Foto: José Cruz/Agência Brasil
Foto: José Cruz/Agência Brasil

Até agosto deste ano, repasse do FPM aos municípios cresceu mais de R$ 6 bi

Prefeituras receberam R$ 90,2 bi nos oito primeiros meses de 2023, contra R$ 84,1 bi no mesmo período do ano passado, aponta levantamento do Brasil 61


Os repasses do Fundo de Participação dos Municípios (FPM) para as prefeituras brasileiras cresceram 7,2% entre janeiro e agosto deste ano, em relação ao mesmo período do ano passado. De acordo com levantamento do Brasil 61, as transferências subiram R$ 6,1 bilhões. 

Enquanto até a primeira semana de agosto de 2022 os municípios haviam recebido cerca de R$ 84,1 bi, no mesmo recorte em 2023 embolsaram R$ 90,2 bi. Os cálculos levam em conta o desconto de 20% do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb). 

Em termos reais, ou seja, descontando a inflação acumulada no período, a alta do FPM foi próxima a 6%. Para Cesar Lima, especialista em orçamento público, apesar da desaceleração da atividade econômica em consequência do ritmo mais lento com que cresce o mercado de trabalho e da taxa de juros elevada, o fundo teve desempenho positivo. 

"É interessante a gente ver que apesar de todas as incertezas que tivemos na mudança de governo, a questão da taxa de juros, nós não tivemos uma diminuição substancial da atividade industrial. O agronegócio caiu um pouco, mas ainda mantém um volume muito grande de exportações, o que pode ter ajudado nesses números do FPM este ano", avalia. 

Segundo o economista, o FPM em 2023 cresce, mas a um ritmo mais lento do que crescia em 2022. "Quando olhamos o viés da linha, em si, a tendência de alta este ano está menor do que no ano passado". 

 

Segundos e terceiros repasses de cada mês fazem a diferença 

O crescimento do FPM em 2023 ocorre apesar da queda na soma dos repasses que ocorrem no primeiro decêndio de cada mês, até o dia 10. Entre janeiro e agosto do ano passado, as primeiras transferências de cada mês totalizaram R$ 52,4 bilhões. Foram R$ 3 bi a mais do que os R$ 49,4 observados no mesmo recorte de 2023. 

O primeiro repasse de cada mês continua sendo o mais importante em volume para os municípios, mas a alta do FPM como um todo este ano se deve à maior arrecadação do fundo nos segundos e terceiros decêndios de cada mês. 

Horizonte mais otimista 

O primeiro repasse do FPM em agosto para as prefeituras foi 52% maior do que a primeira transferência realizada em julho. O crescimento expressivo também foi observado no mesmo recorte do ano passado. 

Segundo Cesar Lima, a tendência é que o FPM mantenha o viés de alta até o fim do ano, principalmente porque o Banco Central começou a baixar a taxa básica de juros da economia, sinalizando um ciclo de cortes de 0,5% a cada reunião do Comitê de Política Monetária (Copom). 

"A tendência é termos um aumento, uma vez que quando você baixa os juros, naturalmente tem um aumento do consumo, principalmente desse bens de maior valor agregado", aposta. 

Presidente Lula sanciona lei que cria transição para municípios se adequarem ao novo Censo

Prefeituras recebem mais de R$ 5,6 bilhões do FPM nesta quinta-feira (10)

Receba nossos conteúdos em primeira mão.

LOC.: Os repasses do Fundo de Participação dos Municípios (FPM) para as prefeituras brasileiras cresceram 7,2% entre janeiro e agosto deste ano, em relação ao mesmo período do ano passado. As transferências subiram mais de seis bilhões de reais. Enquanto até a primeira semana de agosto de 2022 os municípios haviam recebido cerca de oitenta e quatro bilhões de reais, no mesmo recorte em 2023 embolsaram mais de noventa. 

Descontando a inflação acumulada no período, a alta do FPM foi próxima a 6%. Para Cesar Lima, especialista em orçamento público, o fundo teve desempenho positivo — apesar da desaceleração da atividade econômica, em consequência do ritmo mais lento com que cresce o mercado de trabalho e da taxa de juros elevada. 
 

TEC./SONORA: Cesar Lima, especialista em orçamento público
"É interessante a gente ver que apesar de todas as incertezas que tivemos na mudança de governo, a questão da taxa de juros, nós não tivemos uma diminuição substancial da atividade industrial. O agronegócio caiu um pouco, mas ainda mantém um volume muito grande de exportações, o que pode ter ajudado nesses números do FPM este ano."


LOC.: O primeiro repasse do FPM em agosto, que ocorreu no último dia 10, foi 52% maior do que a primeira transferência realizada em julho. Segundo Cesar Lima, a tendência é que o FPM mantenha o viés de alta até o fim do ano, principalmente porque o Banco Central começou a baixar a taxa básica de juros da economia.

TEC./SONORA: Cesar Lima, especialista em orçamento público
"A tendência é termos um aumento, uma vez que quando você baixa os juros, naturalmente tem um aumento do consumo, principalmente desse bens de maior valor agregado."


LOC.: O crescimento do FPM em 2023 aconteceu, apesar da queda na soma dos repasses que ocorrem no primeiro decêndio de cada mês, até o dia 10. Entre janeiro e agosto do ano passado, as primeiras transferências de cada mês totalizaram cinquenta e dois bilhões de reais. Foram três bilhões a mais do que no mesmo recorte de 2022. 

O primeiro repasse de cada mês continua sendo o mais importante em volume para os municípios, mas a alta do FPM como um todo este ano se deve à maior arrecadação do fundo nos segundos e terceiros decêndios de cada mês. 

Reportagem, Felipe Moura.