Primeiro trimestre do ano: aumenta o abate de bovinos no país Foto: Arquivo/Agência Brasil
Primeiro trimestre do ano: aumenta o abate de bovinos no país Foto: Arquivo/Agência Brasil

Abate de bovinos registrou um aumento no 1º trimestre de 2024; aponta IBGE

Dados mostram que foram abatidas 9,24 milhões de cabeças de bovinos


No primeiro trimestre de 2024, o abate de bovinos registrou um aumento de 24,1%, revela pesquisa do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), com base nos resultados preliminares das Estatísticas da Produção Pecuária. Em comparação com o último trimestre de 2023, o abate de bovinos cresceu 0,9%.

Os dados revelam que no primeiro trimestre deste ano foram abatidas 9,24 milhões de cabeças de bovinos.

O coordenador de pecuária da consultoria Safras & Mercado, Fernando Iglesias, avalia o cenário. “É natural o crescimento do abate, nós estamos em um ano que o descarte de fêmea segue muito presente dentro do mercado, então desta maneira, nós vamos ver a evolução do abate de bovinos a nível de Brasil.”

Além disso, a pesquisa mostra que houve uma queda de 1,3% e 1,8% nos abates de frangos e suínos, respectivamente. O abate de frangos alcançou 1,59 bilhão de cabeças, enquanto o de suínos atingiu 13,92 milhões.

Em relação ao 4º trimestre de 2023, o abate de frangos teve expansão de 4,0% e o de suínos caiu 1,6%.

Iglesias explica que a redução dos abate de frangos e suínos também é natural, pois foi visto um menor alojamento desses animais em novembro, com isso, o número de abate também diminui.

Charles Dayler, engenheiro agrônomo, destaca que novos mercados foram abertos, ou seja, o Brasil tem novos clientes para comprar carne bovina, suína, entre outros. 

“Na China, melhorou a aceitação. Alguns locais que não estavam podendo exportar voltaram a poder. Além disso, novos frigoríficos foram cadastrados e estão aptos a exportar. Então a gente aumentou o número de agentes brasileiros que têm autorização para exportar para China, que é o principal mercado”, explica.

Impactos na economia

O engenheiro pontua que o impacto para a economia brasileira é positivo, pois vai melhorar a oferta, logo, o mercado interno é beneficiado, com uma tendência de manutenção ou uma leve redução no preço da carne.

“Além disso, se você aumenta a exportação, melhora a balança comercial brasileira. Então você vai ter mais recurso estrangeiro vindo para o Brasil e isso vai levar a uma melhora do PIB agropecuário brasileiro”, completa.

Leia mais:

Com 31 novos mercados abertos para o agronegócio, Brasil amplia presença dos produtos no mercado mundial

Produtores rurais: nova linha de crédito do BNDES pode chegar a R$ 10 bilhões em 2024

Receba nossos conteúdos em primeira mão.

LOC.: No primeiro trimestre de 2024, o abate de bovinos registrou um aumento de 24,1%, revela pesquisa do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, IBGE, com base nos resultados preliminares das Estatísticas da Produção Pecuária. Em comparação com o último trimestre de 2023, o abate de bovinos cresceu 0,9%.

Os dados revelam que no primeiro trimestre deste ano foram abatidas 9,24 milhões de cabeças de bovinos.

O coordenador de pecuária da consultoria Safras & Mercado, Fernando Iglesias, avalia o cenário.

TEC./SONORA: Coordenador de pecuária da consultoria Safras & Mercado, Fernando Iglesias

“É natural o crescimento do abate, nós estamos em um ano que o descarte de fêmea segue muito presente dentro do mercado, então desta maneira, nós vamos ver a evolução do abate de bovinos a nível de Brasil.”
 


LOC.: Além disso, a pesquisa mostra que houve uma queda de 1,3% e 1,8% nos abates de frangos e suínos, respectivamente. Iglesias explica que a redução dos abate de frangos e suínos também é natural, pois foi visto um menor alojamento desses animais em novembro, com isso, o número de abate também diminui.

O engenheiro agrônomo Charles Dayler destaca que novos mercados foram abertos, ou seja, o Brasil tem novos clientes para comprar carne bovina, suína, entre outros. 

TEC./SONORA: Charles Dayler, engenheiro agrônomo

“Na China, melhorou a aceitação. Alguns locais que não estavam podendo exportar voltaram a poder. Além disso, novos frigoríficos foram cadastrados e estão aptos a exportar. Então a gente aumentou o número de agentes brasileiros que têm autorização para exportar para China, que é o principal mercado.”
 


LOC.: O engenheiro pontua que o impacto para a economia brasileira é positivo, pois vai melhorar a oferta, logo, o mercado interno é beneficiado, com uma tendência de manutenção ou uma leve redução no preço da carne. Além disso, ele ressalta que com o aumento da exportação, o PIB agropecuário aumenta.

Reportagem, Nathália Guimarães, narração, Marquezan Araújo