Macau Photo Agency/Unsplash
Macau Photo Agency/Unsplash

Confiança da indústria recua pela quarta vez consecutiva

Índice de Confiança da Indústria atingiu menor nível desde agosto do ano passado, de acordo com a FGV


A Fundação Getúlio Vargas (FGV) divulgou nesta quinta-feira (29) os números do Índice de Confiança da Indústria do mês de abril. Em relação ao mês anterior, o índice recuou 0,7 ponto, sendo a quarta queda consecutiva do indicador, que atingiu 103,5 pontos, o menor nível desde agosto de 2020.

Foi constatada piora na confiança dos empresários brasileiros em 14 dos 19 segmentos industriais pesquisados. A Fundação também atualizou os números do Índice de Situação Atual, que mede a percepção do empresariado em relação ao presente, e apresentou queda de 1,4 ponto chegando ao menor nível desde setembro de 2020. Já o Índice de Expectativas, que mede a confiança no futuro, cedeu 0,2 ponto e atingiu 96,9 pontos, menor nível desde julho de 2020.

De acordo com a economista da FGV, Claudia Perdigão, “o ritmo lento do processo de vacinação, a desvalorização do real e a escassez de insumos enfrentada por alguns setores criam um ambiente de incerteza que favorece a piora da situação corrente”.

Continue Lendo



Receba nossos conteúdos em primeira mão.

A Fundação Getúlio Vargas (FGV) divulgou nesta quinta-feira (29) os números do Índice de Confiança da Indústria do mês de abril. Em relação ao mês anterior, o índice recuou 0,7 ponto, sendo a quarta queda consecutiva do indicador, que atingiu 103,5 pontos, o menor nível desde agosto de 2020.

Foi constatada piora na confiança dos empresários brasileiros em 14 dos 19 segmentos industriais pesquisados. A Fundação também atualizou os números do Índice de Situação Atual, que mede a percepção do empresariado em relação ao presente, e apresentou queda de 1,4 ponto chegando ao menor nível desde setembro de 2020. Já o Índice de Expectativas, que mede a confiança no futuro, cedeu 0,2 ponto e atingiu 96,9 pontos, menor nível desde julho de 2020.

De acordo com a economista da FGV, Claudia Perdigão, “o ritmo lento do processo de vacinação, a desvalorização do real e a escassez de insumos enfrentada por alguns setores criam um ambiente de incerteza que favorece a piora da situação corrente”.

Reportagem, Larissa Lago