Foto: Waldemir Barreto/Agência Senado
Foto: Waldemir Barreto/Agência Senado

CÂMARA DOS DEPUTADOS: Dos seis maiores partidos após a janela partidária, cinco são do Centrão

Partido do presidente, PL, vira a maior bancada da casa com 76 deputados


A sete meses das eleições, a Câmara Federal tem um novo formato. Deputados aproveitaram a janela partidária para mudar de legenda sem correr o risco de perder o mandato. Os partidos tiveram até a última sexta-feira (1º) para registrar as filiações no Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

Agora o Partido Liberal (PL) é a maior legenda dentro da casa com 76 deputados. O partido do presidente da República, filiado em novembro do ano passado, recebeu deputados que foram eleitos junto com Jair Bolsonaro pelo antigo PSL, hoje chamado de União Brasil depois da fusão com o Democratas. O PL mais que dobrou de tamanho. Nas eleições de 2018, o partido  conseguiu eleger 33 deputados.

Com a debandada dos deputados bolsonaristas, o União Brasil foi o que mais perdeu, de 81 com a fusão para 46 após a janela. 

Já o Partido dos Trabalhadores (PT), do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, ganhou mais dois deputados e é a segunda maior bancada, com 56 parlamentares na Câmara. 

Dentre os seis maiores partidos, cinco são de centro. Se somam aos 76 do PL, o Progressistas, com 52; o União Brasil, que ficou com 46; o PSD, 43 deputados; e o Republicanos, com 42. 

“Muito importante para o Partido Liberal, mas é só uma nova fase daqui para frente. E a gente tem uma expectativa que nas novas eleições de outubro nós vamos manter essa bancada ou crescer ainda mais. Os nossos aliados, o Partido Progressista, o Republicanos também saíram fortalecidos. Então, o Partido Liberal cresceu, mas olhou também seus aliados”, afirmou o líder do PL, deputado Altineu Cortês.

Logo depois vem partidos tradicionais como o MDB, que filiou mais quatro deputados e chegou a 38. O PSDB perdeu dois e está com 27 deputados. O PSB e o PDT do presidenciável Ciro Gomes também viram suas bancadas se reduzirem. O PSB perdeu oito parlamentares e hoje tem 24. O PDT caiu de 28 para 19 deputados.

Esses números ainda podem sofrer algumas modificações. Mesmo após o fim do prazo, a secretaria geral da mesa da Câmara pode receber posteriormente os registros de filiações feitos no sistema do TSE.

Continue Lendo



Receba nossos conteúdos em primeira mão.

LOC:  A sete meses das eleições, a Câmara Federal tem um novo formato. Deputados aproveitaram a janela partidária para mudar de legenda sem correr o risco de perder o mandato. Os partidos tiveram até a última sexta-feira (1º) para registrar as filiações no Tribunal Superior Eleitoral.

Agora o Partido Liberal é a maior legenda dentro da casa com 76 deputados. O partido do presidente da República, filiado em novembro do ano passado, recebeu deputados que foram eleitos junto com Jair Bolsonaro pelo antigo PSL, hoje chamado de União Brasil, depois da fusão com o Democratas. O Partido Liberal mais que dobrou de tamanho. Nas eleições de 2018, o PL conseguiu eleger 33 deputados.

Com a debandada dos deputados bolsonaristas, o União Brasil foi o que mais perdeu, passando de 81 com a fusão para 46 após a janela. Já o Partido dos Trabalhadores, do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, ganhou mais dois deputados e é a segunda maior bancada com 56. Dentre os seis maiores partidos, cinco são de centro. Se somam aos 76 do PL, o Progressistas, com 52; o União Brasil, que ficou com 46; o PSD, 43 deputados; e o Republicanos, com 42. 

O líder do PL, deputado Altineu Cortês, disse que as expectativas são positivas, inclusive para as próximas eleições.

 

LOC: Logo depois vem partidos tradicionais como o MDB que filiou mais quatro deputados e chegou a 38. O PSDB perdeu dois e está com 27. O PSB e o PDT do presidenciável Ciro Gomes também viram suas bancadas se reduzirem. O PSB perdeu oito parlamentares e hoje tem 24. O PDT caiu de 28 para 19 deputados.

Esses números ainda podem sofrer algumas modificações. Mesmo após o fim do prazo, a secretaria geral da mesa da Câmara pode receber posteriormente os registros de filiações feitos no sistema do TSE.

Reportagem Daniel Trevor