Foto: INCA/Divulgação
Foto: INCA/Divulgação

CÂNCER: Governo gastou cerca de R$ 3,5 bi no tratamento de pacientes oncológicos acima de 30 anos

O número é referente ao ano de 2018 e consta em sumário executivo, divulgado nesta sexta-feira (29), pelo Inca. Publicação projeta impactos dos fatores de risco relacionados à alimentação, nutrição e atividade física nos gastos federais no atendimento ambulatorial e hospitalar de pacientes oncológicos


O governo federal gastou cerca de R$ 3,5 bilhões no tratamento de pacientes acima dos 30 anos com câncer, em 2018, nos hospitais do Sistema Único de Saúde. O dado consta em sumário executivo, lançado pelo Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva (Inca), nesta sexta-feira (29), durante seminário virtual em comemoração ao Dia Mundial da Atividade Física (6 de abril).

Durante o lançamento, a diretora-geral do Inca, Ana Cristina Pinho, afirmou que, em 2018, R$ 1.4 bilhão foram utilizados em tratamentos de cânceres associados com atividade física insuficiente.

Segundo o documento, os gastos com a assistência oncológica vêm crescendo de "forma expressiva e ameaçam a viabilidade financeira dos sistemas de saúde". O câncer mata cerca de 232 mil pessoas e é a segunda causa mais frequente de morte no País.

O documento faz projeções do impacto futuro dos fatores de risco relacionados à alimentação, nutrição e atividade física nos gastos federais no atendimento ambulatorial e hospitalar de pacientes oncológicos. A estimativa é de que sejam gastos R$ 2,5 bilhões, em 2030, e R$ 3,4 bilhões, em 2040, com os cânceres de mama, colorretal e endométrio.

Para a coordenadora de Prevenção e Vigilância do Inca, Liz Almeida, caso a população pratique mais atividades físicas nos próximos anos, pode gerar uma economia de até R$ 20 milhões com o tratamento de câncer em 2040. Para isso, cerca de um terço da população brasileira precisa realizar ao menos 150 minutos de exercícios físicos por semana, até 2030.

O professor adjunto do Curso de Educação Física da Universidade Estadual de Londrina e coordenador do Programa de Pós-graduação em Educação Física da Universidade, Rafael Deminice, indica algumas atividades físicas para prevenir e reduzir os casos de câncer no Brasil.

“Qualquer movimento vale, desde passear com os cachorro, de se deslocar para o trabalho utilizando bicicleta ou caminhando, brincar, dançar com a família, especialmente com os filhos. Até realizar atividades sistematizadas, como corrida, academia, natação e assim por diante. Talvez a mensagem mais importante é que não há necessidade específica de se matricular numa academia para alcançar os benefícios, qualquer movimento, conta.”

O Ministério da Saúde lançou recentemente o Guia de Atividade Física para a População Brasileira e reconheceu a importância de tornar a atividade física uma política de Estado, a partir da criação e fortalecimento de políticas públicas estruturantes e baseadas em evidências.

VEJA MAIS:

Continue Lendo



Receba nossos conteúdos em primeira mão.

LOC.: O governo federal gastou quase três bilhões e meio de reais no tratamento de pacientes acima dos 30 anos com câncer, em 2018, nos hospitais do SUS. O dado é do Instituto Nacional de Câncer, o Inca, e consta em levantamento divulgado nesta sexta-feira, 29 de abril.

Durante a apresentação, a diretora-geral do Inca, Ana Cristina Pinho, afirmou que, em 2018, um bilhão e quatrocentos milhões de reais foram utilizados em tratamentos de cânceres associados com atividade física insuficiente.

Segundo o documento, os gastos com a assistência oncológica vêm crescendo de "forma expressiva e ameaçam a viabilidade financeira dos sistemas de saúde".

O câncer mata cerca de 232 mil pessoas e é a segunda causa mais frequente de morte no País.

O documento faz projeções do impacto futuro dos fatores de risco relacionados à alimentação, nutrição e atividade física nos gastos federais no atendimento ambulatorial e hospitalar de pacientes oncológicos. A estimativa é de que sejam gastos dois bilhões e meio de reais, em 2030, e três bilhões e quatrocentos milhões, em 2040, com os cânceres de mama, colorretal e endométrio.

Para a coordenadora de Prevenção e Vigilância do Inca, Liz Almeida, caso a população pratique mais atividades físicas nos próximos anos, pode gerar uma economia de até vinte milhões de reais com o tratamento de câncer em 2040. Para isso, cerca de um terço da população brasileira precisa realizar ao menos 150 minutos de exercícios físicos por semana, até 2030.

O coordenador do Programa de Pós-graduação em Educação Física da Universidade Estadual de Londrina, Rafael Deminice, indica algumas atividades físicas para prevenir e reduzir os casos de câncer no Brasil.

TEC./SONORA: coordenador do Programa de Pós-graduação em Educação Física da Universidade, Rafael Deminice

“Qualquer movimento vale, desde passear com os cachorro, de se deslocar para o trabalho utilizando bicicleta ou caminhando, brincar, dançar com a família, especialmente com os filhos. Até realizar atividades sistematizadas, como corrida, academia, natação e assim por diante. Talvez a mensagem mais importante é que não há necessidade específica de se matricular numa academia para alcançar os benefícios, qualquer movimento.”

LOC.: O Ministério da Saúde lançou recentemente o Guia de Atividade Física para a População Brasileira e reconheceu a importância de tornar a atividade física uma política de Estado, a partir da criação e fortalecimento de políticas públicas estruturantes e baseadas em evidências.

Reportagem, Gabriel Campos