Foto: Agência Brasília
Foto: Agência Brasília

Percentual de desocupados no Brasil subiu 0,8 ponto no 1º trimestre, diz IBGE

Números totalizam 14,8 milhões brasileiros em busca de emprego


Segundo os dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) Contínua, divulgada nesta quinta-feira (27) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a taxa de desocupação no Brasil subiu 0,8 ponto percentual, totalizando 14,8 milhões brasileiros em busca de emprego.

Número de contratações com carteira assinada foi superior ao de demissões em abril, diz Caged

Lei garante que gestantes trabalhem em casa durante a pandemia da Covid-19

Com isso, o percentual fechou o primeiro trimestre de 2021 em 14,7%, na comparação com o último trimestre do ano passado, representando a maior taxa desde 2012. Já o número de pessoas ocupadas ficou estatisticamente estável na comparação com o último trimestre de 2021, com 85,7 milhões, e o nível de ocupação caiu 0,5 ponto percentual, para 48,4%

Nas categorias de trabalhadores, o IBGE aponta que houve redução de 2,9% dos empregados do setor privado sem carteira assinada, totalizando 9,7 milhões. A única categoria que apresentou aumento na ocupação foi a que engloba trabalhadores por conta própria, que subiu 2,4%, e agora representa 23,8 milhões de brasileiros.

Continue Lendo



Receba nossos conteúdos em primeira mão.

Segundo os dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) Contínua, divulgada nesta quinta-feira (27) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a taxa de desocupação no Brasil subiu 0,8 ponto percentual, totalizando 14,8 milhões brasileiros em busca de emprego.

Com isso, o percentual fechou o primeiro trimestre de 2021 em 14,7%, na comparação com o último trimestre do ano passado, representando a maior taxa desde 2012. Já o número de pessoas ocupadas ficou estatisticamente estável na comparação com o último trimestre de 2021, com 85,7 milhões, e o nível de ocupação caiu 0,5 ponto percentual, para 48,4%

Nas categorias de trabalhadores, o IBGE aponta que houve redução de 2,9% dos empregados do setor privado sem carteira assinada, totalizando 9,7 milhões. A única categoria que apresentou aumento na ocupação foi a que engloba trabalhadores por conta própria, que subiu 2,4%, e agora representa 23,8 milhões de brasileiros.

Reportagem, Larissa Lago