Foto: Tomaz Silva/Agência Brasil
Foto: Tomaz Silva/Agência Brasil

Indústria Verde: práticas industriais alinhadas à sustentabilidade impulsionam economia

Brasil deve ser uma das economias que produzirá energia verde de forma mais abundante e barata, segundo diretor de Desenvolvimento Industrial e Economia da CNI


Para a Confederação Nacional da Indústria (CNI), a incorporação de práticas industriais alinhadas aos princípios da sustentabilidade incentiva o surgimento de soluções inovadoras e ecoeficientes, além de impulsionar a obtenção de vantagens competitivas. Em consonância à agenda ambiental da CNI, a política “Nova Indústria Brasil”, lançada pelo governo federal esta semana, pretende cumprir metas relacionadas a setores como bioeconomia, descarbonização e transição energética.

O diretor de Desenvolvimento Industrial e Economia da CNI, Rafael Lucchesi, aponta que essa é uma oportunidade para que o Brasil avance na chamada economia verde.
“Temos uma grande insolação, temos ventos contínuos e regulares, temos um pacote tecnológico da energia de biomassa, temos um potencial fantástico para o hidrogênio verde. Então, isso tudo coloca o Brasil na agenda que os especialistas chamam de powershoring [relocalização de plantas produtivas para reduzir vulnerabilidades e aumentar a resistência dos países a novas crises], como um elemento de forte competitividade para o país”, explica.

Lucchesi ressalta que o Brasil tem a matriz energética mais limpa do planeta e a mais competitiva a longo prazo. Lembra ainda que a transformação ecológica do processo produtivo deve reduzir a emissão de carbono.

“O Brasil, certamente, vai ser uma das economias que melhor vai produzir a energia verde, de forma abundante e mais barata”, completa.

Segundo o diretor da CNI, a construção da dinâmica desse processo dependerá de "maior convergência das estratégias empresariais com políticas públicas modernas".

Indústria Verde

Reconhecendo que a indústria desempenha papel fundamental no desenvolvimento sustentável, a CNI apresenta contribuições do setor para a agenda ambiental por meio do projeto Indústria Verde. A iniciativa é uma das pioneiras no setor produtivo ao assumir a responsabilidade de promover a implementação dos compromissos climáticos no país.

 

Receba nossos conteúdos em primeira mão.

LOC.: Para a Confederação Nacional da Indústria, a CNI, a adoção de práticas industriais alinhadas aos princípios da sustentabilidade e da inovação incentiva o surgimento de soluções ecoeficientes, além de impulsionar a obtenção de vantagens competitivas. Apresentando uma aderência à visão da agenda ambiental da CNI, a política “Nova Indústria Brasil”, do governo federal, tem como meta cumprir missões relacionadas a setores como bioeconomia, descarbonização e transição energética.

O diretor de Desenvolvimento Industrial e Economia da CNI, Rafael Lucchesi, aponta que essa é uma oportunidade para a economia verde, colocando o Brasil em uma condição de vantagem.

TEC./SONORA: Diretor de Desenvolvimento Industrial e Economia da CNI, Rafael Lucchesi

“Nós temos uma grande insolação, nós temos ventos contínuos e regulares, nós temos um pacote tecnológico da energia de biomassa, nós temos um potencial fantástico para o hidrogênio verde. Então isso tudo coloca o Brasil na agenda que os especialistas chamam de powershoring, como um elemento de forte competitividade para o país.”


LOC.: O diretor ressalta que o Brasil tem a matriz energética mais limpa do planeta e a mais competitiva a longo prazo. Ele também afirma que a transformação ecológica do processo produtivo deve reduzir a emissão de carbono.

Uma ação da CNI que apresenta contribuições da indústria brasileira para a agenda ambiental consiste no projeto Indústria Verde. A iniciativa reconhece que a indústria desempenha um papel fundamental no desenvolvimento sustentável, sendo pioneira no setor produtivo a assumir a responsabilidade de promover a implementação dos compromissos climáticos no país.

Reportagem, Nathália Guimarães