71 cidades mineiras já declararam estado de emergência em razão da dengue. Foto: jcomp/Freepik
71 cidades mineiras já declararam estado de emergência em razão da dengue. Foto: jcomp/Freepik

Belo Horizonte, Itabira e Ribeirão das Neves estão entre as cidades com maior número de casos de dengue em Minas Gerais

Segundo a Secretaria de Saúde, o estado possui 86.184 casos confirmados de dengue e 71 municípios decretaram estado de emergência


O número de casos confirmados de dengue em Minas Gerais segue em avanço. Segundo dados divulgados pela Secretaria de Saúde de Minas Gerais (SES-MG), o estado registrou 86.184 casos confirmados e 26 mortes pela doença. A capital, Belo Horizonte e as cidades Itabira e Ribeirão das Neves lideram com maior número de casos de dengue.

Conforme o último boletim epidemiológico divulgado pela SES-MG, Belo Horizonte possui 23.161 casos de dengue. Em seguida aparecem os municípios de Itabira (8.484), Ribeirão das Neves (7.331), Betim (6.983) e Contagem (6.572). Ao todo, 71 cidades do estado já declararam situação de emergência pela dengue. Confira a lista aqui

Moradora de Belo Horizonte, a engenheira de minas Raquel Lima, de 30 anos, relata que contraiu a doença há uma semana. Ela conta que ainda está se recuperando da doença. 

“Eu peguei a dengue antes do Carnaval. E eu comecei ter os sintomas, mas foram mais dores principalmente na minha perna e na terça-feira de Carnaval eu fui para o hospital e fui diagnosticada. Eu comecei ter muita dor mesmo, atrás dos olhos, uma febre. Mas a febre não foi mais forte, não tive manchas pelo corpo. O que tive mesmo foi muita dor e cansaço. Eu ainda estou. Você não consegue sair da cama, o cansaço é muito forte e continuo com dificuldade para respirar também”, relata.

Prevenção

De acordo com a médica infectologista Joana D’arc Gonçalves, o aumento de casas da dengue está associado tanto a fatores relacionados à capacidade de replicação do vírus quanto a diminuição da prevenção. 

“Tem algumas cepas que são mais virulentas que outras, ou seja, têm a capacidade melhor de replicar e tem também os fatores associados ao próprio mosquito. É um mosquito que prefere estar próximo à região urbana, próximo do homem. É antropofílico, coloca muitos ovos e esses ovos eles duram muito tempo na natureza. Até mais de 1 ano. Então, a junção desses fatores e a diminuição, às vezes, da vigilância de forma global com relação a políticas públicas, tudo isso contribui para o aumento do número de casos de dengue”, destaca.

Na avaliação da infectologista, o combate à dengue é um desafio tanto para o governo quanto para a sociedade.

"A gente precisa saber da nossa responsabilidade e nos somos corresponsáveis. Rever os nossos hábitos onde a gente armazena água, os depósitos que a gente tem no nosso peridomicílio. Os possíveis reservatórios: caixa d’água destampada, lixo que a gente joga em qualquer lugar. Então vai desde a gente até o governo. As ações contra a dengue devem partir de um comitê multidisciplinar onde vai envolver não só saúde, mas também a questão da fiscalização de forma geral. É muito importante fazer o índice de infestação predial, onde a gente vai ao domicílio e checa se tem algum foco e faz o controle do foco local", comenta. 

Com o intuito de sensibilizar a população no combate à dengue, a Secretaria de Saúde do estado vai promover um dia D para combate ao mosquito transmissor da dengue, o Aedes aegypti.  De acordo com a SES-MG, os mutirões comunitários para eliminar os focos de Aedes vão acontecer no sábado (24) em todo o estado. 

Vacinação

Em Minas Gerais, a vacinação está prevista para começar no mês de março. Segundo o Ministério da Saúde, 22 municípios do estado vão receber o imunizante. Confira a lista aqui.
 

Receba nossos conteúdos em primeira mão.

LOC.: O número de casos confirmados de dengue em Minas Gerais segue em avanço. Segundo a Secretaria de Saúde de Minas Gerais (SES-MG), o estado registrou 86.184 casos confirmados e 26 mortes pela doença. A capital, Belo Horizonte lidera com maior número de casos (são 23.161).  Em seguida aparecem os municípios de Itabira (8.484) e Ribeirão das Neves (7.331).

Moradora de Belo Horizonte, a engenheira de minas, Raquel Lima, de 30 anos, relata que contraiu dengue há uma semana. Ela conta que ainda está se recuperando da doença. 
 

TEC./SONORA: Raquel Lima, engenheira de minas

“Eu peguei a dengue antes do Carnaval. E eu comecei ter os sintomas, mas foram mais dores principalmente na minha perna e na terça-feira de Carnaval eu fui para o hospital e fui diagnosticada. Eu comecei ter muita dor mesmo, atrás dos olhos, uma febre. Mas a febre não foi mais forte, não tive manchas pelo corpo. O que tive mesmo foi muita dor e cansaço. Eu ainda estou. Você não consegue sair da cama, o cansaço é muito forte e continuo com dificuldade para respirar também”.
 


LOC.: Ao todo, 71 cidades do estado já declararam situação de emergência pela dengue. De acordo com a médica infectologista Joana D’arc Gonçalves, o aumento de casos da dengue está associado tanto a fatores relacionados à capacidade de replicação do vírus quanto a diminuição da prevenção. Segundo ela, o combate à dengue é um desafio tanto para o governo quanto para a sociedade.
 

TEC./SONORA: Joana D’arc Gonçalves, infectologista

“A gente precisa saber da nossa responsabilidade e nos somos corresponsáveis. É rever os nossos hábitos onde a gente armazena água, os depósitos que a gente tem no nosso peridomicílio. Os possíveis reservatórios, caixa d’água destampada, lixo que a gente joga em qualquer lugar. Então vai desde a gente até o governo. As ações contra a dengue, devem partir de um comitê multidisciplinar, onde vai envolver não só saúde, mas também a questão da fiscalização de forma geral”.
 


LOC.: Buscando sensibilizar a população quanto o combate à dengue, a Secretaria de Saúde do estado vai promover um dia "D" para combater o mosquito transmissor da doença, o Aedes aegypti.  De acordo com a secretaria, os mutirões comunitários para eliminar os focos do mosquito vão acontecer no sábado (24) em todo o estado.

Reportagem, Landara Lima