Foto: Julio Cavalheiro/Secom/Governo do Estado de Santa Catarina
Foto: Julio Cavalheiro/Secom/Governo do Estado de Santa Catarina

Mais 36 cidades gaúchas entram em situação de emergência devido à estiagem

Com os novos reconhecimentos, já são 200 os municípios do Rio Grande do Sul nessa situação


O Governo Federal, por meio do Ministério do Desenvolvimento Regional (MDR), reconheceu, nesta quarta-feira (26), a situação de emergência em mais 36 cidades gaúchas afetadas pela estiagem. A portaria  foi publicada no Diário Oficial da União (DOU). Com isso, o Rio Grande do Sul já tem 200 municípios com o reconhecimento federal por esse motivo.

As cidades que obtiveram o reconhecimento nesta quarta-feira são: Alegria, Antônio Prado, Arroio do Meio, Arvorezinha, Barros Cassal, Braga, Cachoeira do Sul, Campestre da Serra, Capão Bonito do Sul, Colinas, Coronel Pilar, Cotiporã, Faxinal do Soturno, Gaurama, Gramado dos Loureiros, Guarani das Missões, Ibiraiaras, Ilópolis, Imigrante, Itaara, Ivorá, Jaboticaba, Jaguari, Lagoa Vermelha, Mata, Novo Cabrais, Pinhal Grande, Porto Lucena, Ronda Alta, Rondinha, Santa Margarida do Sul, São Francisco de Paula, Tio Hugo, Tupanci do Sul, Veranópolis e Viadutos.

Confira neste link a lista completa de municípios gaúchos reconhecidos por causa da estiagem.

Santa Catarina

Em Santa Catarina, quatro cidades também tiveram a situação de emergência reconhecida por causa da falta de chuvas. São elas: Formosa do Sul, Mondaí, Romelândia e Saltinho.

Paraná

Já no Paraná, os municípios de Palotina e Ramilândia também obtiveram o reconhecimento em razão da estiagem. Já em Quedas do Iguaçu, a causa foi um incêndio florestal.

Como solicitar recursos ao MDR

Após a concessão do status de situação de emergência pela Defesa Civil Nacional, os municípios atingidos por desastres naturais podem solicitar recursos do MDR para atendimento à população afetada. As ações envolvem restabelecimento de serviços essenciais e reconstrução de equipamentos de infraestrutura danificados pelo desastre.

A solicitação deve ser feita por meio do Sistema Integrado de Informações sobre Desastres (S2iD). Com base nas informações enviadas, a equipe técnica da Defesa Civil Nacional avalia as metas e os valores solicitados. Com a aprovação, é publicada portaria no DOU com a especificação do montante a ser liberado.

Continue Lendo



Receba nossos conteúdos em primeira mão.

LOC.: O Governo Federal reconheceu nesta quarta-feira, 26 de janeiro, a situação de emergência em mais 36 cidades gaúchas afetadas pela estiagem.
Com isso, o Rio Grande do Sul já tem 200 municípios com o reconhecimento federal por esse motivo. Confira a lista completa em mdr.gov.br.

Em Santa Catarina, quatro cidades também tiveram a situação de emergência reconhecida por causa da falta de chuvas. São elas: Formosa do Sul, Mondaí, Romelândia e Saltinho. 

Já no Paraná, os municípios de Palotina e Ramilândia também obtiveram o reconhecimento em razão da estiagem. Já em Quedas do Iguaçu, a causa foram incêndios florestais.

O coronel Alexandre Lucas, secretário nacional de Proteção e Defesa Civil do Ministério do Desenvolvimento Regional, o MDR, explica como funciona o processo de reconhecimento de situação de emergência e de liberação de recursos federais para ajudar as regiões afetadas por desastres. 

TEC./SONORA: Cel. Alexandre Lucas, secretário nacional de Proteção e Defesa Civil do Ministério do Desenvolvimento Regional
"O reconhecimento tem o papel de alterar processos administrativos e jurídicos e acelerar processos para a resposta ao desastre, além de permitir a liberação de uma série de recursos. Para isso, é preciso que o estado ou o município decrete situação de emergência ou de calamidade pública e insira essa documentação no Sistema Integrado de Informações sobre Desastres (S2ID). A partir disso, o Ministério do Desenvolvimento Regional (MDR) publica uma portaria e o ente federativo está apto a solicitar recursos."

LOC.: O Sistema Integrado de Informações sobre Desastres, o S2iD, pode ser acessado em s2id.mi.gov.br.

Para saber mais sobre as ações do Ministério do Desenvolvimento Regional em Proteção e Defesa Civil, acesse mdr.gov.br.

Reportagem, Manuela Rolim