Cadastro de mídia

TERMO DE USO E PARCERIA

TERMO DE USO E PARCERIA

Regras de Uso

1º - A utilização gratuita e livre dos materiais produzidos pelo Brasil 61 só será permitida depois que este termo de parceria for aceito pelo usuário, prevendo as seguintes regras:

a) A utilização do material - na íntegra, ou em partes - só será permitida desde que as informações não sejam distorcidas, manipuladas ou alteradas.

b) Não é necessário a identificação do Brasil 61 na hora da replicação do conteúdo. Mas toda e qualquer veiculação de áudios produzidos pelo Brasil 61 prevê o cadastro no site, com a disponibilização de dados que serão utilizados para a organização do mailing desta empresa,

2º - OBRIGAÇÕES DO BRASIL 61

a) O Brasil 61 se compromete, a partir deste termo de uso, a produzir conteúdo particularizado diariamente, trazendo informações de dia-a-dia e bastidores do Planalto Central, além de outras temáticas de relevância do noticiário nacional. 

b) O acesso ao conteúdo jornalístico (na versão de leitura) é livre e gratuito, podendo ser replicado por qualquer usuário que acesse o site. O download do áudio para que seja utilizado na programação das rádios requer que o radialista realize o login no site da Agência do Rádio - informando e-mail e senha cadastrados. 

3º - OBRIGAÇÕES DOS COMUNICADORES PARCEIROS

Não alterar o sentido dos materiais, ou distorcer fala de entrevistados ou mudar a conotação das mensagens dos materiais. 

ADENDOS IMPORTANTES SOBRE A PARCERIA

a) O Brasil 61 poderá distribuir conteúdo patrocinado com ou sem assinatura dos clientes patrocinadores do boletim e sem aviso prévio ao comunicador. 

b) As rádios parceiras não vão ter participação financeira sobre o faturamento do Brasil 61.

c) Os comunicadores podem patrocinar os conteúdos do Brasil 61, desde que não alterem o sentido e a conotação dos conteúdos oferecidos. Nesses casos, o Brasil 61 Mais não terá participação nos lucros conquistados pelos veículos parceiros. 

Ao clicar em ACEITO, a emissora aqui cadastrada afirma concordar e estar ciente de todas as condições apresentadas neste Termo de Utilização de Conteúdo.

Foto: Agência Brasil

Por conta da pandemia, FNDE antecipa e adapta repasses para escolas e secretarias de educação

Com as aulas suspensas, programas de transporte e alimentação de estudantes são adaptados. Gestores da educação nos municípios precisam atualizar dados e organizar distribuição de alimentos


Para ajudar a rede pública de ensino a se manter durante a pandemia do novo coronavírus, o Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE) tomou uma série de medidas para não deixar a educação desassistida durante a crise. A mais recente delas foi a antecipação do repasse do Programa Nacional de Apoio ao Transporte do Escolar (PNATE) que estava previsto para o final deste mês. O dinheiro, que é repassado a estados e municípios, é destinado para o transporte de alunos que moram em áreas afastadas. Nesse repasse, foram transferidos R$ 67,9 milhões.

Como as atividades escolares presenciais estão paralisadas, o Governo Federal orientou os gestores da educação de que a verba deve ser usada para a manutenção da frota de ônibus escolares. O dinheiro também deve ser usado para honrar contratos com prestadores de transporte contratados antes da pandemia.

Mesmo sem uma data específica para a volta às aulas, o Ministério da Educação também já começa a preparar escolas para a retomada das atividades após a crise do novo coronavírus. “São escolas estaduais e municipais que vão estar preparadas com água sanitária, papel toalha, sabonete e álcool em gel. Para quando elas reabrirem, as crianças voltarem em um ambiente seguro com baixa capacidade de transmissão do vírus. Não só as crianças, como também as professoras e as merendeiras. Quando isso vai acontecer e como, vai depender da realidade de cada município”, explicou o ministro da Educação, Abraham Weintraub, em vídeo publicado no Youtube.

O FNDE já repassou mais de R$ 721 milhões diretamente às escolas públicas. Os fundos são provenientes do Programa Dinheiro Direto na Escola (PDDE). Até agora, pouco mais de 105 mil unidades já receberam, mas de acordo com o Ministério da Educação o benefício pode chegar até 138 mil escolas. Para isso, os gestores das unidades de ensino e das secretarias de educação precisam atualizar dados no sistema do governo.

“Os gestores locais devem atualizar os seus cadastros lá no sistema ‘PDDEWeb’. É importante dizer que sem atualização do cadastro as escolas ficam impedidas de receber os recursos para o ano de 2020”, alerta a presidente do FNDE, Karine Silva dos Santos.

