Cadastro de mídia

TERMO DE USO E PARCERIA

TERMO DE USO E PARCERIA

Regras de Uso

1º - A utilização gratuita e livre dos materiais produzidos pelo Brasil 61 só será permitida depois que este termo de parceria for aceito pelo usuário, prevendo as seguintes regras:

a) A utilização do material - na íntegra, ou em partes - só será permitida desde que as informações não sejam distorcidas, manipuladas ou alteradas.

b) Não é necessário a identificação do Brasil 61 na hora da replicação do conteúdo. Mas toda e qualquer veiculação de áudios produzidos pelo Brasil 61 prevê o cadastro no site, com a disponibilização de dados que serão utilizados para a organização do mailing desta empresa,

2º - OBRIGAÇÕES DO BRASIL 61

a) O Brasil 61 se compromete, a partir deste termo de uso, a produzir conteúdo particularizado diariamente, trazendo informações de dia-a-dia e bastidores do Planalto Central, além de outras temáticas de relevância do noticiário nacional. 

b) O acesso ao conteúdo jornalístico (na versão de leitura) é livre e gratuito, podendo ser replicado por qualquer usuário que acesse o site. O download do áudio para que seja utilizado na programação das rádios requer que o radialista realize o login no site da Agência do Rádio - informando e-mail e senha cadastrados. 

3º - OBRIGAÇÕES DOS COMUNICADORES PARCEIROS

Não alterar o sentido dos materiais, ou distorcer fala de entrevistados ou mudar a conotação das mensagens dos materiais. 

ADENDOS IMPORTANTES SOBRE A PARCERIA

a) O Brasil 61 poderá distribuir conteúdo patrocinado com ou sem assinatura dos clientes patrocinadores do boletim e sem aviso prévio ao comunicador. 

b) As rádios parceiras não vão ter participação financeira sobre o faturamento do Brasil 61.

c) Os comunicadores podem patrocinar os conteúdos do Brasil 61, desde que não alterem o sentido e a conotação dos conteúdos oferecidos. Nesses casos, o Brasil 61 Mais não terá participação nos lucros conquistados pelos veículos parceiros. 

Ao clicar em ACEITO, a emissora aqui cadastrada afirma concordar e estar ciente de todas as condições apresentadas neste Termo de Utilização de Conteúdo.

Créditos: Ministério da Saúde

Há três anos, o município de Panelas (PE) está em risco para surto das doenças transmitidas pelo mosquito da dengue

Armazenamento inadequado de água e fatores climáticos contribuem para a proliferação do Aedes aegypti


O número de casos notificados das doenças transmitidas pelo mosquito Aedes aegypti aumentou em 2019, em Pernambuco. Até 14 de setembro, a Secretaria Estadual de Saúde registrou um crescimento de 160% nos casos notificados de dengue, 175,8% nos de zika e 134% nos de chikungunya, em comparação com o mesmo período do ano passado. 

De acordo com o Levantamento Rápido de Índices de Infestação pelo mosquito, o Liraa, desde 2016, o município Panelas está em situação de risco para o surto das três doenças transmitidas pelo vetor. Divulgado em abril deste ano, o índice do município foi de 4,60%. A classificação do Ministério da Saúde indica que a partir de 4%, o município já está em situação de risco. O desejável, para estar em condições satisfatórias, é apresentar índice inferior a 1%.

Para a gerente de Vigilância das Arboviroses da Secretaria Estadual de Saúde, Claudenice Pontes, entre os fatores que contribuem para esse resultado estão o armazenamento inadequado de água, bem como o clima da região Nordeste, que é muito propício para a proliferação do mosquito. A gestora destaca a importância do cuidado constante para evitar focos do mosquito. 

“Peço à população para ver quintais, o acúmulo de água – seja da chuva ou em caixa d’água que não esteja coberta. Que tenha esse cuidado, junto com os profissionais de saúde, para gente combater esses mosquitos que trazem tantas doenças. É um mosquito pequeno, mas que traz doenças grandes e que podem ser fatais.”

Para que histórias como a da Rosane Torres do Nascimento, de 25 anos, e da Maria Geniclécia Félix, de 35 anos, não se repitam é fundamental a mobilização e participação de todos no combate ao mosquito.  Rosane, que é auxiliar de professora, foi acometida pela chikungunya e conta o que sentiu.

“De início, senti uma leve dor no corpo, que foi ficando moderada e muito forte. A dor era principalmente nas juntas. E veio também muita dor de cabeça, febre altíssima, muito difícil de baixar, e a boca amargava muito. Para levantar da cama, era preciso o auxílio de alguém. Fiquei com uma dor muito concentrada no pulso, passou mais de um ano com essa dor. Tive muita dificuldade para escrever.”

Foto: Ministério da Saúde

Outra vítima da picada do Aedes aegypti foi a funcionária pública Maria Geniclécia Félix. A moradora do centro de Panelas teve dengue duas vezes. 

“Inicialmente, você fica com uma sensação de resfriado. Moleza, dor no corpo... Mas, no segundo dia, todos os sintomas aumentaram. Cheguei a ter febre de quase 40 graus, muita dor no corpo, um frio descontrolado. E com uns dois dias, o corpo pintou inteiro, fiquei com bastante coceira. Quando atinge o auge mesmo dos sintomas, a questão da febre e da dor no corpo, você consegue fazer nada. Na primeira vez, fiquei três dias de cama, levantava muito mal para ir ao banheiro.”

