Foto: Léo Rodrigues/Agência Brasil
Foto: Léo Rodrigues/Agência Brasil

Paraná: captura de aranhas-marrons viabiliza 15 mil ampolas de antiveneno anualmente

A quantidade é suficiente para o tratamento entre 1.800 e 3.600 vítimas da picada da aranha


Durante o ano, são capturadas cerca de 45 mil aranhas-marrons em regiões do Paraná e Santa Catarina. Esse trabalho viabiliza a produção de até 15 mil ampolas antiveneno, quantidade suficiente para o tratamento de 1.800 a 3.600 vítimas da picada da aranha. Os dados são da Secretaria de Saúde do Paraná. 

Na primeira quinzena de julho, o Centro de Produção e Pesquisa de Imunobiológicos do Paraná capturou 2.459 aranhas-marrons, 20% a mais do que o habitual, que é de 1.875 aranhas no período de duas semanas. A captura foi realizada no Norte Pioneiro, nos municípios de Cambará, Andirá e Quatiguá. Os animais são levados a laboratórios para extração do veneno e produção do soro, que vão para todas as regionais de saúde.

A bióloga Bianca Ribeiro Pizzato explica que, em caso de suspeita de picada, a pessoa deve procurar imediatamente uma unidade de saúde. “Caso seja possível, capturar a aranha é importante, levar em um recipiente, pois isso facilita a identificação da espécie e a condução do tratamento”, informa.

As picadas podem levar a estados classificados como leve, moderado e grave. A bióloga esclarece que o tratamento é feito conforme o quadro do paciente, envolvendo a limpeza e desinfecção do local e o uso de medicamentos. Somente em casos mais graves recomenda-se o soro antiaracnídeo.

Os casos graves se apresentam como lesões de pele bem características, com feridas maiores que podem causar isquemia de vasos sanguíneos e necrose no local, de quatro a cinco dias após a picada.

De acordo com os dados da Sesa, o Paraná registrou no ano passado 2.973 acidentes com aranha-marrom. Do início deste ano até 13 de julho, ocorreram 1.646 acidentes.

Entre os municípios com mais registros de acidentes no Paraná, Curitiba aparece como a líder em casos desde 2017, com mais de 6 mil notificações, seguida de Ponta Grossa, Pato Branco e Guarapuava.

Prevenção

Bianca Ribeiro Pizzato alerta para a prevenção do animal, que pode ser facilmente evitada com medidas de limpeza nas residências. “A aranha-marrom habita locais escuros, quentes e secos. Pode ser encontrada, principalmente, em armários, atrás de quadros e objetos que são poucos manuseados”, aponta.

A bióloga recomenda a limpeza com o uso de pano e aspirador de pó atrás de móveis e quadros de parede. Ela também aconselha manter a casa arejada e evitar o acúmulo de qualquer material em ambientes externos, como quintais. “As aranhas são encontradas em meio a telhas, materiais de construção e restos de madeira”, acrescenta.

Outro cuidado recomendado é colocar lâmina de borracha na parte inferior das portas e sacudir roupas e calçados antes de vesti-los. “Lembrando também que a presença de lagartixas são bem-vindas em nossas casas, uma vez que são predadoras naturais de aranhas e não nos fazem mal algum”, completa.

Leia mais:

Paraná: R$ 32,6 milhões devem ser repassados para a saúde

Paraná tem novos focos de influenza aviária confirmados

PR: Três municípios são selecionados para receber recursos destinados ao saneamento básico em escolas

Receba nossos conteúdos em primeira mão.

LOC.: De acordo com a Secretaria de Saúde do Paraná, são capturadas por ano cerca de 45 mil aranhas-marrons em regiões do estado e de Santa Catarina. Esse trabalho torna possível a produção de até 15 mil ampolas antiveneno, distribuídas em todas as regionais de saúde paranaenses. Essa quantidade é suficiente para o tratamento de mil e oitocentas a três mil e seiscentas vítimas da picada da aranha.

A bióloga Bianca Ribeiro explica que, em caso de suspeita de picada, a pessoa deve procurar imediatamente uma unidade de saúde.
 

TEC./SONORA: Bianca Ribeiro Pizzato, bióloga

"Caso seja possível, capturar a aranha é importante, levar em um recipiente, pois isso facilita a identificação da espécie e a condução do tratamento."


LOC.: As picadas podem levar a estados classificados como leve, moderado e grave. A bióloga explica que o tratamento é feito conforme o quadro do paciente e envolve a limpeza e desinfecção do local e uso de medicamentos. Somente em casos mais graves recomenda-se o soro antiaracnídeo.

Bianca Ribeiro também alerta para medidas de limpeza nas residências que podem evitar a presença do animal.

TEC./SONORA: Bianca Ribeiro Pizzato, bióloga

“A aranha-marrom habita locais escuros, quentes e secos. Pode ser encontrada, principalmente, em armários, atrás de quadros e objetos que são poucos manuseados. Então a principal dica é a limpeza com o uso de pano e aspirador de pó atrás de móveis e dos quadros da parede.”


LOC.: A bióloga também recomenda manter a casa arejada e evitar o acúmulo de qualquer material em ambientes externos, principalmente que contenham materiais de construção.

Outro cuidado recomendado é colocar lâmina de borracha na parte inferior das portas e sacudir roupas e calçados antes de vesti-los. 

Reportagem, Nathália Guimarães