Foto: Marcello Casal Jr/Agência Brasil
Foto: Marcello Casal Jr/Agência Brasil

A visão do investidor às vezes é enganada

Prevenir nunca é demais para investir. E vale sempre buscar ajuda de profissionais habilitados

SalvarSalvar imagem

Bolsa subindo, dólar caindo, será esse o nosso melhor momento do mercado neste ano? Ou ainda poderemos ter algo para melhorar com o que está travado no Congresso Nacional?

Para tirarmos proveito desse momento, podemos analisar o que de melhor pode chegar em nossa economia em que muitos economistas, empresários, analistas, população e críticos, já admitem uma redução nos juros no segundo semestre deste ano. E já contam com a aprovação do Congresso sobre o arcabouço fiscal. E quem sabe, como fato positivo, comecem a analisar as reformas tributárias ainda para este ano, como tantos setores produtivos aguardam, com muito interesse.

Somando a tudo isso, já podemos vislumbrar por um segundo semestre mais aguerrido e positivo. É o que esperamos.

Mas...

Para que tudo saia conforme o script, precisamos receber notícias positivas do mercado externo, onde se encontra  uma grande volatilidade imposta por diversos problemas conhecidos. Como uma guerra, atritos entre grandes potências, provável recessão no continente europeu, juros subindo pelo mundo e indefinições da política econômica dos EUA.

Contra toda empolgação de alguns profissionais de mercado, economistas e governo, fiquem atentos, pois ainda teremos volatilidades domésticas em virtude desses aguardos de aprovações por parte do Congresso, que poderão favorecer ou não o mercado e população. Ou ainda pode ocorrer um provável aumento nos impostos ou novas intervenções em empresas públicas. Assim,  entraria "água no chope" nos prognósticos de todas as análises feitas.

Percebam que os deuses estão sempre ajudando o mundo. E já percebemos uma desaceleração em diversos países, causando derrubadas em diversas importantes commodities (petróleo), deixando o dólar mais fraco e, consequentemente, aliviando a inflação de muitos países _ inclusive o Brasil.

Aos aplicadores cidadãos contidos o momento continua sendo “diversificar”, colocando seus recursos onde tenham segurança e rentabilidades que cubram pelo menos a inflação, algo que a “renda fixa” ainda pode promover. 

E, aos mais aguerridos, as bolsas sempre apresentam grandes oportunidades e pechinchas com ações que poderão promover bons ganhos. Convém aos investidores, contudo, procurar sempre  investir em  empresas com bons fundamentos e setores que estão, no momento, em evidências, como o agronegócio, por exemplo.

Aos duvidosos e inexperientes em saber como investir nesse momento o melhor é procurar profissionais tarimbados de mercado para que possam orientá-los. Além de deixar sempre seus recursos em instituições sólidas.

Fica a dica!

Receba nossos conteúdos em primeira mão.