Cadastro de mídia

TERMO DE USO E PARCERIA

TERMO DE USO E PARCERIA

Regras de Uso

1º - A utilização gratuita e livre dos materiais produzidos pelo Brasil 61 só será permitida depois que este termo de parceria for aceito pelo usuário, prevendo as seguintes regras:

a) A utilização do material - na íntegra, ou em partes - só será permitida desde que as informações não sejam distorcidas, manipuladas ou alteradas.

b) Não é necessário a identificação do Brasil 61 na hora da replicação do conteúdo. Mas toda e qualquer veiculação de áudios produzidos pelo Brasil 61 prevê o cadastro no site, com a disponibilização de dados que serão utilizados para a organização do mailing desta empresa,

2º - OBRIGAÇÕES DO BRASIL 61

a) O Brasil 61 se compromete, a partir deste termo de uso, a produzir conteúdo particularizado diariamente, trazendo informações de dia-a-dia e bastidores do Planalto Central, além de outras temáticas de relevância do noticiário nacional. 

b) O acesso ao conteúdo jornalístico (na versão de leitura) é livre e gratuito, podendo ser replicado por qualquer usuário que acesse o site. O download do áudio para que seja utilizado na programação das rádios requer que o radialista realize o login no site do Brasil 61 - informando e-mail e senha cadastrados. 

3º - OBRIGAÇÕES DOS COMUNICADORES PARCEIROS

Não alterar o sentido dos materiais, ou distorcer fala de entrevistados ou mudar a conotação das mensagens dos materiais. 

ADENDOS IMPORTANTES SOBRE A PARCERIA

a) O Brasil 61 poderá distribuir conteúdo patrocinado com ou sem assinatura dos clientes patrocinadores do boletim e sem aviso prévio ao comunicador. 

b) As rádios parceiras não vão ter participação financeira sobre o faturamento do Brasil 61.

c) Os comunicadores podem patrocinar os conteúdos do Brasil 61, desde que não alterem o sentido e a conotação dos conteúdos oferecidos. Nesses casos, o Brasil 61 não terá participação nos lucros conquistados pelos veículos parceiros. 

Ao clicar em ACEITO, a emissora aqui cadastrada afirma concordar e estar ciente de todas as condições apresentadas neste Termo de Utilização de Conteúdo.

Foto: Valter Campanato/Agência Brasil

“Renda Brasil deve ser enviado ao Congresso em 30 dias e irá substituir o Bolsa Família", diz Onyx Lorenzoni

Em entrevista exclusiva ao portal Brasil 61, ministro da Cidadania falou que beneficiários do programa também poderão usufruir do Carteira Verde Amarela, que reduz o custo de contratações


O projeto do Renda Brasil está em fase final de elaboração e deve ser enviado ao Congresso dentro de 30 dias. A declaração é do ministro da Cidadania, Onyx Lorenzoni, em entrevista exclusiva ao portal Brasil 61. O novo programa de distribuição de renda deve substituir o Bolsa Família, mas, segundo Lorenzoni, se difere do antecessor por incentivar que os beneficiários sejam incluídos no mercado de trabalho formal.

“Quando uma pessoa está no Bolsa Família e recebe uma oferta de emprego, a grande maioria não aceita ter sua carteira assinada por medo de perder o programa. Ela prefere ficar com ticket médio inferior a R$ 200, fazer alguns bicos e com isso ir levando a vida. Nós queremos alterar essa realidade”, explica o ministro.


Segundo Onyx, com o fim do contrato de trabalho, hoje, o beneficiário precisa entrar novamente na fila do programa, podendo ficar meses sem receber. Por isso, o projeto a ser enviado ao Congresso vai conter um mecanismo para garantir que, se alguém que já foi beneficiário do Renda Brasil perder o emprego, que ele volte a receber o valor imediatamente. 


