Cadastro de mídia

TERMO DE USO E PARCERIA

TERMO DE USO E PARCERIA

1º - A utilização gratuita e livre dos materiais produzidos pelo Brasil 61 só será permitida depois que este termo de parceria for aceito pelo usuário, prevendo as seguintes regras:

a) A utilização do material - na íntegra, ou em partes - só será permitida desde que as informações não sejam distorcidas, manipuladas ou alteradas.

b) Não é necessário a identificação do Brasil 61 na hora da replicação do conteúdo. Mas toda e qualquer veiculação de áudios produzidos pelo Brasil 61 prevê o cadastro no site, com a disponibilização de dados que serão utilizados para a organização do mailing desta empresa,

2º - OBRIGAÇÕES DO BRASIL 61

a) O Brasil 61 se compromete, a partir deste termo de uso, a produzir conteúdo particularizado diariamente, trazendo informações de dia-a-dia e bastidores do Planalto Central, além de outras temáticas de relevância do noticiário nacional. 

b) O acesso ao conteúdo jornalístico (na versão de leitura) é livre e gratuito, podendo ser replicado por qualquer usuário que acesse o site. O download do áudio para que seja utilizado na programação das rádios requer que o usuário realize o login no site do Brasil 61 - informando e-mail e senha cadastrados. 

3º - OBRIGAÇÕES DOS COMUNICADORES PARCEIROS

Não alterar o sentido dos materiais, ou distorcer fala de entrevistados ou mudar a conotação das mensagens dos materiais. 

ADENDOS IMPORTANTES SOBRE A PARCERIA

a) O Brasil 61 poderá distribuir conteúdo patrocinado com ou sem assinatura dos clientes patrocinadores do boletim e sem aviso prévio ao comunicador. 

b) As rádios parceiras não vão ter participação financeira sobre o faturamento do Brasil 61.

c) Os comunicadores podem patrocinar os conteúdos do Brasil 61, desde que não alterem o sentido e a conotação dos conteúdos oferecidos. Nesses casos, o Brasil 61 não terá participação nos lucros conquistados pelos veículos parceiros. 

Ao clicar em ACEITO, a emissora aqui cadastrada afirma concordar e estar ciente de todas as condições apresentadas neste Termo de Utilização de Conteúdo.

Política de privacidade

Nós do Brasil 61 coletamos e usamos alguns dados dos nossos leitores com o intuito de melhorar e adaptar nossas plataformas e nossos produtos. Para isso, agimos conforme a Lei Geral de Proteção de Dados (Lei 13.709/2018) e nos esforçamos para sermos transparentes em todas nossas atividades.

Para podermos oferecer melhores serviços e veicular peças publicitárias de nossos anunciantes, precisamos conhecer certas informações dos nossos usuários.

COMO O BRASIL 61 COLETA SEUS DADOS

– Quando você se cadastra e cria um usuário no Brasil 61

Quando você entra no nosso site, fornece informações (dados) para a criação do usuário. Estes dados são usados para orientar a estratégia do Brasil 61 e o desenvolvimento de novos serviços e/ou produtos. Essas informações são fornecidas voluntariamente por você leitor e não são compartilhadas com nenhum terceiro.

– Quando você acessa o site do Brasil 61 (www.brasil61.com.br) ou abre uma de nossas newsletters enviadas por e-mail

O Brasil 61 usa tecnologias como cookies e pixel tags para entender como é a sua interação com as nossas plataformas. Esses dados permitem saber, por exemplo, de que dispositivo você acessa o site ou em que links você clicou e quanto tempo permaneceu lendo as notícias. 

COMO O BRASIL 61 USA OS SEUS DADOS

Nós, do Brasil 61, usamos seus dados sempre com a principal intenção de melhorar, desenvolver e viabilizar nossos próprios produtos e serviços a você leitor.

Seus dados são sempre analisados de forma não individualizada, mesmo os que são fornecidos vinculados seu nome ou ao seu endereço de e-mail. 

Os dados em conjunto são analisados para criar relatórios estatísticos de audiência sobre as páginas, textos e meios de acesso ao site e às newsletters. 

Esses relatórios são compartilhados com nossos anunciantes e patrocinadores e servem para modelar estratégias e campanhas institucionais.

