Cadastro de mídia

TERMO DE USO E PARCERIA

TERMO DE USO E PARCERIA

Regras de Uso

1º - A utilização gratuita e livre dos materiais produzidos pelo Brasil 61 só será permitida depois que este termo de parceria for aceito pelo usuário, prevendo as seguintes regras:

a) A utilização do material - na íntegra, ou em partes - só será permitida desde que as informações não sejam distorcidas, manipuladas ou alteradas.

b) Não é necessário a identificação do Brasil 61 na hora da replicação do conteúdo. Mas toda e qualquer veiculação de áudios produzidos pelo Brasil 61 prevê o cadastro no site, com a disponibilização de dados que serão utilizados para a organização do mailing desta empresa,

2º - OBRIGAÇÕES DO BRASIL 61

a) O Brasil 61 se compromete, a partir deste termo de uso, a produzir conteúdo particularizado diariamente, trazendo informações de dia-a-dia e bastidores do Planalto Central, além de outras temáticas de relevância do noticiário nacional. 

b) O acesso ao conteúdo jornalístico (na versão de leitura) é livre e gratuito, podendo ser replicado por qualquer usuário que acesse o site. O download do áudio para que seja utilizado na programação das rádios requer que o radialista realize o login no site da Agência do Rádio - informando e-mail e senha cadastrados. 

3º - OBRIGAÇÕES DOS COMUNICADORES PARCEIROS

Não alterar o sentido dos materiais, ou distorcer fala de entrevistados ou mudar a conotação das mensagens dos materiais. 

ADENDOS IMPORTANTES SOBRE A PARCERIA

a) O Brasil 61 poderá distribuir conteúdo patrocinado com ou sem assinatura dos clientes patrocinadores do boletim e sem aviso prévio ao comunicador. 

b) As rádios parceiras não vão ter participação financeira sobre o faturamento do Brasil 61.

c) Os comunicadores podem patrocinar os conteúdos do Brasil 61, desde que não alterem o sentido e a conotação dos conteúdos oferecidos. Nesses casos, o Brasil 61 Mais não terá participação nos lucros conquistados pelos veículos parceiros. 

Ao clicar em ACEITO, a emissora aqui cadastrada afirma concordar e estar ciente de todas as condições apresentadas neste Termo de Utilização de Conteúdo.

SP: 74 escolas móveis do SENAI levam qualificação profissional e ampliam oportunidades para trabalhadores da indústria

Carretas adaptadas levaram cursos técnicos para 10,5 mil pessoas em 2018. Estruturas são voltadas para a formação de profissionais de diversas áreas


Para atender a demanda da indústria paulista, principalmente os setores sucroenergético e de agronegócio, 74 escolas móveis do SENAI percorrem todo o estado para promover a capacitação de profissionais. Apenas em 2018, foram feitas 10,5 mil matrículas em cursos técnicos nos municípios que não possuem unidades fixas da instituição ou que ficam afastados dos grandes centros.

As unidades móveis são carretas adaptadas, com ambiente climatizado e customizado, e conseguem atender até 16 alunos por aula. Com duração entre 40 e 160 horas, os cursos são em áreas como panificação, confecção, soldagem, automação e construção civil.

O diretor regional do SENAI em São Paulo, Ricardo Terra, explica que a instituição “sempre tem essa possibilidade de polarizar uma região com cursos que interessam ao setor produtivo local”.

O Brasil é o maior produtor mundial de cana-de-açúcar, sendo que São Paulo responde por 55% da área plantada no país. As plantações paulistas têm alta produtividade por hectare, principalmente por conta da qualidade do solo e das condições climáticas favoráveis. Outro fator importante são as pesquisas realizadas por institutos de pesquisa no país, a exemplo do Centro de Tecnologia Canavieira, de Piracicaba, que desenvolveu a variedade SP81-3250 – tipo de cana-de-açúcar mais plantado no país atualmente. 

Para capacitar empresas e trabalhadores, o gestor do SENAI explica que os cursos oferecidos pela instituição acompanham, inclusive, a abertura de novas empresas nos municípios e as mudanças de cada setor da indústria, entre elas a sucroalcooleira.

“Quando houve a mecanização da colheita de cana em São Paulo, nós fizemos um grande esforço não só com simulador para treinar operadores, mas com a conversão de outras pessoas que trabalhavam na colheita para outras áreas: instalações elétricas, construção civil, vestuário e alimentos”, conta Terra.

Empreendedorismo
Desde o ano passado, o SENAI em São Paulo tem focado na distribuição de materiais que incentivem o empreendedorismo entre os alunos, de modo que possam abrir seu próprio negócio após o curso.

