Foto: Arquivo/EBC
Foto: Arquivo/EBC

Juros para famílias reduzem em 2020 e chegam ao menor nível histórico, aponta BC

Segundo a instituição financeira, o destaque para o último mês de 2020 foi a diminuição de 5,8 pontos percentuais no crédito pessoal não consignado, atingindo 74,5% ao ano


Tanto as famílias quanto as empresas brasileiras pagaram taxas de juros mais baixas em 2020, de acordo com o Banco Central.  No levantamento Estatísticas Monetárias e de Crédito, divulgado nesta quinta-feira (28), a informação é de que no crédito às famílias, a taxa média chegou a 37% ao ano no mês de dezembro. Trata-se do menor índice da série histórica iniciada em 2011.

Ainda segundo a instituição financeira, o destaque para o último mês de 2020 foi a diminuição de 5,8 pontos percentuais no crédito pessoal não consignado, atingindo 74,5% ao ano.

Observatório FIESC traz projeções positivas para a indústria catarinense em 2021

Dívida Pública Federal pode chegar a R$ 5,9 trilhões neste ano

Os juros do crédito consignado, por sua vez, sofreram queda de 1,9 ponto percentual no ano e permaneceram estáveis entre novembro e dezembro em 18,6% ao ano. Já a taxa do cheque especial chegou a 115,6% ao ano, ou seja, um salto de 2,1 pontos percentuais na comparação com novembro.  

Continue Lendo



Receba nossos conteúdos em primeira mão.

LOC.: Tanto as famílias quanto as empresas brasileiras pagaram taxas de juros mais baixas em 2020, de acordo com o Banco Central.  No levantamento Estatísticas Monetárias e de Crédito, divulgado nesta quinta-feira (28), a informação é de que no crédito às famílias, a taxa média chegou a 37% ao ano no mês de dezembro. Trata-se do menor índice da série histórica iniciada em 2011.

Ainda segundo a instituição financeira, o destaque para o último mês de 2020 foi a diminuição de 5,8 pontos percentuais no crédito pessoal não consignado, atingindo 74,5% ao ano.

Os juros do crédito consignado, por sua vez, sofreram queda de 1,9 ponto percentual no ano e permaneceram estáveis entre novembro e dezembro em 18,6% ao ano. Já a taxa do cheque especial chegou a 115,6% ao ano, ou seja, um salto de 2,1 pontos percentuais na comparação com novembro.  

Reportagem, Marquezan Araújo