Onyx também disse que o Renda Brasil deve dialogar com outras ações propostas pelo Executivo, como o programa Carteira Verde Amarela, atualmente em fase de elaboração pelo Ministério da Economia. O projeto foi inicialmente pensado para incentivar a contratação de jovens à procura do primeiro emprego, a partir da redução dos encargos trabalhistas. O ministro explica que o Carteira Verde Amarela será estendido para beneficiar quem faz parte do programa Renda Brasil. “Nós queremos que haja uma maior disponibilidade para essas pessoas, ampliando a possibilidade da contratação através desse regime que tem menor custo tributário”, explicou. 

O programa também deve contar com estímulos à educação, como ocorre hoje no Bolsa Família, em que os jovens das famílias inscritas precisam ter boa frequência escolar para que a mesma seja apta a receber. Contudo, os incentivos devem alcançar também adultos, que serão beneficiados caso realizem cursos de qualificação.

Confira a entrevista completa:

Continue Lendo





Receba nossos conteúdos em primeira mão.

Sobe Som Trilha Abertura

LOC.: Olá! Sejam muito bem vindos! Esse é o Entrevistado da Semana do portal Brasil 61. Meu nome é Daniel Marques e a partir de agora você acompanha um bate papo exclusivo com o ministro da Cidadania, Onyx Lorenzoni. Vamos falar sobre o Auxílio Emergencial e sobre o Renda Brasil, o programa que está sendo preparado pelo governo federal para substituir o Bolsa Família.

Ministro Onyx Lorenzoni, muito obrigado por nos receber. 

TEC./SONORA: Ministro da Cidadania, Onyx Lorenzoni

“Bom dia Daniel Marques e bom dia a todos que vão acompanhar essa entrevista. É uma satisfação, em nome do governo Bolsonaro participar desse momento.”

LOC.: Ministro, nas últimas semanas o senhor foi diagnosticado com Covid-19, então primeiramente gostaria de saber como o senhor está. 

TEC./SONORA: Ministro da Cidadania, Onyx Lorenzoni

“A doença surgiu dez dias atrás. Foi na sexta da semana retrasada. É uma doença que começa como um ‘gripão’ muito forte mas ela tem uma ação sistêmica intensa. É um quadro com alta temperatura, dor no corpo, falta de ar, coriza, tosse. Dá um desarranjo completo no organismo. Eu fiz o protocolo com azitromicina, hidroxicloroquina e ivermectina. No sábado, já tive uma melhora de 15%. Na segunda-feira eu já estava quase bem. Quando eu falava frases mais longas, ou fazia exercício eu ainda tinha um quadro intenso de falta de ar. Minha esposa apresentou os mesmos sintomas na segunda-feira e passou, praticamente, pelo mesmo processo"

LOC.: Ministro, quais foram as principais medidas do Ministério da Cidadania de combate ao coronavírus?

TEC./SONORA: Ministro da Cidadania, Onyx Lorenzoni

“A medida mais visível e importante foi o auxílio emergencial. No dia 3 de abril foi assinada. O presidente me ligou e disse: ‘olha, assinei a lei e a coordenação é sua’. Tomamos a iniciativa com uma boa dose de coragem e ousadia e criamos o aplicativo de celular, o que depois se revelou um acerto, pelo nível de digitalização que o Brasil tem. Hoje o aplicativo cumpriu um papel importantíssimo, tanto que nós processamos 148 milhões de CPFs e encontramos 66,9 milhões de pessoas que estão em condições de receber o auxílio emergencial. Para que a gente tenha noção do tamanho dessa ação, isso é mais do que uma Itália inteira ou uma Argentina e meia.”

LOC.: Certo. Já foi anunciado que após o fim do Auxílio Emergencial, o plano do governo é instituir o programa Renda Brasil, que vai substituir o Bolsa Família. Como vai funcionar esse programa?

TEC./SONORA: Ministro da Cidadania, Onyx Lorenzoni

“O programa Bolsa Família já vinha sendo criticado por especialistas por algum tempo, porque ele fez uma ‘desfocalização’. Se transformou em uma pescaria eleitoral e em um programa que freia até hoje as condições de crescimento dos cidadãos de se desenvolverem e se emanciparem.  Nós iniciamos o processo de reavaliação e ouvimos especialistas de dentro e fora do governo, já estávamos trabalhando desde novembro do ano passado e se não tivesse acontecido a pandemia já teríamos apresentado a proposta do Renda Brasil para o Congresso Nacional. Provavelmente em 30 dias, eu acredito, tenhamos condições de apresentar.”

