Foto: Freepik
Foto: Freepik

AMAPÁ: Equipes de Atenção Básica realizaram 1,2 mil consultas de pré-natal com seis ou mais atendimentos por gestante em 2021

Mesmo com pré-natal disponível pelo SUS em todas as regiões do estado, quadro de mortalidade materna e infantil deixa autoridades de saúde em alerta


Para prevenir e detectar precocemente doenças em gestantes e bebês, o Ministério da Saúde recomenda que as mulheres tenham ao menos seis consultas de pré-natal durante a gravidez. No estado do Amapá, as equipes de Atenção Básica realizaram 1,2 mil atendimentos médicos que englobam essa quantidade mínima, entre janeiro e dezembro de 2021. Em todo Brasil, foram feitas 407,9 mil consultas de pré-natal no recorte de seis ou mais por gestante, no mesmo período. Os dados são do Sistema de Informação em Saúde para a Atenção Básica (Sisab). 

Ainda que a assistência esteja disponível pelo SUS em todas as regiões do país, o quadro de mortalidade materna e infantil acende o alerta das autoridades de saúde. Isso porque, segundo o Ministério da Saúde, grande parte dos óbitos ocorrem durante a gravidez ou por complicações durante o parto, sendo que 90% das causas, como hipertensão, hemorragia e síndromes infecciosas, são consideradas evitáveis com atenção à saúde precoce e de qualidade.

“O Ministério da Saúde acredita que a mortalidade materna é uma tragédia social sem precedentes. A perda de uma mãe significa a desestruturação total do núcleo familiar. Há uma frase que a gente veicula [em campanhas educativas] que diz o seguinte: ‘A cada mulher que morre, há uma família que sofre, uma comunidade que fica mais fraca e um país que fica mais pobre”, afirma a ginecologista, obstetra e diretora do Departamento de Ações Programáticas Estratégicas (DAPES), Lana de Lourdes Aguiar.

Com o propósito de reverter essa situação, o Ministério da Saúde vai investir, em 2022, mais R$ 624 milhões ao financiamento atual de R$ 977 milhões para reestruturar a rede de saúde materno-infantil brasileira. Na avaliação das autoridades de saúde, aprimorar a assistência oferecida da Atenção Primária à Atenção Hospitalar, desde o fortalecimento das maternidades até a criação dos ambulatórios de assistência a gestantes com alto risco para complicações, assegura à mulher o direito ao planejamento familiar, ao parto e ao puerpério e, às crianças, o direito ao nascimento seguro e ao crescimento e desenvolvimento saudáveis. 

Garantir atendimento humanizado e mais próximo possível do cidadão, lembra Lana, é responsabilidade compartilhada pelo governo federal com estados e municípios. “O enfrentamento da mortalidade materna é uma causa dos gestores nas três esferas de governo, bem como de toda a sociedade. Aos estados e municípios cabe a organização da rede de atenção materna e infantil, de modo a atender as necessidades das gestantes e puérperas, ofertar acesso ao pré-natal de qualidade, à atenção ambulatorial e à atenção hospitalar”, ressalta a diretora do Departamento de Ações Programáticas Estratégicas.

Benefícios do pré-natal

O pré-natal segue um protocolo para monitoramento da saúde da gestante e do bebê. Inclui anamnese (histórico de sintomas narrados pelo paciente sobre determinado caso clínico), exame físico e análise de exames laboratoriais e de imagem. Como o acolhimento é um dos eixos e diretrizes da Política Nacional de Humanização e de Atenção Obstétrica e Neonatal do Ministério da Saúde, os profissionais de saúde preparam as mulheres para a maternidade por meio de orientações sobre hábitos de vida e higiene pré-natal, conversam sobre a importância de manter o estado nutricional apropriado e sobre o uso de medicações que possam afetar o feto ou o parto. As consultas também tratam das manifestações físicas próprias da gravidez, servem de apoio psicológico para as futuras mamães e são um momento importante para a gestante tirar dúvidas e dividir preocupações e experiências.

“Não só financiamos as ações, como também estabelecemos diretrizes e orientações técnicas para o desenvolvimento de todas elas. Um dos nossos indicadores de desempenho é o pré-natal das gestantes. Há instrumentos e material de orientação para que as equipes se organizem e possam oferecer um bom cuidado, desde o necessário do ponto de vista de equipamento até a conduta clínica, ou seja, como tratar as patologias, doenças, como prevenir e reabilitar para esses dois grupos: mulheres e crianças”, detalha a diretora do Departamento de Saúde da Família (DESF), Renata Maria de Oliveira Costa.

