Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil
Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

Brasil vive pior crise hídrica dos últimos anos e Rio de Janeiro sofre impacto energético

Pior situação hídrica em 91 anos de histórico faz Brasil repensar atual modelo do setor elétrico. Parlamentares apontam impactos econômicos, como acontece no cenário do Rio de Janeiro


O Brasil vive a pior crise hídrica dos últimos 91 anos, segundo dados de afluência do Sistema Interligado Nacional (SIN) para o período dos últimos meses de setembro a março. Os institutos de meteorologia já estavam alertando que as chuvas do último período úmido, de novembro de 2020 a abril de 2021, seriam abaixo da média. 

Em 1º de junho, a Agência Nacional de Águas (ANA) publicou a Resolução n°77/2021, que declarava a Situação Crítica de Escassez Quantitativa de Recursos Hídricos da Região Hidrográfica do Paraná, que ocupa 10% do território brasileiro, abrangendo São Paulo, Paraná, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Goiás, Santa Catarina e Distrito Federal. A situação crítica da região hidrográfica mais populosa e de maior desenvolvimento econômico do País aponta para um cenário de alerta nacional.

Tassio Barboza, mestre em Energia Solar Fotovoltaica e Secretário-Adjunto de Assuntos Técnicos do Instituto Nacional de Energia Limpa (Inel), explica que a escassez hídrica afeta vários segmentos de forma contínua, e ressalta a importância das águas para as proporções do território nacional.  

“Segundo a Agência Nacional de Águas, o Brasil utiliza suas bacias hidrográficas principalmente para irrigação, abastecimento animal, industrial, urbano, entre outros, nessa ordem. A geração de energia elétrica e o transporte hidroviário precisam também de água — mas ela não é consumida com a utilização. O Brasil é um país continental e precisa disponibilizar os recursos hídricos para todos esses fins. Quando falta água no reservatório, toda essa cadeia é afetada”.

Ou seja, a crise hídrica está diretamente relacionada, por exemplo, com a energia elétrica, como levanta o especialista. “O sistema elétrico brasileiro, na última crise lá em 2001, tinha uma geração 90% advindo da força das águas. Agora, em 2020, esse percentual já caiu para 72% e a tendência é que caia ainda mais. Apesar de ser um valor muito alto, fica claro que o País já tem outras alternativas para gerar energia, ou seja, a gente pode gerar energia, por exemplo, das fontes térmicas”, lembra. 

Crise e caminhos

Mesmo com essa queda da dependência da força das águas para o cenário energético nacional, Tassio classifica que “o sistema elétrico do Brasil hoje se encontra na UTI”. “As usinas térmicas são o oxigênio que vai manter o sistema de pé. Sem as usinas térmicas, certamente, a gente já teria o mesmo problema que a gente teve lá em 2001, as pessoas teriam que desligar a luz, diminuir a carga para que não houvesse um apagão”.

Fazendo uma analogia com o contexto pandêmico do Brasil, o especialista avalia o que seria a “vacina” para essa crise elétrica, ressaltando que o clima mundial vem mudando de forma significativa, com exemplos de recorde de calor nos Estados Unidos, as maiores chuvas dos últimos anos na China e o derretimento de calotas polares.

“Colocar todos os ovos na mesma cesta é muito ruim. O Brasil depende muito ainda das hídricas, e usar as usinas a gás não é uma opção para longo prazo, elas podem chegar a ser dez vezes mais caras e acaba pesando no bolso do brasileiro, encarece a conta de todo mundo e é muito poluente. Então, qual é a solução? Qual é a vacina mesmo? As energias renováveis são a melhor solução. A gente não pode prescindir das outras, da térmica, gás, por exemplo, porque elas dão hoje a segurança energética enquanto as renováveis não puderem ter sistema de armazenamento”.

Tassio opina que a Câmara dos Deputados não está voltando os olhos para a “vacina” contra as próximas crises hídricas no setor elétrico, e que soluções renováveis como a captação de energia solar nos telhados precisam ser debatidas. “O Brasil precisa de energia, faça chuva ou faça sol. Não podemos depender das chuvas. O brasileiro quer gerar a própria energia”.

Rio de Janeiro

Na visão do deputado federal Paulo Ganime (Novo-RJ), a crise hídrica já está impactando o estado do Rio de Janeiro. “A gente já está trabalhando com a conta de luz mais cara, sobretaxa. Tem possibilidade de a gente ter que fazer racionamento, redução do consumo, e não é só o consumidor privado que é impactado por isso, não é só pessoa física que é impactada por isso, mas isso também gera impacto na cadeia produtiva. As indústrias, todo setor produtivo também vai sofrer impacto, seja com racionamento, caso ocorra, seja com preços mais caros”, conceitua.

O parlamentar também acredita que é preciso ter menos dependência do modelo de energia baseada em recursos hídricos, e aponta caminhos para isso com proposições da Câmara, como o Projeto de Lei 414/2021, de autoria do senador Cássio Cunha Lima (PSDB-PB).

