Testagem - Foto: José Gadelha Fiocruz
Testagem - Foto: José Gadelha Fiocruz

Fiocruz Amazonas desenvolve teste que identifica variantes da Covid-19

Testagem é mais rápida e aponta variantes do Brasil, África do Sul e Reino Unido


O Instituto Leônidas & Maria Deane da Fiocruz Amazônia desenvolveu um teste, do tipo RT-PCR, capaz de identificar quais variantes do novo coronavírus uma pessoa contraiu. O objetivo é o reconhecimento mais rápido das mutações comuns às cepas do Brasil, Reino Unido e África do Sul.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) considera essas variantes como as mais preocupantes no mundo. Um estudo realizado pela Fiocruz Amazonas identificou, no Brasil, 18 linhagens diferentes dentro de 250 genomas. Porém, mais importante que a quantidade, é a diferença entre elas. Atualmente existe uma que é a mais dominante, a P.1, identificada no Amazonas. 

Há uma dispersão geográfica no território brasileiro das variantes de preocupação e alta prevalência em três regiões do Brasil avaliadas: Sul, Sudeste e Nordeste.

O novo protocolo de RT-PCR foi utilizado nas unidades de apoio ao diagnóstico e centrais analíticas da Fiocruz para avaliação de cerca de mil amostras dos estados de Alagoas, Minas Gerais, Ceará, Pernambuco, Paraná, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul e Santa Catarina.

Novo lote de vacinas CoronaVac é distribuído aos municípios do Rio Grande do Sul

Ministério da Saúde alinha compra de vacina russa Sputnik V e formaliza compra de 138 milhões de doses com a Pfizer e a Janssen

Secretários estaduais de saúde divulgam carta em que pedem medidas de restrição mais rígidas no combate ao novo coronavírus

Com exceção de Alagoas e Minas Gerais, os demais estados citados possuem mais de 50% das amostras identificadas com a mutação associada às ‘variantes de preocupação’. A Fiocruz atrela esse resultado com a alta circulação de pessoas e o aumento da propagação do vírus Sars-CoV-2.

O novo teste desenvolvido pela Fiocruz Amazonas é voltado para controle de vigilância epidemiológica para identificação do número de variantes do vírus em circulação. Os testes ainda estão em fase de análise e não possuem uma data para distribuição. “A primeira fase foi a de simulação em computador, na segunda verificamos o desempenho do teste frente a amostra de verdade, que funcionou muito bem. E agora, na terceira fase, aumentamos em centenas o número de amostras para testagem, pois quando esse número é maior, a confiança no teste sobe”. Explica o virologista, pesquisador e vice-diretor da Fiocruz Amazônia, Dr. Felipe Naveca. 

A Fiocruz ainda estuda sobre como as novas variantes agem no corpo. Os testes ocorrem pela comparação de grupos com doenças graves e leves. 

Necessidade de novas vacinas

Uma das preocupações atuais é se a nova variante pode impactar nas vacinas que estão sendo aplicadas na população e se haverá necessidade de uma nova campanha. O Dr. Naveca afirma que as alterações trazem apreensão em relação a esse tema, e que na África do Sul a variante está diminuindo a capacidade das vacinas, o que pode ocorrer no Brasil, pois a P1 também possui três mutações. 

“A recomendação é que continue vacinando. Primeiro porque existem outras linhagens e a queda de proteção não significa que a eficácia foi abolida. Precisamos evitar formas mais graves da doença, mas se a queda for acentuada a ponto de comprometer a vacina, todos os fabricantes já têm noção de que as variantes terão que ser inseridas no imunizante”, afirma o pesquisador. 

As vacinas não serão jogadas fora, mas sim readequadas com a variante sendo inserida na formulação. Essa situação não é inédita, a vacina de influenza também passa por nova formulação sempre que o vírus circula.

Aumento de casos

A Fiocruz destaca que o aumento de casos em 2021 foi previsto. As festas de fim de ano, as férias de janeiro e a queda no distanciamento social colaboraram para isso. O que estava fora de cogitação era um enfrentamento de novas variantes da Covid-19. 

É possível observar no mapa abaixo que houve um aumento significativo de casos na região Sul do Brasil. O Dr. Naveca pontuou que pela região não estar no inverno - pois o clima contribui com a proliferação de vírus respiratórios -, os dados são alarmantes. 



