Em Minas Gerais, indústria cresce com respeito ao meio ambiente Foto: Divulgação Agência Brasil
Em Minas Gerais, indústria cresce com respeito ao meio ambiente Foto: Divulgação Agência Brasil

Indústria mineira avança, de olho na sustentabilidade

Preservação do meio ambiente e investimento em pesquisa para a descarbonização do setor minerador estão entre as prioridades da indústria em MG


Industrialização e sustentabilidade podem andar juntas e na mesma direção. Pelo menos é o exemplo que Minas Gerais vem dando ao mundo. A indústria mineira gera, por ano, R$ 166 bilhões, o que equivale a 11,2% da indústria de todo o Brasil. O destaque é o setor de mineração, que representa 17,2% de toda a atividade do estado. 

Para desmistificar a ideia de que a mineração destrói o meio ambiente, o presidente da Federação das Indústrias de Minas Gerais (FIEMG), Flávio Roscoe, apresentou um estudo que analisou 500 mil hectares onde são desenvolvidas atividades de mineração. Segundo a entidade, os resultados mostram que, nos municípios onde há extração mineral, 53% da mata nativa está preservada. 

Roscoe avalia que os dados provam que a mineração não está relacionada à devastação ambiental. Só nas áreas de mineração temos 54 milhões de toneladas de CO2 estocadas nas áreas preservadas. Esse estoque é equivalente a dois anos e meio da emissão de gases CO2 de toda a indústria mineira.”

INVESTIMENTO E PESQUISA

Para ajudar as empresas a cumprir compromissos globais de baixa emissão de gases de efeito estufa, a FIEMG lançou o primeiro Centro de Tecnologia e Descarbonização da América Latina (CIT/Senai). A iniciativa tem apoio da Confederação Nacional da Indústria (CNI), que incentiva a descarbonização do setor por meio de estratégia focada em 4 pilares: transição energética, mercado de carbono, economia circular e conservação florestal.  

A construção do centro contou com investimento de R$ 34 milhões, além de mais R$ 175 milhões em projetos. O CIT/Senai vai atuar em quatro eixos: biocombustíveis e combustíveis sustentáveis; implementação de tecnologias de hidrogênio; captura e utilização de CO2 e inovação na produção de aço.

“O que nós queremos é, em conjunto com as indústrias, desenvolver as tecnologias aplicadas aos setores industriais de Minas Gerais que sejam disruptivas e permitam com que as empresas atinjam a meta até 2050", enfatiza o presidente da FIEMG.
 

 

Receba nossos conteúdos em primeira mão.

LOC.: Industrialização e sustentabilidade podem andar juntas. Pelo menos é o exemplo que vem de Minas Gerais. A indústria mineira gera, por ano, R$ 166 bilhões, o que equivale a 11,2% da produção de todo o Brasil. O destaque é a mineração, responsável por 17,2% de toda a atividade no estado. 

Para desmistificar a ideia de que a mineração destrói o meio ambiente, o presidente da Federação das Indústrias de Minas Gerais (FIEMG), Flávio Roscoe, apresentou um estudo que analisou 500 mil hectares onde são desenvolvidas atividades de mineração. Segundo a entidade, os resultados mostram que nos municípios onde há extração mineral, 53% da mata nativa está preservada. 

Roscoe avalia que os dados provam que a mineração não está relacionada à devastação ambiental.
 

TEC/SONORA: Flávio Roscoe, presidente da Federação das Indústrias de Minas Gerais (FIEMG)

“Só nas áreas de mineração nós temos 54 milhões de toneladas de CO2 estocadas nas áreas preservadas. Esse estoque é equivalente a 2 anos e meio da emissão de gases CO2 de toda a indústria mineira.”
 


LOC.: Para ajudar as empresas a cumprir compromissos globais de baixa emissão de gases de efeito estufa, a FIEMG lançou o primeiro Centro de Tecnologia e Descarbonização da América Latina. O espaço tem quatro eixos de atuação: biocombustíveis e combustíveis sustentáveis; implementação de tecnologias de hidrogênio; captura e utilização de CO2 e inovação na produção de aço. A iniciativa tem apoio da Confederação Nacional da Indústria, que incentiva a descarbonização do setor por meio de estratégia focada em 4 pilares: transição energética, mercado de carbono, economia circular e conservação florestal.

TEC/SONORA: Flávio Roscoe, presidente da Federação das Indústrias de Minas Gerais (FIEMG)

“O que nós queremos é, em conjunto com as indústrias, desenvolver as tecnologias aplicadas aos setores industriais de Minas Gerais que sejam disruptivas e permitam com que  as empresas atinjam a meta até 2050.”
 


LOC.: Minas Gerais é o maior estado minerador brasileiro, com 40 das 100 maiores minas de extração do Brasil.

Reportagem, Lívia Braz