parcerias que, segundo o deputado federal Paulo Bengtson, do PTB do Pará, são essenciais para que o Brasil possa se destacar ainda mais na economia verde.

TEC. SONORA: deputado federal Paulo Bengtson, do PTB do Pará

“Todo e qualquer instituto, toda e qualquer ação, seja ela pública, privada, mista ou organização não governamental que vise realmente a diminuição, a redução da emissão de gases e que seja isso um incentivo até para a Amazônia, principalmente, como eu sempre digo, para os amazônidas, que são os moradores daquela região, eu sou a favor.”
 

LOC.: A ideia do instituto é que as federações de indústria, em cada um dos estados da Amazônia Legal, possam levantar dados sobre a produção de biogás, como a quantidade de resíduos sólidos daquela região, quais as possibilidades apresentadas e que usinas de geração de biogás podem ser construídas no local.
 
Reportagem, Luciano Marques