Foto: Breno Esaki/Agência Brasília
Foto: Breno Esaki/Agência Brasília

Covid-19: conheça a reação da vacina AstraZeneca e outras

Dúvidas sobre as reações às vacinas contra Covid-19 aumentam com o avanço da imunização, principalmente em relação ao produto da AstraZeneca. Efeitos colaterais mais comuns são sintomas como febre, fadiga, dor de cabeça e dor muscular


Por que a vacina contra a Covid-19 provoca efeitos colaterais? Quais são as reações mais comuns? A AstraZeneca “derruba mais”? Qual vacina contra Covid-19 dá menos reação? É bom ter reação à vacina? Esses são alguns dos vários questionamentos levantados por quem foi imunizado contra o novo coronavírus e apresentou sintomas como dores de cabeça, febre e fadiga, por exemplo.

Para esclarecer alguns desses pontos, o portal Brasil61.com ouviu médicos especialistas no tema. Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), efeitos colaterais leves a moderados são normais, e ocorrem porque “o sistema imunológico do corpo está respondendo à vacina e se preparando para combater o vírus”. Geralmente, após a aplicação da dose, o corpo aumenta o fluxo sanguíneo para que mais células imunes possam circular e aumenta a temperatura para matar o vírus, como explica a OMS.

Quais os sintomas mais comuns depois de tomar a vacina?

Os efeitos colaterais das vacinas contra a Covid-19 mais relatados incluem dor no local da injeção, febre, fadiga, dor de cabeça, dor muscular, calafrios e diarreia. A maior parte dos sintomas vão de leves a moderados, e não duraram mais do que alguns poucos dias, como detalha a infectologista Ana Helena Germoglio.

“Os sintomas mais comuns são febre, dor na da aplicação, um pouco de inchaço ou vermelhidão. Isso funciona para qualquer vacina. Normalmente, esses eventos vão durar por 24 ou 48 horas. Eles são transitórios e passam sozinhos, sem precisar da gente fazer qualquer tipo de intervenção mais grave.”

CoronaVac, AstraZeneca, Janssen e Pfizer

A bula da CoronaVac, um dos imunizantes mais utilizados no Brasil, por exemplo, traz três tópicos sobre possíveis reações adversas observadas a partir de estudos clínicos. 

  • Reação muito comum (podem ocorrer em mais de 10% dos pacientes): dor no local da aplicação;
  • Reação comum (podem ocorrer entre 1% e 10% dos pacientes): cansaço, febre, dor no corpo, diarreia, náusea, dor de cabeça;
  • Reação incomum (podem ocorrer entre 0,1% e 1% dos pacientes): vômitos, dor abdominal inferior, distensão abdominal, tonturas, tosse, perda de apetite, reação alérgica, pressão arterial elevada, hipersensibilidade alérgica ou imediata.

A bula da AstraZeneca, Janssen e Pfizer também descrevem sintomas semelhantes. O informativo da AstraZeneca avisa que, “como todos os medicamentos, essa vacina pode causar efeitos colaterais, apesar de nem todas as pessoas os apresentarem”, e conclui que, em estudos clínicos com a vacina, “a maioria dos efeitos colaterais foi de natureza leve a moderada e resolvida dentro de poucos dias, com alguns ainda presentes uma semana após a vacinação”.

Atualmente, entre todos os brasileiros vacinados, 46,7% receberam doses da AstraZeneca, 43,4% da CoronaVac, 8,7% da Pfizer e 1,2% da Janssen. Caso a pessoa imunizada apresente sintomas diferentes destes citados em bula ou persistentes, a recomendação é procurar um profissional de saúde para o diagnóstico mais preciso. 

Se medicar após a vacina bloqueia a proteção contra a Covid-19?

Uma outra dúvida recorrente de quem é imunizado contra a Covid-19 é se pode ou não utilizar uma medicação contra as reações à vacina. A médica Ana Helena afirma que não existe nenhum medicamento que seja comprovadamente contraindicado. Ou seja, não há um remédio que possa “bloquear” o efeito da vacina.

“Caso você tenha somente febre, dor no corpo, enjoo, por aquelas 24h ou 48h, pode tomar o medicamento que já é de costume, ou perguntar para o seu médico que já te acompanha, para orientar o que deve ser feito”, diz. A recomendação é a mesma da bula da AstraZeneca, que traz: “Se os efeitos colaterais como dor e/ou febre estiverem incomodando, informe o seu profissional de saúde, ele poderá indicar o uso de algum medicamento para alívio destes sintomas, como, por exemplo, medicamentos contendo paracetamol”.

Como se medicar?

Fernanda Silva, 51 anos, é uma das pessoas que recebeu a dose de proteção e seguiu essas indicações. “Tomei a vacina da AstraZeneca ao meio-dia e comecei a sentir reação por volta de 21h. Eu tive muito calafrio, muito frio, muita dor no corpo. Passei a madrugada inteira tremendo muito e tomei uma Dipirona para passar um pouco do mal-estar”, relata. 