As informações que você fornece durante a criação do cadastro do seu usuário no Brasil 61 são utilizadas para a formulação de estratégia comercial e desenvolvimento de novos produtos e/ou serviços.

Essas informações individualizadas podem ser usadas pelo Brasil 61 para o envio de campanhas comerciais e divulgação de serviços e/ou produtos próprios. Não são compartilhadas com nenhum terceiro.

As informações captadas por meio de cookies e pixel tags são usadas em relatórios internos de monitoramento da audiência e também em relatórios para os anunciantes verificarem a efetividade de suas campanhas. Essas informações não estão vinculadas a nome ou e-mail dos leitores e são sempre avaliadas de forma não individualizada.

O Brasil 61 compartilha informações captadas por meio de cookies e pixel tags com terceiros, como anunciantes, plataformas de redes sociais e provedores de serviço – por exemplo, o serviço de envio de e-mails. O Brasil 61 também em seu site cookies de terceiros que captam informações diretamente do usuário, de acordo com suas próprias políticas de privacidade e uso de dados. 

O QUE O BRASIL 61 NÃO FAZ COM SEUS DADOS

– Não monitoramos ou coletamos dados de páginas que não pertencem ao Brasil 61.
– Não compartilhamos ou vendemos para terceiros nenhuma informação identificável.

O QUE VOCÊ PODE FAZER SE NÃO QUISER MAIS QUE SEUS DADOS SEJAM USADOS PELO BRASIL 61

– Caso não queira que o Brasil 61 use nenhum tipo de cookies, altere as configurações do seu navegador. Nesse caso, a exibição de anúncios e mensagens importantes do Brasil 61 e de nossos anunciantes pode ser prejudicada.

– Caso queira deixar de receber algum newsletter ou e-mail de alertas de notícias, basta clicar em “Unsubscribe”, na parte de baixo do e-mail enviado pelo Brasil 61. 

– Caso queira excluir seu usuário e apagar seus dados individuais da base do Brasil 61, basta enviar um e-mail para: privacidade@brasil61.com

 Última atualização: 24 de dezembro de 2020 

Agência Brasil

7,8 milhões de brasileiros ainda sofrem com distância de atendimento de alta complexidade

Estudo da Fiocruz aponta que essa parcela da população está a pelo menos quatro horas de distância de um município que ofereça atendimento de alta complexidade


Conhecido por suas dimensões continentais, o Brasil tem que lidar com mais um desafio em meio à pandemia da Covid-19: a acessibilidade de boa parte da população aos serviços de saúde. Isso porque, mais de 7,8 milhões de brasileiros estão a pelo menos quatro horas de distância de um município que ofereça atendimento de alta complexidade. 

Esse nível de estrutura com Unidade de Terapia Intensiva (UTI), equipamentos e profissionais de saúde especializados são fundamentais para o tratamento de pacientes com doenças respiratórias graves, como a que é causada pelo novo coronavírus, além de outras enfermidades severas. Os dados fazem parte de uma Nota Técnica intitulada “Regiões e Redes Covid-19: Acesso aos serviços de saúde e fluxo de deslocamento de pacientes em busca de internação”, divulgada pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz)

Com base no último levantamento do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) sobre as Regiões de Influências das Cidades (Regic) 2018, os pesquisadores da Fiocruz identificaram 316 municípios brasileiros que prestam atendimento de alta complexidade. Essas cidades são referências para os municípios menores. Ao que parece a quantidade não é suficiente para atender à população das regiões mais remotas, que acaba levando muito tempo para se deslocar em direção aos hospitais com mais estrutura.

Carla Pintas, especialista em Gestão das Políticas Públicas e Gestão dos Serviços de Saúde, explica que a dificuldade de acesso se potencializa durante a pandemia da Covid-19, pois uma parte das pessoas acaba, inevitavelmente, precisando de atendimento de alta complexidade. 

“A concentração de leitos de UTI se dá, basicamente, nos grandes centros, porque associado as unidades nós vamos precisar de outras modalidades, que muitas vezes não existem nas cidades pequenas. O impacto disso é importante na pandemia, porque o acesso da população começa a ficar limitado. O transporte pode demorar e isso pode pôr a vida do usuário em risco”, alerta. 

