Foto: Marcello Casal Jr./Agência Brasil
Foto: Marcello Casal Jr./Agência Brasil

Brasil registra mais de 128 mil casos de síndrome respiratória aguda grave nos primeiros meses de 2023

Região Sudeste sai na frente com 60.788 notificações


Até o mês de junho, o Brasil registrou 128.901 casos de síndrome respiratória aguda grave (SRAG). A região Sudeste (São Paulo, Minas Gerais, Rio de Janeiro e Espírito Santo) aparece em primeiro lugar com 60.788 notificações, seguida da região Sul (Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul) com 25.253. As crianças menores de 1 ano de idade apresentaram o maior número de internações. Os dados são do mais recente boletim epidemiológico do Ministério da Saúde. Os números mostram que a síndrome merece atenção e cuidados. O médico infectologista Hemerson Luz explica que várias doenças podem causar a síndrome respiratória aguda grave — por isso, o tratamento deve ser feito com suporte clínico.  

“É necessário ofertar oxigênio para os pacientes para melhorar os padrões respiratórios, fazer uso de medicamentos para diminuir o processo inflamatório pulmonar e, se a causa for bacteriana, fazer uso do antibiótico. Também existem drogas que podem tratar alguns tipos de vírus. Por isso é importante fazer o acompanhamento médico e fazer o devido diagnóstico”, ressalta.

Os estados e municípios que apresentarem um número alto de notificações e internações hospitalares por SRAG, seja em leitos de UTI ou de enfermaria — e decretarem situação de emergência — podem receber incentivo financeiro de custeio voltado à abertura de leitos de Unidades de Terapia Intensiva (UTI) pediátricas. A medida, de caráter excepcional e temporária, foi anunciada na Portaria 756/2023 do Ministério da Saúde.
 
Para receber o incentivo é necessário enviar um ofício detalhando a condição dos serviços de saúde da região, capacidade instalada e o número de leitos a serem ampliados ou convertidos. Também será indispensável a apresentação de um Plano de Ação de Enfrentamento à SRAG Pediátrica, com período de até 90 dias, para que haja planejamento em número de leitos, em diárias, equipamentos, insumos e procedimentos.

Segundo o médico infectologista, o número de notificações e internações hospitalares por SRAG ainda é muito alto. Para o especialista, é importante que todas as regiões consigam oferecer atendimento e tratamento adequado, principalmente para as crianças.

“Até aproximadamente 12 anos de idade, as crianças apresentam o sistema imunológico imaturo, ainda em formação, por isso tendem a apresentar quadros mais graves ou mesmo apresentar infecções respiratórias recorrentes”, revela.  Ele acrescenta que o número de internações hospitalares acaba aumentando porque as baixas temperaturas favorecem as infecções respiratórias nesse período do ano.

Os estados que fazem parte da região da Amazônia Legal terão o equivalente a R$ 2,6 mil por dia, valores de referência de cálculo de incentivo para leitos de UTI pediátrica. Os demais estados terão direito a R$ 2 mil. Para leitos de suporte ventilatório pulmonar pediátrico, os valores-base serão de R$ 650 para estados da Amazônia Legal e de R$ 500 ao restante.

Síndrome Respiratória Aguda Grave

A síndrome respiratória aguda grave é caracterizada por sintomas como febre de início súbito, dor de cabeça, tosse, coriza, dificuldade de respirar, sensação de peso no peito e uma queda na oxigenação no sangue, segundo o médico infectologista Hemerson Luz. Ele alerta que o quadro pode ser ainda mais grave nas crianças que podem apresentar também falta de ar, menor apetite, irritabilidade ou uma queda no estado geral. O especialista diz que algumas medidas podem evitar o aumento no número de casos. “A melhor forma de prevenir a síndrome respiratória aguda grave é manter o sistema vacinal completo, principalmente contra a influenza e contra a covid-19. Além disso, sempre que ocorrerem sintomas gripais como nariz escorrendo, dor de garganta, tosse, febre, dor de cabeça, deve-se procurar atendimento médico imediatamente”, alerta.

Saiba Mais:

Mais de 2 mil casos de Síndrome Respiratória Aguda Grave foram registrados em Pernambuco em 2023

Crianças seguem no grupo mais afetado pela Síndrome Respiratória Aguda Grave

Receba nossos conteúdos em primeira mão.

LOC.: Até o mês de junho deste ano, o Brasil registrou 128.901 casos de síndrome respiratória aguda grave (SRAG). A região Sudeste aparece em primeiro lugar com 60.788 notificações seguida da região Sul com 25.253. As crianças menores de 1 ano de idade apresentaram o maior número de internações. Os dados são do mais recente boletim epidemiológico do Ministério da Saúde. Os números mostram que a síndrome merece atenção e cuidados.

O médico infectologista Hemerson Luz explica que várias doenças podem causar a síndrome respiratória aguda grave, por isso, o tratamento deve ser feito com suporte clínico.  

TEC./SONORA:  médico infectologista Hemerson Luz

“É necessário ofertar oxigênio para os pacientes para melhorar os padrões respiratórios, fazer uso de medicamentos para diminuir o processo inflamatório pulmonar e, se a causa for bacteriana, fazer uso do antibiótico. Também existem drogas que podem tratar algus tipos de vírus por isso é importante fazer o acompanhamento médico e fazer o devido diagnóstico”


LOC.: Segundo o médico infectologista, o número de notificações e internações hospitalares por SRAG ainda é muito alto. Para o especialista, é importante que todas as regiões consigam oferecer atedimento e tratamento adequado, principalmente para as crianças. 

TEC./SONORA: médico infectologista Hemerson Luz

“Até aproximadamente 12 anos de idade, as crianças apresentam o sistema imunológico imaturo, ainda em formação, por isso tendem a apresentar quadros mais graves ou mesmo apresentar infecções respiratórias recorrentes.”
 


LOC.: Uma portaria do Ministério da Saúde estabelece incentivo financeiro para auxiliar estados e municípios que declararem emergência em saúde, por Síndrome Respiratória Aguda Grave. O valor destinado, de caráter excepcional e temporário, é voltado à abertura de leitos de Unidades de Terapia Intensiva pediátricas. Estados, municípios e o Distrito Federal precisam enviar um ofício detalhando a condição dos serviços de saúde da região, capacidade instalada e o número de leitos a serem ampliados ou convertidos  —  para fazer uso do recurso. 

Reportagem, Lívia Azevedo