Foto: Marcello Casal Jr/Agência Brasil
Foto: Marcello Casal Jr/Agência Brasil

Novo marco legal do câmbio pode favorecer entrada do Brasil na OCDE, avalia CNI

Proposta foi aprovada na última semana na Câmara e ainda precisa ser apreciada no Senado


A aprovação do novo marco legal do câmbio, que ocorreu na última semana na Câmara dos Deputados, facilitará a entrada do Brasil na Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), segundo avaliação da Confederação Nacional da Indústria (CNI).

A OCDE é uma organização que reúne as economias mais industrializadas do mundo. A CNI divulgou um estudo que avaliou o impacto da medida aprovada quanto à movimentação de capitais, o comércio de serviços e os investimentos estrangeiros no País. 

Veja novas regras para aposentadoria e pensão por morte que passam a valer neste ano

O projeto ainda precisa ser apreciado pelo Senado, para então ir para sanção presidencial. Entre outros pontos, o novo marco legal do câmbio facilita o uso do Real em transações internacionais e abre espaço para bancos e instituições financeiras brasileiras investirem no exterior recursos captados no Brasil ou em outros países.

Continue Lendo



Receba nossos conteúdos em primeira mão.

LOC.: A aprovação do novo marco legal do câmbio, que ocorreu na última semana na Câmara dos Deputados, facilitará a entrada do Brasil na Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), segundo avaliação da Confederação Nacional da Indústria (CNI).

A OCDE é uma organização que reúne as economias mais industrializadas do mundo. A CNI divulgou um estudo que avaliou o impacto da medida aprovada quanto à movimentação de capitais, o comércio de serviços e os investimentos estrangeiros no País. 

O projeto ainda precisa ser apreciado pelo Senado, para então ir para sanção presidencial. Entre outros pontos, o novo marco legal do câmbio facilita o uso do Real em transações internacionais e abre espaço para bancos e instituições financeiras brasileiras investirem no exterior recursos captados no Brasil ou em outros países.

Reportagem, Paulo Oliveira