Ministério da Saúde alerta para interiorização da Covid-19

Maioria dos prefeitos médicos teve bom desempenho contra Covid-19

O brilho em meio ao caos: como o Samu vem atuando em meio à maior crise sanitária do século

Onde é mais distante

Paulo Vinícius Aguiar, 22 anos, é um desses brasileiros que sofrem com a dificuldade de acesso ao atendimento de maior complexidade. Ele mora em uma Zona Rural que fica a 30 minutos do município de Campestre, no interior do Maranhão. Ao sul do município está a cidade de Porto Franco. 

Foi para lá que o jovem foi transferido após sofrer um acidente de moto. Porém, o atendimento não foi suficiente. “Tive que fazer uma cirurgia e fui encaminhado direto para Porto Franco. De lá fui transferido para Imperatriz, onde foi feita a cirurgia. Foi uma situação muito difícil, porque eu quase morri, mas graças a Deus estou vivo e com saúde”, conta. 

Paulo afirma que há problemas de saúde que somente o município de Imperatriz — segunda maior cidade do Maranhão — é capaz de atender. “Qualquer coisa mais grave, é direto para Imperatriz”, diz. Embora sejam pouco mais de 100 km de distância, ele diz que o deslocamento entre a sua casa e um serviço de alta complexidade leva quase quatro horas, fator que o deixa apreensivo. “Preocupa muito, porque dependendo da gravidade, a gente demora para chegar. Se for uma coisa urgente, às vezes chega a ocorrer o que ninguém quer, o falecimento, porque é muito longe. É difícil”, relata.  

O estudo da Fiocruz aponta que a situação é pior em quatro estados: Pará, Amazonas, Mato Grosso e Acre. Nessas unidades da federação, mais de 20% da população mora em áreas que ficam a mais de quatro horas de uma cidade com serviço de atendimento de alta complexidade. No Pará, isso equivale a mais de 2,3 milhões de pessoas. No Amazonas, são 1,3 milhão e em Mato Grosso, quase 900 mil. 

De uma forma geral, as regiões da Amazônia, norte do Mato Grosso, interior do nordeste, norte de Minas Gerais, sul do Piauí e Maranhão apresentam os percentuais mais elevados de população que leva quatro horas ou mais para se deslocar até um município polo de atendimento. 

Em contraste, estão as regiões Sudeste e Sul, o litoral nordestino, Goiás e Distrito Federal, em que 100% dos habitantes estão livres de passar por esse problema. Uma das explicações estaria na própria geografia, já que esses locais são menores territorialmente na comparação com estados muito grandes, como o próprio Amazonas e o Pará, por exemplo. 

Carla Pintas afirma que uma das causas das limitações dos municípios menores é a falta de recursos que seriam necessários para manter uma estrutura de alta complexidade. “O desenho do SUS hoje é o mais adequado. O que precisa ser feito é manter uma regulação, ou seja, a capacidade de articulação entre os municípios de uma região em saber onde há leito de UTI e a capacidade instalada para atender a essa demanda em vária situações”, afirma. 

Soluções

Os pesquisadores destacam que o processo de descentralização do SUS dá autonomia aos municípios, o que é “relevante” principalmente nas definições de políticas voltadas para a atenção básica. No entanto, apontam que é necessário que as autoridades em saúde pensem em regionalizações para definição de áreas capazes de prestar serviços mais especializados de saúde. 

“É evidente que nem todos os municípios do país devem ter um centro de tratamento intensivo, mas é necessário definir serviços de referência e contra-referência no atendimento à saúde, evitando vazios de atendimento, bem como deslocamentos longos, que podem afetar o estado de saúde do indivíduo”, diz a nota. 

Carla Pintas reforça que os municípios devem se articular junto à administração estadual para desenhar melhor o mapa dos locais que vão servir como polos de alta complexidade, levando em conta a distância como um fator importante na discussão. “Toda vez que a gente tem um usuário precisando de um serviço especializado, quanto mais rapidamente a gente tiver a capacidade de transportá-lo para outro lugar, a gente tem a diferença entre a vida e a morte”, destaca. 

