Dengue. Foto: Arquivo/EBC
Dengue. Foto: Arquivo/EBC

Casos de dengue sobem 95,2% no Brasil

De acordo com o Ministério da Saúde, a taxa de incidência chegou a 184,7 casos por 100 mil habitantes


Os casos de dengue no Brasil apresentaram um aumento de 95,2% em 2022, entre 2 de janeiro e 9 de abril. A elevação é em relação ao mesmo período do ano passado. Ao todo, foram registrados 393.967 casos prováveis da doença. A taxa de incidência chegou a 184,7 casos por 100 mil habitantes. Os dados constam no último boletim epidemiológico sobre arboviroses do Ministério da Saúde, referente à semana 14. 

O médico sanitarista Cláudio Maierovitch explica que a melhor forma de prevenir a dengue é impedir a proliferação do mosquito transmissor, eliminando os criadouros. Segundo ele, cada indivíduo pode contribuir com essa ação. 

“É importante que, antes de começarem os casos mais numerosos, as pessoas já ajam para tentar eliminar condições favoráveis à transmissão. Entre elas podemos citar a presença de recipientes com água parada, que às vezes ficam nos quintais das casas, ferro velho, depósito de lixo, e muitas vezes em caixas d'água destampadas”, orienta. 

A Região Centro-Oeste foi destaque no levantamento, com uma taxa superior a 700 casos de dengue por 100 mil habitantes. As capitais Goiânia e Brasília contaram com o maior número de registros. “Goiás é um estado que todo ano enfrenta epidemia de dengue com números altos. Geralmente, isso está relacionado a fatores climáticos ou circulação de pessoas”, destaca Maierovitch.

COVID-19: Ministério da Saúde declara oficialmente fim da Emergência em Saúde Pública de Importância Nacional

Casos de síndrome respiratória aguda em crianças estão em queda, diz Fiocruz

COVID-19: Mesmo com fim de emergência em saúde, pesquisadores defendem necessidade de transição para o fim da epidemia

O advogado Pedro de Carvalho, de 27 anos, mora em Brasília e conta que foi diagnosticado com dengue no início de março. Segundo ele, a mãe e as duas irmãs também tiveram a doença. “Fiquei de cama, sem conseguir sair de casa, sem conseguir ficar em pé direito. Me senti muito fraco mesmo. Também fiquei vomitando, com bastante dor no corpo, dor nas juntas e na cabeça”, relata.

Pedro afirma, ainda, que, há muito tempo não havia registros de dengue no bairro onde mora, e que não foram encontrados criadouros dentro de casa. Porém, em um clube abandonado, localizado na região, foram encontrados muitos focos do mosquito. “Na minha rua, quase todo mundo pegou dengue. Na quadra de baixo, teve até gente que faleceu”, disse.

Ainda de acordo com o boletim, até o momento, das 280 pessoas que desenvolveram agravamento da dengue no país, 112 morreram.  Os maiores números de casos ocorreram em São Paulo, Goiás, Bahia, Santa Catarina e Minas Gerais. Além disso, mais de 170 mortes ainda são investigadas e podem estar associadas à doença.  

Chikungunya e zika

O balanço divulgado pelo Ministério da Saúde revela, ainda, que a  chikungunya foi responsável pelo registro de 35.182 casos prováveis no Brasil, ou seja, uma taxa de incidência de 16,5 casos por 100 mil habitantes. Em relação à doença, houve um aumento de 26,3% de casos em comparação com o ano anterior.

Já sobre registros de zika, o levantamento aponta que ocorreram 1.480 casos prováveis, com uma taxa de incidência de 0,7 caso por 100 mil habitantes. Em relação ao ano passado, os dados correspondem a um aumento de 31,8% no número de casos no Brasil.
 

Continue Lendo



Receba nossos conteúdos em primeira mão.

LOC.: Os casos de dengue aumentaram 95,2% no Brasil, entre 2 de janeiro e 9 de abril de 2022, em comparação com o mesmo período do ano passado.  Mais de 393 mil casos prováveis da doença foram registrados. A taxa de incidência chegou a 184,7 casos por 100 mil habitantes. Os dados são do Ministério da Saúde e constam no último boletim epidemiológico divulgado pela Pasta.  

Segundo o médico sanitarista Cláudio Maierovitch, a melhor forma de prevenir a dengue é impedir a proliferação do mosquito transmissor, eliminando os criadouros. 
 

TEC./SONORA: Cláudio Maierovitch, médico sanitarista

“É importante que, antes de começarem os casos mais numerosos, as pessoas já ajam para tentar eliminar condições favoráveis à transmissão. Entre elas podemos citar a presença de recipientes com água parada, que às vezes ficam nos quintais das casas, ferro velho, depósito de lixo, e muitas vezes em caixas d'água destampadas.” 
 

LOC.: O maior número de casos foi registrado no Centro-Oeste do país, onde a taxa foi superior a 700 casos da doença por 100 mil habitantes. Morador de Brasília, uma das capitais mais afetadas, o advogado Pedro de Carvalho, de 27 anos, conta que foi diagnosticado com dengue no início de março. Segundo ele, a mãe e as duas irmãs também tiveram a doença.
 

TEC./SONORA: Pedro de Carvalho, advogado

“Fiquei de cama, sem conseguir sair de casa, sem conseguir ficar em pé direito. Me senti muito fraco mesmo. Também fiquei vomitando, com bastante dor no corpo, dor nas juntas e na cabeça.”
 

LOC.: Ainda de acordo com o boletim, até o momento, das 280 pessoas que desenvolveram agravamento da dengue no país, 112 morreram.  Os maiores números de casos ocorreram em São Paulo, Goiás, Bahia, Santa Catarina e Minas Gerais. 

Reportagem, Marquezan Araújo