LOC.: O que vai ter de diferente entre os dois programas?

TEC./SONORA: Ministro da Cidadania, Onyx Lorenzoni

“O objetivo é termos um programa que estimula as pessoas a buscarem sua emancipação sem os riscos de hoje. Vamos tornar prática essa conversa: a pessoa está cadastrada no Bolsa Família e recebe, por exemplo, uma oferta de emprego. A grande maioria por temor de perder a sua condição no programa não aceita assinar a carteira. O cidadão prefere ficar com ticket médio inferior a R$ 200, fazer alguns bicos. Nós queremos alterar essa situação. No Renda Brasil a pessoa vai poder trabalhar, e vai ter estímulos para isso, inclusive para as empresas, e entrar talvez com aquela ideia do ministro Paulo Guedes do Carteira Verde e Amarela, onde se reduzem os custos sobre o trabalho e se estimula a empregabilidade das pessoas que são os chefes de família, seus filhos ou filhas. Com o Renda Brasil, o cidadão vai poder assinar sua carteira e se ele tiver qualquer problema não precisará voltar para fila do Bolsa Família, como é hoje. Hoje a pessoa fica esperando até oito meses sem receber nada. No Renda Brasil ele tem a garantia de retorno imediato, o que tira esse pavor das pessoas.”

LOC.: O senhor citou o Carteira Verde Amarela, que é um programa que está sendo formulado para diminuir os encargos trabalhistas para a contratação de jovens, no primeiro emprego. Como isso vai se ligar com o Renda Brasil?

TEC./SONORA: Ministro da Cidadania, Onyx Lorenzoni

“A ideia original do Carteira Verde-e-Amarela era ser voltado principalmente para os jovens, para o primeiro emprego, então a gente amplia esse conceito para as famílias do Bolsa Família. Ou seja, homens e mulheres que farão parte do Renda Brasil, poderão acessar o benefício e, ao serem contratados, tendo origem no programa, eles podem ingressar com essa contratação mais favorável para o empregador. Nós queremos que haja uma maior disponibilidade para essas pessoas, ampliando a possibilidade da contratação através desse regime que tem menor custo tributário.

LOC.: Ministro, voltando a falar do Auxílio Emergencial: muita gente reclama de que teria direito ao benefício, mas não conseguiu o acesso. O que elas podem fazer?

TEC./SONORA: Ministro da Cidadania, Onyx Lorenzoni

“Aqueles que acham que devem contestar, ou seja, que foram reprovados e têm um documento ou uma comprovação de que teriam direito ao Auxílio Emergencial, devem procurar a Defensoria Pública da União. Nós fizemos um convênio para que eles encontrem os defensores públicos. Primeiramente devem ir no site da DPU e lá encontrarão uma relação com e-mail, telefone e WhatsApp de cada um dos escritórios regionais da Defensoria em todo o Brasil. Criamos um sistema em que cada um deles tem condições de enviar informações para o Ministério da Cidadania e no momento em que o defensor público identifica que aquela pessoa está certa, que ela tem direito ao Auxílio, a análise vai direto para o setor de pagamento. Em quatro dias é depositado o benefício na Caixa Federal.”

LOC.: Tá certo ministro. Então fica a dica para quem não conseguiu acesso ao benefício mas tem direito a receber. Chegamos ao final do nosso bate-papo. Ministro Onyx Lorenzoni, muito obrigado pela participação! 

TEC./SONORA: Ministro da Cidadania, Onyx Lorenzoni

“Eu quero agradecer muito, Daniel, em nome do presidente Bolsonaro, pela oportunidade de prestar esses esclarecimento. Me coloco a disposição para futuramente voltarmos a conversar.”

LOC: O Entrevistado da Semana fica por aqui. Obrigado pela sua audiência e até a próxima!

SOBE SOM – Trilha Encerramento 

Reportagem, Daniel Marques