Sobrecarga

A dificuldade de acesso não é o único problema gerado pelas longas distâncias entre municípios menores e centros que atendem a casos de alta complexidade. No caso das cidades com mais estrutura, acaba ocorrendo uma sobrecarga do sistema de saúde, que recebe, inclusive, pacientes que “pertenceriam”, em tese, a outros polos. 

A própria Nota Técnica da Fiocruz avaliou à época o fluxo de internações por Covid-19 e Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG). O que se observou foi que em 175 municípios mais de 50% dos internados vinha de outras localidades. No entanto, os pesquisadores relatam que muitos desses municípios estariam atendendo residentes de locais cujos polos seriam outros.

Continue Lendo





Receba nossos conteúdos em primeira mão.

LOC.: Mais de 7,8 milhões de brasileiros estão a pelo menos quatro horas de distância de um município que ofereça atendimento de alta complexidade. Esse nível de estrutura com Unidade de Terapia Intensiva (UTI), equipamentos e profissionais de saúde especializados são fundamentais para o tratamento de pacientes com doenças respiratórias graves, como a que é causada pelo novo coronavírus, além de outras enfermidades severas. Os dados fazem parte de uma Nota Técnica, divulgada pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz). 

A partir do levantamento do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) sobre as Regiões de Influências das Cidades (Regic) de 2018, os pesquisadores da Fiocruz identificaram 316 municípios brasileiros que prestam atendimento de alta complexidade. Essas cidades servem como referência para os municípios menores. 

No entanto, ao que parece, a quantidade não é suficiente para atender à população das regiões mais remotas, que acaba levando muito tempo para se deslocar em direção aos hospitais com mais estrutura. Carla Pintas, especialista em Gestão das Políticas Públicas e Gestão dos Serviços de Saúde, explica que a dificuldade de acesso se potencializa durante a pandemia da Covid-19, pois uma parte das pessoas acaba, inevitavelmente, precisando de atendimento de alta complexidade. 

TEC./SONORA: Carla Pintas, especialista em Gestão das Políticas Públicas e Gestão dos Serviços de Saúde

“A concentração de leitos de UTI se dá, basicamente, nos grandes centros, porque associado as unidades nós vamos precisar de outras modalidades, que muitas vezes não existem nas cidades pequenas. O impacto disso é importante na pandemia, porque o acesso da população começa a ficar limitado. O transporte pode demorar e isso pode pôr a vida do usuário em risco. Esse é um problema.”
 

LOC.: Paulo Vinícius Aguiar, 22 anos, é um desses brasileiros que sofrem com a dificuldade de acesso ao atendimento de maior complexidade. Ele mora em uma Zona Rural que fica a 30 minutos do município de Campestre, no interior do Maranhão. Ao sul do município está a cidade de Porto Franco. 

Foi para lá que o jovem foi transferido após sofrer um acidente de moto e precisar de uma cirurgia. Porém, o atendimento não foi suficiente, o que fez com que ele fosse transferido, novamente, dessa vez para Imperatriz, segunda maior cidade do estado e que, segundo ele, fica a cerca de quatro horas da região onde mora. O jovem se mostra receoso com a dificuldade de acesso ao serviço de alta complexidade. 

TEC./SONORA: Paulo Vinícius Aguiar, morador de Campestre (MA)
 

“Preocupa muito, porque dependendo da gravidade, a gente demora muito para chegar. Se for uma coisa urgente, às vezes chega a ocorrer o que ninguém quer, que é o falecimento, porque é longe. Fica muito difícil pra gente.”  

LOC.: De acordo com a Fiocruz, em quatro estados (Pará, Amazonas, Mato Grosso e Acre) mais de 20% da população mora em áreas que ficam a pelo menos quatro horas de uma cidade com serviço de atendimento de alta complexidade. No Pará, isso equivale a mais de 2,3 milhões de pessoas. No Amazonas, são 1,3 milhão e em Mato Grosso, quase 900 mil. De uma forma geral, as regiões da Amazônia, norte do Mato Grosso, interior do nordeste, norte de Minas Gerais, sul do Piauí e Maranhão apresentam os percentuais mais elevados de população que leva quatro horas ou mais para se deslocar até um município polo de atendimento. Por outro lado, o problema quase não existe para os habitantes das regiões Sudeste e Sul, do litoral nordestino, Goiás e Distrito Federal. 

Reportagem, Felipe Moura.