Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil
Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

País fecha novembro com saldo positivo de 130 mil empregos, segundo Caged

Dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) mostram que a atividade econômica foi impulsionada pela expansão dos postos de trabalho nos serviços e comércio. Indústria, construção civil e agropecuária tiveram resultado negativo


O Brasil registrou saldo positivo de 130.097 vagas de emprego em novembro, segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged). A informação foi divulgada pelo Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) nesta quinta-feira (28). O acumulado nos 11 primeiros meses do ano chegou a 1.914.647 postos de trabalho formais. 

Francisco Macena, secretário-executivo da pasta, destacou que o resultado está acima das expectativas que o mercado financeiro projetava. "A gente está com uma consideração muito positiva desse resultado comparado com aquilo que era a expectativa no final do ano passado e no início do ano. Tinha uma tendência de todos os analistas econômicos que a gente passaria por um momento de grandes dificuldades neste ano", disse. 

A expansão do mercado formal de trabalho foi puxada pelos setores de serviços e comércio. O primeiro teve saldo positivo de 92.620 vagas, enquanto o segundo de 88.706. 

Por outro lado, a agropecuária demitiu 21.017 trabalhadores a mais do que contratou. Para o MTE, o tombo se deve a problemas com a safra de cana de açúcar e, também, com a quebra de safra da soja observada no Centro-Oeste. 

A retração do emprego também se observou na construção civil e na indústria, que registraram saldo negativo de 17.300 e 12.911 empregos, respectivamente. Para a pasta, trata-se apenas de um impacto sazonal. 

No acumulado do ano, a pasta destaca que há saldo positivo de postos de trabalho nos cinco grandes grupamentos econômicos (serviços, comércio, agropecuária, construção civil e indústria) e nas 26 estados e Distrito Federal. 

Os dados referentes ao mês de dezembro devem ser publicados apenas no fim de janeiro. Apenas lá será possível saber como foi o desempenho consolidado do mercado formal de trabalho no país durante o ano de 2023. 

Macena projeta que 2024 será positivo. "Nossa expectativa é que no ano que vem a gente possa ter um ciclo virtuoso, não só de geração de empregos formais, mas de renda também. Já sentimos nesse primeiro ano o impacto positivo do aumento real do salário mínimo. Ele vai ter um reajuste de R$ 92 no ano que vem e achamos que isso vai aumentar o consumo, vai movimentar a economia e vai gerar emprego."

Em 2022, um em cada cinco jovens brasileiros nem trabalhava, nem estudava

Setor de serviços abrange maior número de postos de trabalho com carteira assinada

Receba nossos conteúdos em primeira mão.

LOC.: O Brasil registrou saldo positivo de pouco mais de 130 mil vagas de emprego em novembro, segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados, o Caged. A informação foi divulgada pelo Ministério do Trabalho e Emprego nesta quinta-feira (28). O acumulado nos 11 primeiros meses do ano chegou a cerca de 1 milhão e 915 mil postos de trabalho formais. 

O secretário-executivo do ministério, Francisco Macena, destacou que o resultado está acima das expectativas que o mercado financeiro projetava.

TEC./SONORA: Francisco Macena, secretário executivo do Ministério do Trabalho e Emprego
"A gente está com uma consideração muito positiva desse resultado comparado com aquilo que era a expectativa no final do ano passado e no início do ano. Tinha uma tendência de todos os analistas econômicos que a gente passaria por um momento de grandes dificuldades neste ano."


LOC.: A expansão do mercado formal de trabalho foi puxada pelos setores de serviços e comércio. O primeiro teve saldo positivo de cerca de 93 mil vagas, enquanto o segundo de quase 89 mil. 

Por outro lado, agropecuária, construção civil e indústria registraram perda de postos de trabalho. 

Os dados consolidados do ano de 2023 serão divulgados no final de janeiro. 

Reportagem, Felipe Moura.