Imagem: Brasil 61
Imagem: Brasil 61

Setembro Amarelo e a Comunicação Positiva

Nesta edição, Érica Ferraz mostra como a comunicação positiva pode ajudar pessoas com depressão e ansiedade


Desde de 2015, setembro ficou conhecido como Setembro Amarelo.

Mais de 800 mil pessoas tiram a própria vida todos os anos. Estima-se que no mundo acontece um suicídio a cada 40 segundos. Atualmente, o suicídio é a segunda causa principal de morte entre jovens com idades entre 15 e 29 anos. Todos os dias, pelo menos 35 brasileiros tiram suas próprias vidas, segundo dados de 2020 do Fórum Brasileiro de Segurança Pública.

Vocês já pararam para pensar que a comunicação positiva é uma ferramenta importante no auxílio de pessoas próximas que precisam de um acolhimento?

Na comunicação positiva, trabalhamos com observação (e não julgamento), com a identificação dos nossos - e dos outros - sentimentos e necessidade e aprendemos a fazer pedidos que podem ou não ser atendidos. Adaptar esta técnica para situações onde a outra pessoa está deprimida, ansiosa pode ser de grande valia. 

Vamos refletir sobre isso?

Nos próximos programas vamos ajudar vocês a prestarem atenção na sua comunicação - com você mesmo e com os outros.

EMISSORAS DE RÁDIO: Comunicador, disponibilizamos o áudio deste podcast para download. Utilize e diversifique sua programação! 

Continue Lendo



Receba nossos conteúdos em primeira mão.

Olá pessoal, espero que todos vocês estejam bem de saúde. 

Na semana passada falamos sobre a importância da escuta e colocamos para vocês quatro tipos de escuta apresentadas pelo professor Otto Scharmer, do Massachusetts Institute of Technology (MIT) e criador da Teoria U de liderança. 

Se você não ouviu, corre lá porque o assunto da semana passada tem tudo a ver com o que vamos falar hoje: depressão e prevenção ao suicídio. E a sua relação com comunicação. 

Desde de 2015, Setembro ficou conhecido como Setembro Amarelo. A campanha foi criada pelo Centro de Valorização da Vida, pelo Conselho Federal de Medicina (CFM) e pela Associação Brasileira de Psiquiatria. As primeiras atividades realizadas pelo Setembro Amarelo aconteceram aqui, em Brasília. Mas já em 2016, várias outras capitais aderiram à iniciativa. 

Dia 10 de setembro é mundialmente conhecido como o dia de prevenção ao suicídio.

Vocês sabiam que  mais de 800 mil pessoas tiram a própria vida todos os anos? Estima-se que no mundo acontece um suicídio a cada 40 segundos. Esses são dados da Organização Mundial da Saúde. 

Atualmente, o suicídio é a segunda principal causa de morte entre jovens com idades entre 15 e 29 anos. Todos os dias, pelo menos 35 brasileiros tiram suas próprias vidas, segundo dados de 2020 do Fórum Brasileiro de Segurança Pública. 

Os números chocam. E o que podemos fazer? 

Vocês já pararam para pensar que a comunicação positiva é uma ferramenta importante no auxílio de pessoas próximas que precisam de um acolhimento?

Nos próximos programas vamos ajudar vocês a prestarem atenção na sua comunicação – com você mesmo e com os outros.

Na comunicação positiva, trabalhamos com observação (e não julgamento), com a identificação dos nossos – e dos outros - sentimentos e necessidades e aprendemos a fazer pedidos que podem ou não ser atendidos. 

Adaptar esta técnica para situações onde a outra pessoa está deprimida, ansiosa pode ser de grande valia. 

A observação é fundamental para todo comunicador. O que o outro está sinalizando para mim que algo não vai bem? Como anda a sua voz, suas expressões faciais, sua linguagem corporal?

Não julgar é outro aspecto fundamental. Não desprezar o que o outro está passando. Quando julgamos, estamos vendo a vida do outro com nossas lentes. Você deve se policiar para observar mais, ouvir mais e perguntar mais. 

E quando falamos em perguntar é para entender o que o outro está sentindo e quais são as necessidades dele. Ouvir sem julgar. É a escuta empática que falamos tanto no episódio passado.

Uma das coisas mais difíceis e mais importantes é vermos que o outro é diferente de nós e que ele tem uma lógica que pode ser diferente da nossa. E para acolher uma pessoa em depressão temos que nos comunicar de tal forma que ela sinta que a estamos compreendendo. Não julgando ou criticando. Ela também não espera conselhos. 

Entender suas necessidades é fundamental. 

Vamos refletir sobre isso? 

Na semana que vem vamos falar da importância da comunicação empática para auxiliar alguém com depressão e ansiedade. 

Não se esqueça de deixar seu comentário e sugestões. Sua opinião é muito importante para nós. 

Ótima semana e beijos no coração!!