O mesmo vale para quem já tem um empreendimento e quer crescer no mercado. É o caso da Débora Barros, 48 anos, fez o curso de Pintura Automotiva em uma unidade móvel do SENAI na Zona Sul da capital. 

Ela é proprietária de um lava-rápido e decidiu fazer o curso para melhorar o serviço oferecido aos clientes e a produtividade de seus empregados. “Contrato funcionários e eu precisava saber se eles estavam dizendo que sabiam porque sabiam ou se só estavam me enrolando. Hoje eu sei fazer, sei mandar e sei dar dicas”, relata Débora.

Se você, assim como a Débora, pretende fazer um curso técnico, é possível procurar também as 93 unidades fixas espalhadas por 66 municípios, além dos 68 Centros de Formação Profissional. Os cursos podem ser de iniciação profissional, qualificação, aperfeiçoamento ou especialização. Assim, quem ainda não tem experiência profissional pode participar, assim como quem já tem um emprego e quer ter mais experiência e conhecimento.

O SENAI paulista mantém cursos superiores de tecnologia com características especiais, reconhecidos pelo MEC, que visam à formação de tecnólogos em áreas demandadas pela indústria. São voltados a jovens que concluíram o Ensino Médio e a profissionais do mercado que buscam uma formação tecnológica. Há também opções de pós-graduação. Para informações completas sobre as unidades e cursos ofertados, ligue para (11) 3322-0050 (capital e Grande São Paulo) ou 0800-55-1000 (interior do estado). O site é o sp.senai.br.

Continue Lendo





Receba nossos conteúdos em primeira mão.

LOC.: São Paulo é responsável pelo maior número de escolas móveis do SENAI em todo o país. Com 74 unidades que funcionam por meio de carretas, os professores se deslocam pelo estado levando educação profissional para municípios que não possuem escolas fixas do SENAI, mas com demanda do setor industrial.

Somente em 2018, foram realizadas 10,5 mil matrículas no estado em cursos que duram entre 40 e 160 horas, como panificação, confecção, soldagem, automação e construção civil. Cada carreta comporta 16 alunos por vez, com estrutura customizada, laboratórios tecnológicos e salas de aula.

O diretor regional do SENAI São Paulo, Ricardo Terra, ressalta que a instituição tem a possibilidade de polarizar uma região com cursos que interessam o setor produtivo local. Para capacitar empresas e trabalhadores, os cursos oferecidos pela instituição acompanham, inclusive, a abertura de novas empresas nos municípios e as mudanças de cada setor da indústria, entre elas a sucroalcooleira, como explica Terra.

TEC./SONORA: Ricardo Terra, diretor regional do SENAI-SP.

“Quando houve a mecanização da colheita de cana em São Paulo, nós fizemos um grande esforço não só com esse dissimulador para treinar operadores, mas com a conversão de outras pessoas que trabalhavam na colheita para outras áreas: para as instalações elétricas, construção civil, vestuário e alimentos.”

LOC.: Desde 2018, o SENAI em São Paulo tem focado na distribuição de materiais que incentivem o empreendedorismo entre os alunos, de modo que possam abrir seu próprio negócio após o curso.

O mesmo vale para quem já tem um empreendimento e quer crescer no mercado. É o caso da Débora Barros, 48 anos, fez o curso de Pintura Automotiva em uma unidade móvel do SENAI na Zona Sul da capital. Ela é proprietária de um lava-rápido e decidiu fazer o curso para melhorar o serviço oferecido aos clientes e a produtividade de seus empregados. 

TEC./SONORA: Débora Barros, 48 anos, empresária.

“Contrato funcionários e eu precisava saber se eles estavam dizendo que sabiam porque sabiam ou se só estavam me enrolando. Hoje eu sei fazer, sei mandar e sei dar dicas.”

LOC.: Se você, assim como a Débora, pretende fazer um curso técnico, é possível procurar também as 93 unidades fixas espalhadas por 66 municípios, além dos 68 Centros de Formação Profissional. O SENAI paulista mantém cursos superiores de tecnologia com características especiais, reconhecidos pelo MEC, que visam à formação de tecnólogos em áreas demandadas pela indústria. Há também opções de pós-graduação. Para mais sobre todas as unidades e cursos ofertados, ligue para (11) 3322-0050, caso esteja na capital e Grande São Paulo, ou 0800-55-1000 para o restante do estado. O site é o sp.senai.br.

Reportagem, Sara Rodrigues