Como os sintomas das três doenças são muito parecidos no início: febre, dor de cabeça, dores no corpo e nas articulações, náusea, manchas vermelhas no corpo, é importante procurar atendimento médico para diagnóstico e tratamento adequados. É o que recomenta a gerente de Vigilância das Arboviroses Claudenice Pontes.

“Essas arboviroses além de terem, no início, sintomas bem parecidos, também podem ser confundidas com outros tipos de viroses. Mas, na dúvida, o ideal é sempre pensar na possibilidade de ser arbovirose. Evitar algum medicamento que possa provocar um processo hemorrágico e hidratar. Beber bastante água nesse período. Hidrate bastante no período em que estiver com a sintomatologia.”

É fundamental ter cuidado com todos os locais que possam acumular água parada independente da época do ano, pois os ovos do mosquito são resistentes e podem sobreviver no meio ambiente por 450 dias, bastando pouca quantidade de água para que haja a eclosão das larvas. Proteja sua família. Lembre-se que o combate começa por você. Para mais informações, acesse: saude.gov.br/combateaedes.

 

Continue Lendo





Receba nossos conteúdos em primeira mão.

LOC.: O número de casos notificados das doenças transmitidas pelo mosquito Aedes aegypti aumentou em 2019, em Pernambuco. Até 14 de setembro, a Secretaria Estadual de Saúde registrou um crescimento de 160% nos casos notificados de dengue, 175,8% nos de zika e 134% nos de chikungunya, em comparação com o mesmo período do ano passado. 

De acordo com o Levantamento Rápido de Índices de Infestação pelo mosquito, o Liraa, desde 2016, o município Panelas está em situação de risco para o surto das três doenças transmitidas pelo vetor. Divulgado em abril deste ano, o índice do município foi de 4,60%. A classificação do Ministério da Saúde indica que a partir de 4%, o município já está em situação de risco. O desejável, para estar em condições satisfatórias, é apresentar índice inferior a 1%.

Para a gerente de Vigilância das Arboviroses da Secretaria Estadual de Saúde, Claudenice Pontes, entre os fatores que contribuem para esse resultado estão o armazenamento inadequado de água, bem como o clima da região Nordeste, que é muito propício para a proliferação do mosquito. A gestora destaca a importância do cuidado constante para evitar focos do mosquito. 
 

"A gente precisa sempre estar olhando nossos quintais, jardins e até os locais que nós precisamos armazenar água. Se está armazenada adequadamente, bem fechadinha para que não permita a entrada do mosquito e se nos nossos jardins e quintais se tem algum tipo de depósito, para quando vier a chuva, porque isso é uma situação muito boa para a proliferação do mosquito. Sempre estar atento para esses pequenos depósitos e se possível eliminá-los".

LOC.: Para que histórias como a da Rosane Torres do Nascimento, de 25 anos, e da Maria Geniclécia Félix, de 35 anos, não se repitam é fundamental a mobilização e participação de todos no combate ao mosquito.  Rosane, que é auxiliar de professora, foi acometida pela chikungunya e conta o que sentiu.

“De início, senti uma leve dor no corpo, que foi ficando moderada e muito forte. A dor era principalmente nas juntas. E veio também muita dor de cabeça, febre altíssima, muito difícil de baixar, e a boca amargava muito. Para levantar da cama, era preciso o auxílio de alguém. Fiquei com uma dor muito concentrada no pulso, passou mais de um ano com essa dor. Tive muita dificuldade para escrever.”

LOC.: Outra vítima da picada do Aedes aegypti foi a funcionária pública Maria Geniclécia Félix. A moradora do centro de Panelas teve dengue duas vezes. 

“Inicialmente, você fica com uma sensação de resfriado. Moleza, dor no corpo... Mas, no segundo dia, todos os sintomas aumentaram. Cheguei a ter febre de quase 40 graus, muita dor no corpo, um frio descontrolado. E com uns dois dias, o corpo pintou inteiro, fiquei com bastante coceira. Quando atinge o auge mesmo dos sintomas, a questão da febre e da dor no corpo, você consegue fazer nada. Na primeira vez, fiquei três dias de cama, levantava muito mal para ir ao banheiro.”

LOC.: Como os sintomas das três doenças são muito parecidos no início: febre, dor de cabeça, dores no corpo e nas articulações, náusea, manchas vermelhas no corpo, é importante procurar atendimento médico para diagnóstico e tratamento adequados. É o que recomenta a gerente de Vigilância das Arboviroses Claudenice Pontes.

“Essas arboviroses além de terem, no início, sintomas bem parecidos, também podem ser confundidas com outros tipos de viroses. Mas, na dúvida, o ideal é sempre pensar na possibilidade de ser arbovirose. Evitar algum medicamento que possa provocar um processo hemorrágico e hidratar. Beber bastante água nesse período. Hidrate bastante no período em que estiver com a sintomatologia.”

 LOC.: É fundamental ter cuidado com todos os locais que possam acumular água parada independente da época do ano, pois os ovos do mosquito são resistentes e podem sobreviver no meio ambiente por 450 dias, bastando pouca quantidade de água para que haja a eclosão das larvas. Proteja sua família. Lembre-se que o combate começa por você. Para mais informações, acesse: saude.gov.br/combateaedes.