Foto: Bruna Carvalho / Faculdade de Medicina / UFMG
Foto: Bruna Carvalho / Faculdade de Medicina / UFMG

UFMG atua no desenvolvimento de vacina, novos testes e monitoramento do novo coronavírus

Conheça as ações da universidade mineira


Pesquisadores da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) tem atuado de forma intensa no combate ao novo coronavírus, desde que a doença se tornou uma pandemia. São três linhas de pesquisa: apoio ao diagnóstico, com testes moleculares feitos para a população, desenvolvimento de novos testes sorológicos e pesquisa para elaboração de uma vacina contra a COVID-19.
 
Em um dos trabalhos mais importantes, o Centro de Tecnologia e Vacinas (CTVacinas) da universidade trabalha no desenvolvimento da imunização contra o vírus, em parceria com a Fiocruz. 
 
Em outra ação, a UFMG trabalha para aumentar o número de testes diagnósticos disponíveis. Os pesquisadores mapearam a tecnologia que existia na unidade e a colocaram à disposição para realizar testes do novo coronavírus. A partir dessa ação, foram feitos kits diagnósticos para reconhecimento sorológico e molecular do novo coronavírus. O CTVacinas também desenvolve uma nova forma de testagem, baseada no chamado “método Elisa”, que detecta a presença de anticorpos contra o novo coronavírus.
 
Também é a UFMG que coordena uma pesquisa que usa amostras de esgoto para analisar a propagação do vírus. Além de saber como está a ocorrência de coronavírus em regiões de Belo Horizonte, os dados vão permitir a adoção de medidas de relaxamento consciente do isolamento social e ainda pode possibilitar avisos precoces dos riscos de aumento de incidência da Covid-19 de forma regionalizada.
 

Continue Lendo



Receba nossos conteúdos em primeira mão.

LOC.: Pesquisadores da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) tem atuado de forma intensa no combate ao novo coronavírus, desde que a doença se tornou uma pandemia. São três linhas de pesquisa: apoio ao diagnóstico, com testes moleculares feitos para a população, desenvolvimento de novos testes sorológicos e pesquisa para elaboração de uma vacina contra a COVID-19.
 
Em um dos trabalhos mais importantes, o Centro de Tecnologia e Vacinas (CTVacinas) da universidade trabalha no desenvolvimento da imunização contra o vírus, em parceria com a Fiocruz. 
 
Em outra ação, a UFMG trabalha para aumentar o número de testes diagnósticos disponíveis. Os pesquisadores mapearam a tecnologia que existia na unidade e a colocaram à disposição para realizar testes do novo coronavírus. A partir dessa ação, foram feitos kits diagnósticos para reconhecimento sorológico e molecular do novo coronavírus. O CTVacinas também desenvolve uma nova forma de testagem, baseada no chamado “método Elisa”, que detecta a presença de anticorpos contra o novo coronavírus.
 
Também é a UFMG que coordena uma pesquisa que usa amostras de esgoto para analisar a propagação do vírus. Além de saber como está a ocorrência de coronavírus em regiões de Belo Horizonte, os dados vão permitir a adoção de medidas de relaxamento consciente do isolamento social e ainda pode possibilitar avisos precoces dos riscos de aumento de incidência da Covid-19 de forma regionalizada.