Foto: Lula Marques/Agência Brasil
Foto: Lula Marques/Agência Brasil

Relator da reforma tributária na Câmara projeta votação para a próxima semana

O deputado federal Aguinaldo Ribeiro (PP-PB) também deixou aberta a possibilidade de rever as novas exceções aos tributos que o Senado incluiu


O relator da reforma tributária na Câmara dos Deputados, Aguinaldo Ribeiro (PP-PB), afirmou nessa quarta-feira (6) que o presidente da casa, Arthur Lira (PP-AL), quer votar a proposta em plenário na próxima semana. O objetivo é aprovar a PEC 45 a tempo de viabilizar sua promulgação ainda este ano. 

"A ideia é que a gente possa fazer o trabalho de texto, conversar com todo mundo e estar pronto, para na próxima semana, se depender da gente, a ideia do presidente é essa, já votar na próxima semana", disse. 

Ribeiro destacou que vai conversar com o senador Eduardo Braga (MDB-AM) e o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), antes de fazer os ajustes finais no texto que vai à votação. Segundo o deputado, a prorrogação dos incentivos fiscais para indústrias automobilísticas das regiões Norte, Nordeste e Centro-Oeste é um dos pontos em debate. 

O mesmo vale para o dispositivo que determina a arrecadação dos estados com ICMS entre 2024 e 2028 como período de referência para calcular a fatia do IBS a qual cada ente terá direito. 

Em relação ao texto da Câmara, Senado amplia de 16 para 21 as exceções na reforma tributária

Reforma tributária: Câmara terá de lidar com aumento de exceções aprovadas no Senado

Exceções

Questionado se pode diminuir a lista de bens e serviços que terão alíquotas reduzidas ou isenção dos novos tributos, Ribeiro disse que vai avaliar a possibilidade. 

"Essa é uma avaliação que vamos fazer de forma criteriosa. Tecnicamente, a gente vai ver o que é possível ser suprimido em termos de texto sem que isso comprometa a reforma, incluindo todas as questões. Às vezes tem coisa que a gente desejaria mudar, mas que, se tecnicamente não for possível e não comprometer o âmago do que é a reforma, paciência, vamos ter tempo para no futuro aprimorar", afirmou. 

No Senado, a lista de setores com tratamento diferenciado aumentou em relação à primeira passagem da proposta pela Câmara dos Deputados. Ao todo, houve o acréscimo de cinco novas exceções, entre elas a redução de 30% da CBS e do IBS para os profissionais liberais, como contadores, engenheiros e médicos. 
 

Receba nossos conteúdos em primeira mão.

LOC.: O relator da reforma tributária na Câmara, deputado Aguinaldo Ribeiro, afirmou que o plenário da casa deve votar o texto na próxima semana. O objetivo é aprovar a PEC 45 a tempo de viabilizar sua promulgação ainda este ano. 

TEC./SONORA: deputado federal Aguinaldo Ribeiro (PP-PB) 
"A ideia é que a gente possa fazer o trabalho de texto, conversar com todo mundo e estar pronto, para na próxima semana, se depender da gente, a ideia do presidente é essa, já votar na próxima semana."


LOC.: Questionado se pode diminuir a lista de bens e serviços que vão ter alíquotas reduzidas ou isenção dos novos tributos, Ribeiro disse que vai avaliar a possibilidade. 

TEC./SONORA: deputado federal Aguinaldo Ribeiro (PP-PB) 
"Essa é uma avaliação que vamos de forma criteriosa. Tecnicamente, a gente vai ver o que é possível ser suprimido em termos de texto sem que isso comprometa a reforma, incluindo todas as questões. Às vezes tem coisa que a gente desejaria mudar, mas que se tecnicamente não for possível e não comprometer o âmago do que é a reforma, paciência, vamos ter tempo para no futuro aprimorar."


LOC.: A reforma tributária substitui IPI, PIS, Cofins, ICMS e ISS por três novos tributos. A Contribuição sobre Bens e Serviços, que será arrecadada pelo governo federal, o IBS, que será dividido entre estados e municípios, e o Imposto Seletivo, que será cobrado sobre bens e serviços tidos como prejudiciais à saúde e ao meio ambiente. 

Reportagem, Felipe Moura.