São Paulo, Minas Gerais, Bahia, Santa Catarina e Rio Grande do Sul são os cinco estados brasileiros com maior número da Covid-19. Para conter o aumento, o Ministério da Saúde enviou 38 profissionais da Força Nacional do SUS para Minas Gerais e Santa Catarina. Desde o final de fevereiro, as equipes atuam nos municípios de Coromandel (MG), Chapecó (SC) e Xanxerê (SC), para qualificar e ampliar o acesso da população à rede pública de saúde local.

Situação no Amazonas

Em 2020 Manaus (AM) entrou em colapso com a crise do novo coronavírus, recentemente, a cidade precisou do auxílio de outros estados para adquirir respiradores. A preocupação da Fiocruz é com as cidades do interior que não possuem infraestrutura e nem UTI para alta complexidade, sendo necessário remover o paciente para a capital amazonense, gerando assim, a crise sanitária. Apesar disso, o estado apresentou queda de 33% no número de casos de contaminação, de acordo com a Fundação de Vigilância em Saúde do Amazonas (FVS/AM).

A Fiocruz Amazônia reforça que os estudos vão continuar durante a pandemia e que o isolamento social e as medidas de prevenção ainda devem ser seguidas por toda a população. 

Continue Lendo



Receba nossos conteúdos em primeira mão.

LOC.: O Instituto Leônidas & Maria Deane da Fiocruz Amazônia desenvolveu um teste, do tipo RT-PCR, capaz de identificar quais variantes do novo coronavírus uma pessoa contraiu. O objetivo é o reconhecimento mais rápido das mutações comuns às cepas do Brasil, Reino Unido e África do Sul.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) considera essas variantes como as mais preocupantes no mundo. Um estudo realizado pela Fiocruz identificou, no Brasil, 18 linhagens diferentes dentro de 250 genomas.

O teste é voltado para controle de vigilância epidemiológica para identificar o número de variantes do vírus em circulação e ainda está em análise. Como explica o virologista, pesquisador e vice-diretor da Fiocruz Amazônia, Dr. Felipe Naveca.

TEC/SONORA: Dr. Felipe Naveca, virologista, pesquisador e vice-diretor da Fiocruz Amazônia
 

“A primeira fase foi o desenvolvimento ainda em simulação em computador, depois nós passamos para uma segunda fase que foi verificar realmente o desempenho desse teste frente a amostra de verdade. E agora nós estamos numa fase de fazer isso com milhares de amostras. Então quando a gente aumenta muito um número, aumenta muito a confiança no teste”.

LOC.: A priori, a nova variante não impacta nas vacinas que estão sendo aplicadas. O Dr. Naveca explica que readequações podem ocorrer. 

TEC/SONORA: Dr. Felipe Naveca, virologista, pesquisador e vice-diretor da Fiocruz Amazônia
 

“A recomendação da OMS é que continue vacinando, porque primeiro existem outras linhagens circulando. E também a queda de proteção não significa que aboliu totalmente a proteção. Então a gente precisa evitar formas mais graves da doença. Se a queda for muito acentuada, ao ponto de comprometer a vacina, todos os fabricantes já tem a noção de que ela vai terá que ser inserida dentro da formulação da vacina”.

A Fiocruz ainda estuda sobre como as novas variantes agem no corpo. Os testes ocorrem pela comparação de grupos com doenças graves e leves.

Reportagem, Laísa Lopes

NOTA

LOC.: O Instituto Leônidas & Maria Deane da Fiocruz Amazônia desenvolveu um teste, do tipo RT-PCR, capaz de identificar quais variantes do novo coronavírus uma pessoa contraiu. O objetivo é o reconhecimento mais rápido das mutações comuns às cepas do Brasil, Reino Unido e África do Sul.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) considera essas variantes como as mais preocupantes no mundo. Um estudo realizado pela Fiocruz Amazônia identificou, no Brasil, 18 linhagens diferentes dentro de 250 genomas. As regiões Sul, Sudeste e Nordeste são as mais afetadas com as novas variantes do vírus. 

A Fiocruz ainda estuda sobre como as novas variantes agem no corpo. Os testes ocorrem pela comparação de grupos com doenças graves e leves.