Foto: Sidney de Almeida / Adobe Stock
Foto: Sidney de Almeida / Adobe Stock

Brasileiro já pagou mais de R$ 1 trilhão em impostos apenas em 2022

Reforma tributária pode trazer mais justiça na arrecadação e ajudar país a crescer, acredita economista


No dia 03 de maio, às 1h37, o impostômetro da Associação Comercial de São Paulo contabilizou R$ 1 trilhão pagos em impostos só em 2022. Além de o brasileiro pagar muito, o sistema tributário do país traz confusões de finalidades, abre muitas exceções e têm desvios nas finalidades dos impostos. É nisso que acredita o economista William Baghdassarian, professor do Ibmec. 

“A gente tem um problema de governança tributária gravíssimo. A autoridade tributária não está preocupada se o que ela faz ou deixa de fazer ajuda o país a crescer ou não. Ela está preocupada de arrecadar”, opina o economista. O Brasil foi considerado pelo Banco Mundial um dos piores países para se pagar impostos. Ocupa a posição 184 entre 190 países avaliados. 

Baghdassarian considera que o Brasil é eficaz em recolher impostos, mas o desenho tributário não visa ao bem estar da população e traz muitas dificuldades para o crescimento econômico efetivo. Para ele, é fundamental que a Reforma Tributária avance no Brasil para se criar mais justiça e um ambiente favorável ao crescimento sustentável com geração de riqueza e crescimento do consumo, dentro de um ambiente juridicamente mais justo. 

“O grande ponto da reforma tributária é ter uma estrutura tributária mais direcionada para as pessoas que precisam: com menos imposto sobre consumo e mais imposto sobre renda. A gente vai ter uma segurança jurídica maior tanto para as pessoas físicas como para as pessoas jurídicas para que elas não sejam prejudicadas pelas interpretações da Receita Federal”, acredita Baghdassarian. 

Projeto propõe mudar penalidades para impostos atrasados

Nova redução do IPI é bem recebida por economistas e representantes da indústria

Um estudo da UFMG mostrou que a reforma tributária proposta pela PEC 110/2019 tem o potencial de trazer um crescimento adicional do PIB de 12% em 15 anos. Em valores de hoje, isso representa R$ 1 trilhão a mais no PIB, o que daria um ganho adicional médio de R$ 400 por mês para cada brasileiro. Além disso, com a aprovação da reforma, cria-se condições para um crescimento de 7,5% nos empregos. 

Por isso, o deputado federal Vitor Lippi (PSDB-SP) acredita que a aprovação da PEC 110 é o caminho para a retomada econômica. “Nós precisamos usar aqui o Imposto sobre Valor Agregado (IVA), que é um sistema utilizado hoje em mais de 80% dos países do mundo. A Índia, há pouco tempo, implantou o IVA e já está havendo níveis de crescimento desse novo sistema tributário. Então, o Brasil precisa da reforma tributária para sair dessa dificuldade, até porque o país tem sido um dos que menos cresce no mundo nos últimos anos”, defende Lippi. 

Para ele, a aprovação da PEC 110 traz previsibilidade e diminui a possibilidade de judicialização das questões tributárias. “São trilhões de reais que estão sendo discutidos na justiça e, portanto, o Brasil precisa ter essa agenda”, complementa Lippi. 

A PEC 110/2019 está na Comissão de Constituição e Justiça do Senado Federal. O relator é o senador Roberto Rocha (PTB-MA).
 

Continue Lendo



Receba nossos conteúdos em primeira mão.

LOC: No dia 03 de maio, às 1h37, o impostômetro da Associação Comercial de São Paulo contabilizou R$ 1 trilhão pagos em impostos só em 2022. Além de o brasileiro pagar muito, o sistema tributário do país traz confusões de finalidades, abre muitas exceções e têm desvios nas finalidades dos impostos. É nisso que acredita o economista William Baghdassarian, professor do Ibmec. 

TEC./SONORA:  William Baghdassarian, economista e professor  

“Por conta de um sistema tributário que foi criado para ser complexo, de uma administração tributária que não está preocupada com o bem-estar da população, que não está preocupado com a produtividade, ela se preocupa basicamente em arrecadar, né? A gente tem um problema de governança tributária na minha opinião gravíssimo. A  autoridade tributária não está preocupada se o que ela faz ou deixa de fazer ajudar o país a crescer ou não. Ela está preocupada de arrecadar”
 

LOC: Um estudo da UFMG mostrou que a reforma tributária proposta na PEC 110 tem um potencial de trazer um crescimento adicional do PIB de 12% em 15 anos. Em valores de hoje, isso representa R$ 1 trilhão a mais no PIB, o que dá um ganho adicional médio de R$ 400 por mês para cada brasileiro. Além disso, com a aprovação da reforma, cria-se condições para um crescimento de 7,5% nos empregos. 

Por isso, o deputado Vitor Lippi (PSDB-SP) acredita que a aprovação da PEC 110 é o caminho para a retomada econômica. 
 

TEC./SONORA: Vitor Lippi, deputado pelo PSDB de São Paulo
 
“Enquanto o mundo vem crescendo, o Brasil não consegue crescer. E isso segundo as as agências internacionais de investimento, o maior problema do ambiente de negócio do Brasil é o sistema tributário. Então nós temos que ter o IVA que é o sistema mundial, é um é um padrão de de sistema tributário que é utilizado aí em mais de oitenta por cento dos países do mundo. Se tá dando certo o aqui. Porque isso vai ser fundamental pra retomada dos empregos no Brasil.”
 

LOC:  A PEC 110/2019 está na Comissão de Constituição e Justiça do Senado Federal. O relator é o senador Roberto Rocha (PTB/MA). 
 
Reportagem, Angélica Cordova