PIX: golpes por meio de celulares são frequentes  Foto: Paulo H. Carvalho/ Agência Brasília
PIX: golpes por meio de celulares são frequentes Foto: Paulo H. Carvalho/ Agência Brasília

DF: Polícia Civil registra 37 mil casos de estelionato e 5 mil de furto mediante fraude, em 2023

Maioria dos casos está relacionada a golpes envolvendo Pix


Entre janeiro e setembro deste ano, foram registradas 37.181 ocorrências de estelionato e 5.443 de furto mediante fraude, no Distrito Federal. De acordo com a Polícia Civil (PCDF), a maioria desses crimes está relacionada a golpes envolvendo o Pix. 

Com o aumento no número de casos, a PCDF lançou uma campanha para alertar a população sobre esses crimes. A iniciativa tem como objetivo informar sobre os golpes, prevenir futuras vítimas e oferecer orientações a quem já foi afetado pela fraude.

O pesquisador do Instituto de Referência em Internet e Sociedade (IRIS), Paulo Rená, explica que as orientações dadas pela PCDF para os usuários sobre prevenção são: 

  • Proteger dados pessoais;
  • Usar senhas fortes;
  • Não compartilhar senhas;
  • Utilizar autenticação em dois fatores e antivírus nos aplicativos;
  • Dar preferência às redes privadas de Wi-Fi;
  • Ter cuidado com imagens e informações recebidas por redes sociais;
  • Evitar links suspeitos que ofereçam vantagens exageradas.

O tempo de penalidade para quem comete esse tipo de crime varia entre 2 e 8 anos  — e o acusado poderá responder por estelionato ou furto mediante fraude. Também podem ser responsabilizados por envolvimento em associação criminosa, esquemas de pirâmide financeira e lavagem de dinheiro.

Paulo Rená orienta que, ao cair nesse tipo de golpe, deve-se avisar imediatamente a instituição financeira para que ela possa tomar os procedimentos padrão e também fazer o registro de ocorrência em uma delegacia.

“Como dicas adicionais, lembrar da pessoa documentar o golpe, anotar o número do telefone utilizado para o golpe, escrever um relato cronológico com o máximo de dados, a sequência dos eventos”, expõe. 

O especialista complementa que, após registrar o boletim de ocorrência, é fundamental preencher o formulário fornecido pelo próprio WhatsApp para denunciar o número que tentou aplicar o golpe.
 

Veja Mais:

Metrô-DF anuncia reabertura de licitação para ampliação da rede
Distrito Federal tem 42 casos de febre maculosa em investigação
 

Continue Lendo



Receba nossos conteúdos em primeira mão.

LOC.: Entre janeiro e setembro deste ano, foram registradas 37.181 ocorrências de estelionato e 5.443 de furto mediante fraude, no Distrito Federal. De acordo com a Polícia Civil do Distrito Federal (PCDF), a maioria desses crimes está relacionada a golpes envolvendo o Pix. 

Com o aumento no número de casos, a PCDF lançou uma campanha para alertar a população sobre esses crimes. A iniciativa tem como objetivo informar sobre os golpes, prevenir futuras vítimas e oferecer orientações a quem já foi afetado pela fraude.

Pesquisador do Instituto de Referência em Internet e Sociedade, Paulo Rená esclarece as recomendações da PCDF para os usuários prevenirem esses crimes.
 

TEC./SONORA: Paulo Rená - Iris

“As orientações para os usuários sobre prevenção são seis: proteger dados pessoais, usar senhas fortes e não compartilhar, utilizar autenticação em dois fatores e antivírus nos aplicativos dar preferência às redes privadas de Wi-Fi, ter cuidado com imagens e informações recebidas por redes sociais e a última dica é evitar links suspeitos que ofereçam vantagens exageradas.”
 


LOC.: O tempo de penalidade para quem comete esse tipo de crime varia entre 2 e 8 anos — e o acusado poderá responder por estelionato ou furto mediante fraude. Também podem ser responsabilizados por envolvimento em associação criminosa, esquemas de pirâmide financeira e lavagem de dinheiro.

Paulo Rená orienta que, ao cair nesse tipo de golpe, deve-se avisar imediatamente a instituição financeira para que ela possa tomar os procedimentos padrão e também fazer o registro de ocorrência em uma delegacia.
 

TEC./SONORA: Paulo Rená - Iris

“Como dicas adicionais, lembrar da pessoa documentar o golpe, anotar o número do telefone utilizado para o golpe, escrever um relato cronológico com o máximo de dados, a sequência dos eventos.”
 


LOC.: O especialista ressalta que , após registrar o boletim de ocorrência, é fundamental preencher o formulário fornecido pelo próprio WhatsApp para denunciar o número que tentou aplicar o golpe.

Reportagem, Sophia Stein