Novo Marco do Setor Elétrico 

Aprovado pelo Senado Federal, o PL aguarda despacho do presidente da Câmara dos Deputados. O texto, antigo PLS 232/2016, estabelece como mudança principal a portabilidade da conta de luz entre as distribuidoras, alterando o marco regulatório do setor elétrico para criar um mercado livre. A proposta ainda permite o compartilhamento, entre as distribuidoras, dos custos com a migração de consumidores para o mercado livre. Atualmente, elas são obrigadas a contratar toda a carga de energia elétrica para atender os consumidores.

“O Novo Marco do Setor Elétrico, o PL 414 é fundamental para a gente superar crises como essa no futuro, na verdade até para evitar crises como essa no futuro. Primeiro, ele traz mais liberdade para o setor, com mais investimentos em fontes de geração de energia alternativas, renováveis. Então, é importante que a gente tenha o avanço desse PL. Ele empodera mais, responsabiliza mais os clientes, porque eles vão ter mais liberdade para comprar por conta própria a sua energia, e com isso eles também vão ter que acompanhar mais de perto e ter mais responsabilidade em relação ao seu próprio consumo”.

Com a aprovação da MP da Eletrobras, o texto deve sofrer ligeiros ajustes. O projeto ainda vem de encontro com outras medidas parlamentares de enfrentamento à crise atual, como o já aprovado PL 3975/2019, que trata do risco hidrológico, e da Medida Provisória 998/2020, que remaneja recursos no setor elétrico para permitir a redução de tarifas de energia.
 

Continue Lendo



Receba nossos conteúdos em primeira mão.

LOC.: O Brasil vive a pior crise hídrica dos últimos 91 anos, com chuvas abaixo da média e uma declaração de Situação Crítica de Escassez Quantitativa de Recursos Hídricos da Região Hidrográfica do Paraná, que ocupa 10% do território brasileiro, abrangendo sete unidades da federação. 
 
Esse cenário, segundo especialistas, traz uma crise energética ao País, como explica Tassio Barboza, mestre em Energia Solar Fotovoltaica e Secretário-Adjunto de Assuntos Técnicos do Instituto Nacional de Energia Limpa (Inel).
 

TEC./SONORA: Tassio Barboza, mestre em Energia Solar Fotovoltaica e Secretário-Adjunto de Assuntos Técnicos do Instituto Nacional de Energia Limpa (Inel).
“O Brasil utiliza suas bacias hidrográficas principalmente para irrigação, abastecimento animal, industrial, urbano, entre outros, nessa ordem. A geração de energia elétrica e o transporte hidroviário precisam também de água — mas ela não é consumida com a utilização. O Brasil é um País continental e precisa disponibilizar os recursos hídricos para todos esses fins. Quando falta água no reservatório, toda essa cadeia é afetada”.
 

LOC.: Na visão do deputado federal Paulo Ganime (Novo-RJ), a crise hídrica já está impactando o estado do Rio de Janeiro, com conta de luz mais cara, sobretaxa e possibilidade de racionamento de energia. 

Para ele, é preciso ter menos dependência do modelo de energia baseada em recursos hídricos e aprovar melhorias do sistema na Câmara dos Deputados, como o Projeto de Lei 414, de 2021, conhecido como o Novo Marco do Setor Elétrico.
 

TEC./SONORA: Deputado federal Paulo Ganime (Novo-RJ)
“Ele é fundamental para a gente superar crises como essa no futuro. Primeiro, ele traz mais liberdade para o setor, com mais investimentos em fontes de geração de energia alternativas, renováveis. Ele empodera mais, responsabiliza mais os clientes, porque eles vão ter mais liberdade para comprar por conta própria a sua energia”.
 

LOC.: Aprovado pelo Senado Federal, o PL aguarda despacho do presidente da Câmara dos Deputados. O texto estabelece como mudança principal a portabilidade da conta de luz entre as distribuidoras, alterando o marco regulatório do setor elétrico para criar um mercado livre.
 
Reportagem, Alan Rios 
 

NOTA

LOC.: O Brasil vive a pior crise hídrica dos últimos 91 anos, com chuvas abaixo da média e uma declaração de Situação Crítica de Escassez Quantitativa de Recursos Hídricos da Região Hidrográfica do Paraná, que ocupa 10% do território brasileiro, abrangendo sete unidades da federação. 
 
Esse cenário, segundo especialistas, traz uma crise energética ao País, que precisa ter menos dependência do modelo de energia baseada em recursos hídricos e aprovar melhorias do sistema na Câmara dos Deputados, como o Projeto de Lei 414, de 2021, conhecido como o Novo Marco do Setor Elétrico.
 
Aprovado pelo Senado Federal, o PL aguarda despacho do presidente da Câmara dos Deputados. O texto estabelece como mudança principal a portabilidade da conta de luz entre as distribuidoras, alterando o marco regulatório do setor elétrico para criar um mercado livre