Crescimento do comércio varejista foi registrado em fevereiro Foto: Jefferson Rudy/Agência Senado
Crescimento do comércio varejista foi registrado em fevereiro Foto: Jefferson Rudy/Agência Senado

Vendas do comércio varejista cresceram 1% em fevereiro; aponta pesquisa

A estimativa da CNC é de que vendas totais em fevereiro atingiram R$ 209,9 bilhões


O volume de vendas do comércio varejista brasileiro cresceu 1,0% em fevereiro. Esse desempenho levou o volume de vendas do varejo ao seu ponto mais alto desde o início da série histórica em 2000. A estimativa da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC) é de que vendas totais em fevereiro atingiram R$ 209,9 bilhões. As informações são da Pesquisa Mensal de Comércio (PMC), divulgada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Fabio Bentes, economista sênior da CNC, afirma que ao longo do anos, os juros têm caído e hoje estão no menor patamar há um ano e meio. 

“Isso ajuda diversos segmentos do comércio, ajuda a desafixar o orçamento da população, que andou bastante apertado por conta dos problemas decorrentes da pandemia,;e vai ajudar aqueles segmentos que ainda não conseguiram se recuperar do tombo causado pela crise sanitária”, aponta.

O segundo avanço consecutivo nas vendas do comércio varejista em 2024 foi impulsionado pelo setor de farmácias, perfumarias e cosméticos, registrando um aumento de 9,9% — em janeiro, esse segmento tinha apresentado uma queda de 1,1%.

De acordo com a pesquisa, parte desse aumento foi atribuído à antecipação do aumento dos preços dos medicamentos, autorizado pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) a partir de abril, com uma margem de até 4,5%. Outros segmentos de destaque foram as lojas de artigos de uso pessoal e doméstico (+4,8%) e o setor automotivo (+3,9%). 

Expectativas

Para os próximos meses, o economista Cesar Bergo afirma que há expectativas de melhorias para o comércio varejista. Ele afirma que esse resultado acaba melhorando também a probabilidade do Produto Interno Bruto (PIB) de 2024 — e que inicialmente as previsões variavam entre 1.5% e 1.7%, mas com o resultado do varejo pode apontar para um crescimento acima de 2%, podendo chegar até 2.2%.

 “As expectativas são de melhoria nesse cenário de cenário de taxa de juros, com a queda gradativa da Selic. E com a inflação que tem ficado abaixo de 4%. É lógico que esse movimento do varejo acaba, de alguma forma, impactando o segmento de serviços — o que é uma preocupação do Banco Central. Mas de qualquer forma, não tenha dúvida que esses números surpreendem positivamente", enfatiza.

Para Lélio Reis, sócio proprietário do Madô Burger Brasília, a tendência é que o comércio varejista continue melhorando ao crescimento da economia. “Nós abrimos mais uma unidade do restaurante e trouxemos a expansão da hamburgueria do Mato Grosso a Brasília. Então estamos sentindo essa melhora na economia”, pontua.

Leia mais:

Inflação oficial desacelera em março de 2024

Receba nossos conteúdos em primeira mão.

LOC.: As vendas do comércio varejista brasileiro cresceram 1% em fevereiro. Esse desempenho levou o volume de vendas do varejo ao seu ponto mais alto, desde o início da série histórica em 2000. A estimativa da CNC é de que vendas totais em fevereiro atingiram mais de 209 bilhões de reais. As informações são da Pesquisa Mensal de Comércio, divulgada pelo IBGE.

O economista sênior da CNC Fabio Bentes afirma que, ao longo do anos, os juros têm caído — e hoje estão no menor patamar há um ano e meio. 

TEC./SONORA: Fabio Bentes, economista sênior da CNC

“Isso ajuda diversos segmentos do comércio, ajuda a desafixar o orçamento da população, que andou bastante apertado por conta dos problemas decorrentes da pandemia, e vai ajudar aqueles segmentos que ainda não conseguiram se recuperar do tombo causado pela crise sanitária.”


LOC.: O segundo avanço consecutivo nas vendas do comércio varejista em 2024 foi impulsionado pelo setor de farmácias, perfumarias e cosméticos. O setor registrou um aumento de 9,9% em fevereiro. Outros segmentos de destaque foram as lojas de artigos de uso pessoal e doméstico e o setor automotivo.

Para o sócio proprietário do Madô Burger Brasília,  Lélio Reis, a tendência é que o comércio varejista continue melhorando junto com o crescimento da economia.  

TEC./SONORA: Lélio Reis, sócio proprietário do Madô Burger Brasília

“Nesse primeiro semestre nós abrimos mais uma unidade do restaurante e trouxemos a expansão da hamburgueria do Mato Grosso para Brasília. Então estamos sentindo essa melhora na economia.”


LOC.: Para os próximos meses, o economista Cesar Bergo também afirma que há expectativas de melhorias para o comércio varejista.

TEC./SONORA: Cesar Bergo, economista

 “As expectativas são de melhoria nesse cenário de cenário de taxa de juros, com a queda gradativa da Selic, e com a inflação que tem ficado abaixo de 4%. É lógico que esse movimento do varejo acaba, de alguma forma, impactando o segmento de serviços, o que é uma preocupação do Banco Central. Mas de qualquer forma, não tenha dúvida que esses números surpreendem positivamente.”


LOC.: O economista afirma que esse resultado acaba melhorando também a probabilidade do Produto Interno Bruto (PIB) de 2024. Ele lembra que inicialmente as previsões variavam entre 1.5% e 1.7%, mas o resultado do varejo pode apontar para um crescimento acima de 2%, podendo chegar até 2.2%.

Reportagem, Nathália Guimarães