“Queremos evitar que crianças fiquem órfãs, quando perdem a mãe na hora do parto, e que mães não percam seus filhos por conta de uma morte infantil que seria evitável se tivesse o cuidado adequado”, completa.

Amapá

O Hospital da Mulher Mãe Luzia (HMML), de Macapá (AP), é referência no atendimento a mães e bebês. O local é equipado com ambulatórios de alto risco, onde são tratados casos mais graves, como nascimento prematuro. Em 2021, mais de 1,1 mil bebês considerados prematuros foram atendidos no hospital.

De acordo com a Secretaria de Saúde do estado, no segundo semestre de 2022 será entregue a Maternidade Bem Nascer, na zona norte de Macapá, para auxiliar a grande demanda do Hospital da Mulher Mãe Luzia. Cerca de 416 profissionais da saúde já foram contratados para trabalhar na maternidade.

Para agendar uma consulta no Ambulatório de Alto Risco e Ginecologia do Hospital da Mulher Mãe Luzia basta entrar em contato no número (96) 99189-7570, que funciona de segunda a sexta, das 09h até 13h. Os documentos necessários para realização de procedimentos no ambulatório são identidade do usuário, Cartão do SUS, comprovante de residência e encaminhamento do médico, em casos de procedimentos cirúrgicos.

Continue Lendo



Receba nossos conteúdos em primeira mão.

LOC.: As equipes de Atenção Básica do Amapá realizaram mil e duzentas consultas de pré-natal que abrangem seis ou mais atendimentos por gestante, em 2021. Essa é a quantidade mínima recomendada pelo Ministério da Saúde. No Brasil, o número foi de quase 408 mil durante o mesmo período. Os dados são do Sistema de Informação em Saúde para a Atenção Básica.

Mesmo com cobertura pré-natal pelo SUS em todas as regiões do país, o quadro de mortalidade materna e infantil acende o alerta das autoridades de saúde. Isso porque 90% das causas de mortes durante a gravidez ou parto, como hipertensão, hemorragia e síndromes infecciosas, podem ser evitadas com atenção à saúde precoce e de qualidade.

Para reverter essa situação, o Ministério da Saúde vai investir, em 2022, mais R$ 624 milhões ao financiamento atual de R$ 977 milhões para reestruturar a rede de saúde materno-infantil brasileira. 

Segundo a diretora do Departamento de Ações Programáticas Estratégicas, Lana Aguiar, garantir atendimento humanizado e mais próximo possível do cidadão é uma responsabilidade compartilhada entre governo federal, estados e municípios.

TEC./SONORA.: Lana Aguiar, diretora do Departamento de Ações Programáticas Estratégicas do Ministério da Saúde

“O enfrentamento da mortalidade materna é uma causa dos gestores nas três esferas de governo, bem como de toda a sociedade. Aos estados e municípios cabe a organização da rede de atenção materna e infantil, de modo a atender as necessidades das gestantes e puérperas, ofertar acesso ao pré-natal de qualidade, à atenção ambulatorial e à atenção hospitalar.”

LOC.: O pré-natal segue um protocolo para monitoramento da saúde da gestante e do bebê. Durante os atendimentos, os profissionais de saúde preparam as mulheres para a maternidade por meio de orientações sobre hábitos de vida e higiene pré-natal, conversam sobre a importância de manter o estado nutricional apropriado e sobre o uso de medicações. As consultas também tratam das manifestações físicas próprias da gravidez, servem de apoio psicológico para as futuras mamães e são um momento importante para a gestante tirar dúvidas e dividir preocupações e experiências. 

Um trabalho estruturado que oferece acolhimento e respeito, mas também depende de planejamento e organização, como detalha a diretora do Departamento de Saúde da Família, Renata Costa.

TEC./SONORA.: Renata Costa, diretora do Departamento de Saúde da Família do Ministério da Saúde
 
“Não só financiamos as ações, como estabelecemos diretrizes e orientações técnicas para o desenvolvimento de todas elas. Um dos nossos indicadores de desempenho é o pré-natal das gestantes. Queremos evitar que crianças fiquem órfãs, quando perdem a mãe na hora do parto, e que mães não percam seus filhos por conta de uma morte infantil que seria evitável se tivesse o cuidado adequado.”

LOC.: Para mais informações, acesse o site do Ministério da Saúde: gov.br/saude. Ou entre em contato com a ouvidoria da Secretaria da Saúde do Amapá (Sesa), pelo telefone: (96) 99175 1437.