Cadastro de mídia

TERMO DE USO E PARCERIA

TERMO DE USO E PARCERIA

Regras de Uso

1º - A utilização gratuita e livre dos materiais produzidos pelo Brasil 61 só será permitida depois que este termo de parceria for aceito pelo usuário, prevendo as seguintes regras:

a) A utilização do material - na íntegra, ou em partes - só será permitida desde que as informações não sejam distorcidas, manipuladas ou alteradas.

b) Não é necessário a identificação do Brasil 61 na hora da replicação do conteúdo. Mas toda e qualquer veiculação de áudios produzidos pelo Brasil 61 prevê o cadastro no site, com a disponibilização de dados que serão utilizados para a organização do mailing desta empresa,

2º - OBRIGAÇÕES DO BRASIL 61

a) O Brasil 61 se compromete, a partir deste termo de uso, a produzir conteúdo particularizado diariamente, trazendo informações de dia-a-dia e bastidores do Planalto Central, além de outras temáticas de relevância do noticiário nacional. 

b) O acesso ao conteúdo jornalístico (na versão de leitura) é livre e gratuito, podendo ser replicado por qualquer usuário que acesse o site. O download do áudio para que seja utilizado na programação das rádios requer que o radialista realize o login no site da Agência do Rádio - informando e-mail e senha cadastrados. 

3º - OBRIGAÇÕES DOS COMUNICADORES PARCEIROS

Não alterar o sentido dos materiais, ou distorcer fala de entrevistados ou mudar a conotação das mensagens dos materiais. 

ADENDOS IMPORTANTES SOBRE A PARCERIA

a) O Brasil 61 poderá distribuir conteúdo patrocinado com ou sem assinatura dos clientes patrocinadores do boletim e sem aviso prévio ao comunicador. 

b) As rádios parceiras não vão ter participação financeira sobre o faturamento do Brasil 61.

c) Os comunicadores podem patrocinar os conteúdos do Brasil 61, desde que não alterem o sentido e a conotação dos conteúdos oferecidos. Nesses casos, o Brasil 61 Mais não terá participação nos lucros conquistados pelos veículos parceiros. 

Ao clicar em ACEITO, a emissora aqui cadastrada afirma concordar e estar ciente de todas as condições apresentadas neste Termo de Utilização de Conteúdo.

ATIVIDADES FÍSICAS: Brasileiros com mais de 18 anos se exercitam pouco

A maior parte dos brasileiros não se exercita por tempo suficiente, que é de pelo menos 150 minutos durante a semana.


ATIVIDADES FÍSICAS: Brasileiros com mais de 18 anos se exercitam pouco

A maior parte dos brasileiros ainda se exercita pouco e sem regularidade. Isso é o que aponta a Pesquisa de Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico (Vigitel), do Ministério da Saúde. Apenas 38% das pessoas com mais de 18 anos fazem, pelo menos, 150 minutos semanais de alguma atividade física no seu tempo livre. Apesar da porcentagem ser maior, se comparado com 2009, quando apenas 25% dedicavam seu tempo livre às atividades físicas, os dados são um alerta! Por isso, o ministro Luiz Henrique Mandetta, afirmou que o Brasil caminha para a liderança em sedentarismo no mundo.

“Nós temos hoje, um país que caminha para um quadro de aumento de peso, então a gente começa a perceber aumento no diabetes, aumento na hipertensão, acidentes cardiovasculares... Isso é um fenômeno somente da sociedade brasileira? Não! Se vocês olharem os números de outros países vocês vão ver que isso é um fenômeno global. O ser humano faz menos atividades físicas, opta por um transporte basicamente individual, trabalha basicamente em escritórios e quando chega em casa fica basicamente no computador. E esse ciclo vai se tornando um ciclo vicioso”.

Com objetivo de estimular o hábito da prática de atividades físicas e reduzir as doenças relacionadas ao sedentarismo entre os brasileiros, o Ministério da Saúde lançou, em 2011, o Programa Academia da Saúde. Atualmente mais de 1.400 funcionam espalhados por 1.100 municípios. Para o Secretário de Vigilância em Saúde do Ministério da Saúde, Wanderson Kleber, essa é uma estratégia que merece maior destaque. 

“Os gestores municipais muitos deles têm investido bastante nas ações e práticas esportivas, como o aumento das academias. Mas ainda é insuficiente! Nós pretendemos, neste ano, intensificar o papel do educador físico junto às ações da Atenção Primária, estimulando a população sem a necessidade de equipamentos próprios, como tem nas academias, mas fazendo atividades com estrutura local disponível, incentivando a caminhada e atividade de acordo com o grupo etário”.

Os dados da pesquisa Vigitel apontam que as atividades físicas mais praticadas pela população são caminhada, musculação, futebol e corrida. Além disso, no tempo livre, os homens se exercitam mais do que entre as mulheres e, quando verificado a faixa etária, a população de 35 a 44 anos tem maior frequência nas práticas esportivas. 
 

Continue Lendo





Receba nossos conteúdos em primeira mão.

A maior parte dos brasileiros ainda se exercita pouco e sem regularidade. Isso é o que aponta a Pesquisa de Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico (Vigitel), do Ministério da Saúde. Apenas 38% das pessoas com mais de 18 anos fazem, pelo menos, 150 minutos semanais de alguma atividade física no seu tempo livre. Apesar da porcentagem ser maior, se comparado com 2009, quando apenas 25% dedicavam seu tempo livre às atividades físicas, os dados são um alerta! Por isso, o ministro Luiz Henrique Mandetta, afirmou que o Brasil caminha para a liderança em sedentarismo no mundo.
 

“Nós temos hoje, um país que caminha para um quadro de aumento de peso, então a gente começa a perceber aumento no diabetes, aumento na hipertensão, acidentes cardiovasculares... Isso é um fenômeno somente da sociedade brasileira? Não! Se vocês olharem os números de outros países vocês vão ver que isso é um fenômeno global. O ser humano faz menos atividades físicas, opta por um transporte basicamente individual, trabalha basicamente em escritórios e quando chega em casa fica basicamente no computador. E esse ciclo vai se tornando um ciclo vicioso”.

 

Com objetivo de estimular o hábito da prática de atividades físicas e reduzir as doenças relacionadas ao sedentarismo entre os brasileiros, o Ministério da Saúde lançou, em 2011, o Programa Academia da Saúde. Atualmente mais de 1.400 funcionam espalhados por 1.100 municípios. Para o Secretário de Vigilância em Saúde do Ministério da Saúde, Wanderson Kleber, essa é uma estratégia que merece maior destaque. 

“Os gestores municipais muitos deles têm investido bastante nas ações e práticas esportivas, como o aumento das academias. Mas ainda é insuficiente! Nós pretendemos, neste ano, intensificar o papel do educador físico junto às ações da Atenção Primária, estimulando a população sem a necessidade de equipamentos próprios, como tem nas academias, mas fazendo atividades com estrutura local disponível, incentivando a caminhada e atividade de acordo com o grupo etário”.

Os dados da pesquisa Vigitel apontam que as atividades físicas mais praticadas pela população são caminhada, musculação, futebol e corrida. Além disso, no tempo livre, os homens se exercitam mais do que entre as mulheres e, quando verificado a faixa etária, a população de 35 a 44 anos tem maior frequência nas práticas esportivas.