Foto: Igor Evangelista/MS
Foto: Igor Evangelista/MS

2022 registrou queda na cobertura vacinal contra o HPV

No ano passado, entre as meninas a primeira e a segunda dose tiveram, respectivamente, 75,91% e 57,44% de adesão. Entre os meninos, os números são ainda menores: 52,26% na primeira aplicação e 36,59% na segunda


Em 2022  foi observada uma queda na cobertura vacinal contra o HPV (papiloma vírus humano). No ano passado, entre as meninas a primeira e a segunda dose tiveram, respectivamente, 75,91% e 57,44% de adesão. Entre os meninos, os números são ainda menores: 52,26% na primeira aplicação e 36,59% na segunda. Os dados de 2023 ainda não estão consolidados.

De acordo com a pesquisa nacional, encomendada pelo Ministério da Saúde e feita por meio do Programa de Apoio ao Desenvolvimento Institucional do SUS (Proadi-SUS), a prevalência da infecção pelo HPV de alto risco é de 54,4% entre mulheres sexualmente ativas e de 41,6% entre homens.

O infectologista Werciley Júnior destaca a vacinação como a forma mais eficaz de prevenir a infecção pelo HPV, uma doença sexualmente transmissível ligada a mais de 90% dos casos de câncer de colo do útero e de ânus. A vacina HPV quadrivalente, oferecida gratuitamente pelo Sistema Único de Saúde (SUS), protege contra essas complicações e está disponível em postos de vacinação em todo o Brasil.

“Atinge todas as faixas de idade, tem uma maior prevalência em população jovem, sexualmente ativa, atinge em todas as regiões do país, de Norte a Sul, não tem uma prioridade, ou seja, uma região mais concentrada”, avalia.

Sintomas 

De acordo com o Ministério da Saúde, a infecção pelo HPV pode levar de 2 a 8 meses para manifestar os primeiros sinais, embora em alguns casos possa demorar até 20 anos para a aparição de sintomas. 

As manifestações são mais comuns em gestantes e pessoas com baixa imunidade. O diagnóstico é feito através de exames clínicos e laboratoriais, variando conforme o tipo de lesão.

Existem dois tipos principais de lesões:

  • Lesões Clínicas: Caracterizam-se por verrugas na região genital e anal, conhecidas como condilomas acuminados. Podem variar em tamanho e forma, sendo normalmente achatadas ou papulosas. Geralmente, são causadas por tipos de HPV não associados ao câncer e, apesar de não apresentarem sintomas dolorosos, podem causar coceira.
  • Lesões Subclínicas: Não são visíveis a olho nu e podem ocorrer nos mesmos locais das lesões clínicas, sem sinais ou sintomas evidentes. Essas lesões podem ser causadas por tipos de HPV de baixo e alto risco para o desenvolvimento de câncer.

As lesões podem afetar vulva, vagina, colo do útero, ânus, pênis, bolsa escrotal e região pubiana, e em casos mais raros, áreas extragenitais como conjuntivas, mucosa nasal, oral e laríngea.

Tratamento

O infectologista salienta que o HPV não tem tratamento com remédio específico. São feitas medidas físicas, que é a cauterização, quando é em forma de verruga, ou no caso da mulher, a conização, que é a retirada do tecido que foi afetado”, explica.

Esquema de vacinação contra HPV

Pessoas de 9 a 14 anos de idade, do sexo feminino e masculino, vítimas de violência sexual, devem tomar duas doses conforme o Calendário Nacional de Vacinação de rotina. As doses devem ter um intervalo de 6 meses;

Pessoas de 15 a 45 anos de idade, do sexo feminino e masculino, imunocompetentes e vítimas de violência sexual, devem tomar três doses, com um intervalo de 2 meses entre a primeira e a segunda; e de 6 meses, entre a primeira e a terceira. O intervalo para vacinar deve ser de no máximo 6 meses;

Pessoas de 15 a 45 anos de idade, do sexo feminino e masculino nas indicações especiais (vivendo com HIV/Aids, transplantados de órgãos sólidos ou medula óssea); pacientes oncológicos; imunossuprimidos (pessoas vivendo com HIV/Aids, transplantados e pacientes oncológicos); e  vítimas de violência sexual, devem tomar três doses, com um intervalo de 2 meses, entre a primeira e a segunda; e de seis meses, entre a primeira e a terceira  (0, 2 e 6 meses).
 

Veja Mais:

Estados do Centro-Sul seguem apresentando sinais de queda nos quadros das SRAG
Eventos climáticos extremos também colocam em risco a saúde mental de crianças e jovens
 

Receba nossos conteúdos em primeira mão.

LOC.: Em 2022, a cobertura vacinal contra o HPV no Brasil apresentou queda. As taxas de adesão entre as meninas foram de 75,91% para a primeira dose e 57,44% para a segunda. Entre os meninos, foram ainda menores: 52,26% na primeira dose e 36,59% na segunda. A prevalência da infecção pelo HPV de alto risco, segundo a pesquisa nacional feita por meio do (Proadi-SUS), é de 54,4% em mulheres sexualmente ativas e 41,6% em homens.

O infectologista Werciley Júnior destaca a vacinação como a forma mais eficaz de prevenir a infecção pelo HPV, uma doença sexualmente transmissível ligada a mais de 90% dos casos de câncer de colo do útero e de ânus. 
 

TEC./SONORA:  Werciley Júnior - Infectologista

“Atinge todas as faixas de idade, tem uma maior prevalência em população jovem, sexualmente ativa, atinge em todas as regiões do país, de Norte a Sul, não tem uma prioridade, ou seja, uma região mais concentrada.”
 


LOC.: O infectologista salienta que o HPV não tem tratamento com remédio específico.
 

TEC./SONORA: Werciley Júnior - Infectologista

“São feitas medidas físicas, que é a cauterização, quando é em forma de verruga, ou no caso da mulher, a conização, que é a retirada do tecido que foi afetado.”
 


LOC.: A vacina HPV quadrivalente é oferecida gratuitamente pelo SUS, protege contra complicações e está disponível em postos de vacinação em todo o Brasil.

Reportagem, Sophia Stein