Fernando Cerqueira, infectologista do Hospital Santa Marta Asa Norte, destaca que alguns remédios podem ser bons aliados para combater os efeitos. “Medicações como Dipirona, principalmente, em casos de dor de cabeça, em caso de febre, de fadiga. Em caso de enjoo, pode ser tomado um Plasil, um Vonau. Mas é importante ressaltar que não se tome nenhuma medicação que necessite de prescrição médica, sem o devido acompanhamento”, alerta. 

Os sintomas de Fernanda passaram um dia após a aplicação, seguindo o padrão de normalidade citado pelos médicos. “Ter a oportunidade de receber a vacina pelo SUS é um privilégio muito grande, eu acho que a gente tem que enaltecer isso. Essa é a sensação, de alegria, de vitória. Espero que todos também tenham essa oportunidade, que a gente consiga conter esse vírus aí”, pontua.

A proteção final também é destacada pela infectologista Ana Helena. “Qualquer vacina que a gente tome pode dar algum efeito colateral ou evento adverso. O mais importante é a população saber que as vacinas são seguras e eficazes. Elas são o método mais rápido e mais simples da gente voltar para o nosso normal. Os efeitos colaterais são muito menores quando se compara o efeito de uma Covid. E os benefícios são muito maiores”, sintetiza.

Não ter reação significa que não houve proteção contra a Covid?

Há também quem se vacina contra o novo coronavírus e não apresenta sintomas adversos. Isso quer dizer que a pessoa não foi imunizada? A resposta é objetiva: não ter efeitos colaterais não significa que não há proteção. A própria OMS destaca essa informação. 

“Efeitos colaterais comuns, leves ou moderados, são uma coisa boa. Eles nos mostram que a vacina está funcionando. Não experimentar efeitos colaterais não significa que a vacina seja ineficaz. Significa que todos respondem de forma diferente”.
 

Continue Lendo



Receba nossos conteúdos em primeira mão.

LOC.: Por que a vacina contra a Covid-19 provoca efeitos colaterais? Quais são as reações mais comuns? É bom ter reação à vacina? Esses são alguns dos vários questionamentos levantados por quem foi imunizado contra o novo coronavírus e apresentou sintomas como dores de cabeça, febre e fadiga, por exemplo.

Para esclarecer alguns desses pontos, a reportagem ouviu médicos especialistas no tema. A maior parte desses sintomas vão de leves a moderados, e não duraram mais do que alguns poucos dias, como detalha a infectologista Ana Helena Germoglio.
 

TEC./SONORA: Ana Helena Germoglio, infectologista
“Os sintomas mais comuns são febre, dor na da aplicação, um pouco de inchaço ou vermelhidão. Isso funciona para qualquer vacina. Normalmente, esses eventos vão durar por 24 ou 48 horas. Eles são transitórios e passam sozinhos, sem precisar da gente fazer qualquer tipo de intervenção mais grave.”
 

LOC.: Segundo a OMS, efeitos colaterais leves a moderados são normais, e ocorrem porque o sistema imunológico do corpo está respondendo à vacina e se preparando para combater o vírus. 

Fernando Cerqueira, infectologista do Hospital Santa Marta Asa Norte, destaca que alguns remédios podem ser bons aliados para combater os efeitos, desde que não sejam medicações que necessitem de prescrição.
 

TEC./SONORA: Fernando Cerqueira, infectologista do Hospital Santa Marta Asa Norte
“Medicações como Dipirona, principalmente, em casos de dor de cabeça, em caso de febre, de fadiga. Em caso de enjoo, pode ser tomado um Plasil, um Vonau. Mas é importante ressaltar que não se tome nenhuma medicação que necessite de prescrição médica, sem o devido acompanhamento.”
 

LOC.: Há também quem se vacina contra o novo coronavírus e não apresenta sintomas adversos. Isso quer dizer que a pessoa não foi imunizada? A resposta é objetiva: não ter efeitos colaterais não significa que não há proteção. A própria OMS destaca que todos os sistemas imunológicos respondem de forma diferente. 
 
Reportagem, Alan Rios 
 

NOTA

LOC.: Por que a vacina contra a Covid-19 provoca efeitos colaterais? Quais são as reações mais comuns? É bom ter reação à vacina? Esses são alguns dos vários questionamentos levantados por quem foi imunizado contra o novo coronavírus e apresentou sintomas. 

Os efeitos colaterais das vacinas contra a Covid-19 mais relatados incluem dor no local da injeção, febre, fadiga, dor de cabeça, dor muscular, calafrios e diarreia. A maior parte dos sintomas vão de leves a moderados, e não duraram mais do que alguns poucos dias.

Caso a pessoa imunizada apresente sintomas diferentes destes citados ou persistentes, a recomendação é procurar um profissional de saúde para o diagnóstico mais preciso. Atualmente, não existe nenhum medicamento que seja comprovadamente contraindicado após a vacina, mas não é recomendado fazer uso de remédio que precise de prescrição sem uma recomendação médica.