Alimentação

O FNDE também adaptou o Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE) para o contexto da pandemia. O repasse de R$ 364,4 milhões da quarta parcela de 2020 foi antecipado. Além disso, uma nova lei publicada no mês passado permitiu que o órgão entregue os alimentos a pais e responsáveis dos estudantes das escolas públicas em vez deles serem usados na merenda escolar, já que as aulas presenciais estão suspensas devido a pandemia. A ideia é garantir a alimentação de estudantes de baixa renda que dependiam da merenda escolar. “Muitos deles faziam a principal refeição do dia nas unidades de ensino. Precisamos então garantir, neste período de recolhimento e isolamento social, alimentação adequada a esses alunos, direito que está previsto na Constituição Federal”, destaca Karine Santos.

A gestão e entrega desses alimentos fica a cargo das administrações locais da educação. A orientação do FNDE é que as secretarias de Educação de estados, do Distrito Federal e de municípios organizem os alimentos em kits com a supervisão de nutricionistas, de acordo com a idade e o período de estudo de cada aluno. Outra determinação é o cuidado na entrega, para evitar aglomerações. Caso os alimentos sejam entregues na escola, somente um responsável deve comparecer. Outra opção é levar os produtos direto a casa dos estudantes.

Para saber como ter acesso aos alimentos, os responsáveis devem consultar a escola do aluno ou a secretaria de educação de seu município.

Continue Lendo





Receba nossos conteúdos em primeira mão.

LOC.: Para ajudar a rede pública de ensino a se manter durante a pandemia do novo coronavírus, o Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE) tomou uma série de medidas para não deixar a educação desassistida durante a crise. A mais recente delas foi a antecipação do repasse do Programa Nacional de Apoio ao Transporte do Escolar (PNATE) que estava previsto para o final deste mês. O dinheiro, que é repassado a estados e municípios, é destinado para o transporte de alunos que moram em áreas afastadas. Nesse repasse, foram transferidos R$ 67,9 milhões.

Como as atividades escolares presenciais estão paralisadas por conta da pandemia do novo coronavírus, o Governo Federal orientou os gestores da educação de que a verba deve ser usada para a manutenção da frota de ônibus escolares. O dinheiro também deve ser usado para honrar contratos com prestadores de transporte contratados antes da pandemia.

Mesmo sem uma data específica para a volta às aulas, o Ministério da Educação também já começa a preparar escolas para a retomada das atividades após a crise do novo coronavírus. É o que explicou o ministro da educação Abraham Weintraub em um vídeo publicado no Youtube.

TEC./SONORA: Abraham Weintraub, ministro da Educação

“São escolas estaduais e municipais que vão estar preparadas com água sanitária, papel toalha, sabonete e álcool em gel. Para quando elas reabrirem, as crianças voltarem em um ambiente seguro com baixa capacidade de transmissão do vírus. Não só as crianças, como também as professoras e as merendeiras. Quando isso vai acontecer e como, vai depender da realidade de cada município.”

LOC.: O FNDE já repassou mais de R$ 721 milhões diretamente às escolas públicas. Os fundos são provenientes do Programa Dinheiro Direto na Escola (PDDE). Até agora, pouco mais de 105 mil unidades já receberam, mas de acordo com o Ministério da Educação o benefício pode chegar até 138 mil escolas. A presidente do FNDE, Karine Silva dos Santos alerta que, para isso, os gestores das unidades de ensino e das secretarias de educação precisam atualizar dados no sistema do governo.

TEC./SONORA: Karine Silva dos Santos, presidente do FNDE

“Os gestores locais devem atualizar os seus cadastros lá no sistema ‘PDDEWeb’. É importante dizer que sem atualização do cadastro as escolas ficam impedidas de receber os recursos para o ano de 2020.”

LOC.: O FNDE também adaptou o Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE) para o contexto da pandemia. O repasse de R$ 364,4 milhões da quarta parcela de 2020 foi antecipado. Além disso, uma nova lei publicada no mês passado permitiu que o órgão entregue os alimentos a pais e responsáveis dos estudantes das escolas públicas em vez deles serem usados na merenda escolar, já que as aulas presenciais estão suspensas devido a pandemia. A ideia é garantir a alimentação de estudantes de baixa renda que dependiam da merenda escolar.

A orientação do FNDE é que as secretarias de educação de estados organizem os alimentos em kits, de acordo com a idade e o período de cada aluno. Outra determinação é o cuidado na entrega, para evitar aglomerações. Caso os alimentos sejam entregues na escola, somente um responsável deve comparecer. Outra opção é levar os produtos direto a casa dos estudantes. Para saber como ter acesso aos alimentos, os responsáveis devem consultar a escola do aluno ou a secretaria de educação de seu município.

Reportagem, Daniel Marques