Foto: Divulgação/SES-RS
Foto: Divulgação/SES-RS

Casos de infecções por HIV e Aids aumentam no Rio Grande do Sul

De 2020 a 2022, houve um crescimento de 3% nos casos de infecção pelo HIV, passando de 2.836 notificações para 2.920 no ano passado


No Rio Grande do Sul, o aumento das infecções por HIV e Aids continua sendo um desafio de saúde pública. De 2020 a 2022, houve um crescimento de 3% nos casos de infecção pelo HIV, passando de 2.836 notificações para 2.920 no ano passado. De acordo com o Boletim Epidemiológico do HIV e da Aids 2023, o estado está na sexta posição de maior índice no país, com 23,9 casos por 100 mil habitantes. 

Em relação ao índice de mortalidade, o Rio Grande do Sul lidera com 7,3 mortes por 100 mil habitantes, superando a média nacional de 4,1. Em 2022, o estado registrou 1.130 mortes com a Aids como causa básica notificada. Os dados do boletim vão até o dia 30 de junho de 2023, cobrindo assim apenas o primeiro semestre do ano.

De acordo com a Secretaria de Saúde do Rio Grande do Sul, a situação epidemiológica do HIV/Aids está ligada a desigualdades sociais e a permanência de estigmas e preconceitos a respeito da doença. O médico infectologista  Hemerson Luz também atribui a desinformação de como o HIV é transmitido, quais os primeiros sintomas e locais de testagem ao aumento das transmissões.

“Além do próprio preconceito e esses acessos que podem ter uma relação direta com as condições sociais, sabemos que as pessoas em estado de vulnerabilidade, ou mesmo que estejam com menor acesso ao poder aquisitivo têm uma menor possibilidade de alcançar esses fatores preventivos”, avalia.

De acordo com os Indicadores e Dados Básicos do HIV/AIDS nos Municípios Brasileiros, ao todo, em 2023, foram contabilizados 1.206 casos de Aids no estado. Sendo 706 homens, 500 mulheres, 10 em crianças menores de 5 anos e 91 jovens de 15 a 24 anos de idade.

Índice de infecção nos municípios

Porto Alegre é a capital que registrou o maior índice em um levantamento entre os dados de 2018 a 2022, que leva em consideração as taxas de detecção na população geral, mortalidade e registros em menores de cinco anos de idade.

Em relação aos 100 municípios brasileiros com mais de 100 mil habitantes, com base no mesmo índice composto para o período (2018-2022), o Rio Grande do Sul tem seis cidades representadas: Canoas na 2ª posição, Gravataí em 7º, Novo Hamburgo em 33º, Bagé em 44º, Pelotas em 64º e Passo Fundo em 81º.

Prevenção

As principais ações de combate ao HIV no Rio Grande do Sul incluem:

  • Ampliação da testagem rápida para HIV.
  • Disponibilização da profilaxia pré-exposição (PrEP) e pós-exposição (PEP) ao HIV.
  • Tratamentos efetivos para controlar a carga viral e tornar o HIV indetectável, prevenindo a transmissão.

Além disso, o estado implementa estratégias como o Projeto Geração Consciente, uma iniciativa colaborativa focada na educação sexual e reprodutiva de jovens estudantes, em parceria com a Secretaria da Saúde, a Secretaria da Educação, Unesco, Unaids e o programa RS Seguro.

Dezembro Vermelho

Este ano, a Secretaria de Estado da Saúde do Rio Grande do Sul lançou uma campanha de prevenção e diagnóstico do HIV/Aids para redes sociais e rádios. A iniciativa destaca a importância da testagem regular, do uso de preservativos e gel lubrificante, além de encorajar o acesso às profilaxias disponíveis. 

A campanha enfatiza a necessidade de diagnósticos precoces e tratamento imediato, visando preservar a vida e alcançar carga viral indetectável para evitar a transmissão do vírus e faz parte do Dezembro Vermelho, uma mobilização nacional na luta contra o HIV, Aids e outras ISTs, instituída no Dia Mundial de Luta Contra a Aids, em 1º de dezembro.
 

Veja Mais:

Um milhão de pessoas vivem com HIV no Brasil. Mulheres apresentam piores índices da doença
Goiás registra cerca de 23 casos de HIV e 6 casos de Aids por 100 mil habitantes em 2023
 

Receba nossos conteúdos em primeira mão.

LOC.: No Rio Grande do Sul, o aumento das infecções por HIV e Aids continua sendo um desafio de saúde pública. De 2020 a 2022, houve um crescimento de 3% nos casos de infecção pelo HIV, passando de 2.836 notificações para 2.920 no ano passado. De acordo com o Boletim Epidemiológico do HIV e da Aids 2023, o estado está na sexta posição de maior índice no país, com 23,9 casos por 100 mil habitantes. 

O médico infectologista Hemerson Luz atribui o aumento das transmissões à desinformação de como o HIV é transmitido, quais os primeiros sintomas, locais de testagem e preconceitos a respeito da doença 
 

TEC./SONORA: Hemerson Luz - infectologista

“Além do próprio preconceito e esses acessos que podem ter uma relação direta com as condições sociais, sabemos que as pessoas em estado de vulnerabilidade, ou mesmo que estejam com menor acesso ao poder aquisitivo têm uma menor possibilidade de alcançar esses fatores preventivos.”
 


LOC.: No Rio Grande do Sul, as ações de combate ao HIV consistem na ampliação da testagem rápida, oferta de profilaxias pré e pós-exposição ao HIV, e tratamentos para manter o vírus indetectável. O estado também promove o Projeto Geração Consciente, iniciativa para a educação de jovens estudantes sobre saúde sexual e reprodutiva.

De acordo com os Indicadores e Dados Básicos do HIV/AIDS nos Municípios Brasileiros, ao todo, em 2023, foram contabilizados 1.206 casos de Aids no estado. Sendo 706 homens, 500 mulheres, 10 em crianças menores de 5 anos e 91 jovens de 15 a 24 anos de idade.

Reportagem, Sophia Stein