Foto: Agência Brasil/EBC
Foto: Agência Brasil/EBC

Pesquisa da CNI aponta alta da indústria no faturamento, emprego e rendimento em junho

Dados apontam melhor momento de 2022 da indústria da transformação. Faturamento, empregos e massa salarial tiveram números positivos nos resultados da pesquisa


Os dados dos Indicadores Industriais de junho, divulgados nesta quarta-feira (3) pela Confederação Nacional da Indústria (CNI), apontam alta do setor industrial brasileiro em diferentes frentes. Faturamento, empregos e massa salarial tiveram números positivos nos resultados da pesquisa e, segundo a CNI, este é o melhor momento em 2022 da indústria de transformação.

Em junho, o faturamento real da indústria cresceu pelo segundo mês consecutivo e alcançou o maior patamar neste ano. Em relação a maio, o crescimento foi de 0,9%. Comparando a junho do ano passado, o índice manteve- se praticamente estável. O emprego industrial também cresceu: 0,4% em relação a maio, aumento registrado após três meses consecutivos de dados negativos, entre fevereiro e abril. 

Outro dado positivo foi o aumento de 2,4% entre junho e maio da massa salarial da indústria de transformação, que chegou ao seu ponto mais elevado desde o início da pandemia, em março de 2020. 

Embora os números configurem um cenário positivo, o gerente de Análise Econômica da CNI, Marcelo Azevedo, chama atenção para alguns obstáculos que impedem a expansão da produção. “Os Indicadores mostram um bom momento da indústria, apesar das dificuldades trazidas pela falta de insumos e matérias-primas e o alto custo da sua aquisição.”

Na avaliação do economista e professor da  Escola de Administração de Empresas de São Paulo da Fundação Getulio Vargas (FGV), Renan Pieri, a economia brasileira vem melhorando nos últimos meses, o que pode gerar incentivos ao desenvolvimento industrial brasileiro. “Pode, sim, gerar incentivos para a indústria nacional, gerar mais produtos, principalmente voltados ao mercado doméstico. Sendo bom momento da economia, certamente é melhor para a indústria nacional, embora esteja sofrendo muito com gargalos de infraestrutura e custos dos insumos”, destaca. 

Horas trabalhadas

Já as horas trabalhadas na produção mantiveram-se estáveis em junho deste ano após o avanço de maio. Comparando o índice com o de 12 meses atrás, houve crescimento de 3,8%. A Utilização da Capacidade Instalada (UCI), índice que mede o nível de atividade da indústria a partir da porcentagem do parque industrial em funcionamento, registrou queda de 0,3% em relação a maio, embora o nível ainda seja elevado, de 80,4%. Já na comparação entre junho de 2022 e o mesmo mês de 2021, o indicador caiu 1,5%.

“Essa estabilidade das horas trabalhadas e a queda da UCI se deve muito a essa questão de insumos e matérias-primas. Isso vem atrapalhando a produtividade industrial, mas a indústria vem trazendo bons resultados”, destaca Marcelo Azevedo. 
 

Continue Lendo



Receba nossos conteúdos em primeira mão.

LOC.: Os dados dos Indicadores Industriais de junho, divulgados pela Confederação Nacional da Indústria, a CNI, apontam que o setor industrial brasileiro apresentou alta em diferentes frentes. Faturamento, empregos e massa salarial tiveram números positivos nos resultados da pesquisa. Segundo a CNI, este é o melhor momento em 2022 da indústria de transformação.

O faturamento real da indústria registrou alta pelo segundo mês consecutivo e alcançou o maior patamar neste ano. Em comparação a junho do ano passado, o índice manteve-se praticamente estável. O emprego industrial também cresceu: 0,4% em relação a maio. 

Outro dado positivo foi o aumento de mais de dois por cento entre junho e maio da massa salarial da indústria de transformação, que chegou ao seu ponto mais elevado desde o início da pandemia, em março de 2020. 

Embora os números configurem um cenário positivo, o gerente de Análise Econômica da CNI, Marcelo Azevedo, chama atenção para alguns obstáculos que impedem a expansão da produção.
 

TEC./SONORA: Marcelo Azevedo, gerente de Análise Econômica da CNI.

 “Os Indicadores mostram um bom momento da indústria, apesar das dificuldades trazidas pela falta de insumos e matérias-primas e o alto custo da sua aquisição.”
 

LOC.: As horas trabalhadas na produção mantiveram-se estáveis em junho deste ano após o avanço de maio. Comparando o índice com o de 12 meses atrás, houve crescimento de quase quatro por cento. A Utilização da Capacidade Instalada, índice que mede o nível de atividade da indústria a partir da porcentagem do parque industrial em funcionamento, registrou queda de zero vírgula três por cento em relação a maio.

Na avaliação do economista e professor da  Escola de Administração de Empresas de São Paulo da Fundação Getulio Vargas, Renan Pieri, a economia brasileira vem melhorando nos últimos meses, o que pode gerar incentivos ao desenvolvimento industrial brasileiro. 
 

TEC./SONORA: Renan Pieri, economista.

“Pode, sim, gerar incentivos para a indústria nacional, gerar mais produtos, principalmente voltados ao mercado doméstico. Sendo bom momento da economia, certamente é melhor para a indústria nacional, embora esteja sofrendo muito com gargalos de infraestrutura e custos dos insumos.”
 

LOC.: Os dados completos da pesquisa da CNI podem ser encontrados em portaldaindustria.com.br barra estatisticas sem acento.