Cadastro de mídia

TERMO DE USO E PARCERIA

TERMO DE USO E PARCERIA

1º - A utilização gratuita e livre dos materiais produzidos pelo Brasil 61 só será permitida depois que este termo de parceria for aceito pelo usuário, prevendo as seguintes regras:

a) A utilização do material - na íntegra, ou em partes - só será permitida desde que as informações não sejam distorcidas, manipuladas ou alteradas.

b) Não é necessário a identificação do Brasil 61 na hora da replicação do conteúdo. Mas toda e qualquer veiculação de áudios produzidos pelo Brasil 61 prevê o cadastro no site, com a disponibilização de dados que serão utilizados para a organização do mailing desta empresa,

2º - OBRIGAÇÕES DO BRASIL 61

a) O Brasil 61 se compromete, a partir deste termo de uso, a produzir conteúdo particularizado diariamente, trazendo informações de dia-a-dia e bastidores do Planalto Central, além de outras temáticas de relevância do noticiário nacional. 

b) O acesso ao conteúdo jornalístico (na versão de leitura) é livre e gratuito, podendo ser replicado por qualquer usuário que acesse o site. O download do áudio para que seja utilizado na programação das rádios requer que o usuário realize o login no site do Brasil 61 - informando e-mail e senha cadastrados. 

3º - OBRIGAÇÕES DOS COMUNICADORES PARCEIROS

Não alterar o sentido dos materiais, ou distorcer fala de entrevistados ou mudar a conotação das mensagens dos materiais. 

ADENDOS IMPORTANTES SOBRE A PARCERIA

a) O Brasil 61 poderá distribuir conteúdo patrocinado com ou sem assinatura dos clientes patrocinadores do boletim e sem aviso prévio ao comunicador. 

b) As rádios parceiras não vão ter participação financeira sobre o faturamento do Brasil 61.

c) Os comunicadores podem patrocinar os conteúdos do Brasil 61, desde que não alterem o sentido e a conotação dos conteúdos oferecidos. Nesses casos, o Brasil 61 não terá participação nos lucros conquistados pelos veículos parceiros. 

Ao clicar em ACEITO, a emissora aqui cadastrada afirma concordar e estar ciente de todas as condições apresentadas neste Termo de Utilização de Conteúdo.

Política de privacidade

Nós do Brasil 61 coletamos e usamos alguns dados dos nossos leitores com o intuito de melhorar e adaptar nossas plataformas e nossos produtos. Para isso, agimos conforme a Lei Geral de Proteção de Dados (Lei 13.709/2018) e nos esforçamos para sermos transparentes em todas nossas atividades.

Para podermos oferecer melhores serviços e veicular peças publicitárias de nossos anunciantes, precisamos conhecer certas informações dos nossos usuários.

COMO O BRASIL 61 COLETA SEUS DADOS

– Quando você se cadastra e cria um usuário no Brasil 61

Quando você entra no nosso site, fornece informações (dados) para a criação do usuário. Estes dados são usados para orientar a estratégia do Brasil 61 e o desenvolvimento de novos serviços e/ou produtos. Essas informações são fornecidas voluntariamente por você leitor e não são compartilhadas com nenhum terceiro.

– Quando você acessa o site do Brasil 61 (www.brasil61.com.br) ou abre uma de nossas newsletters enviadas por e-mail

O Brasil 61 usa tecnologias como cookies e pixel tags para entender como é a sua interação com as nossas plataformas. Esses dados permitem saber, por exemplo, de que dispositivo você acessa o site ou em que links você clicou e quanto tempo permaneceu lendo as notícias. 

COMO O BRASIL 61 USA OS SEUS DADOS

Nós, do Brasil 61, usamos seus dados sempre com a principal intenção de melhorar, desenvolver e viabilizar nossos próprios produtos e serviços a você leitor.

Seus dados são sempre analisados de forma não individualizada, mesmo os que são fornecidos vinculados seu nome ou ao seu endereço de e-mail. 

Os dados em conjunto são analisados para criar relatórios estatísticos de audiência sobre as páginas, textos e meios de acesso ao site e às newsletters. 

Esses relatórios são compartilhados com nossos anunciantes e patrocinadores e servem para modelar estratégias e campanhas institucionais.

As informações que você fornece durante a criação do cadastro do seu usuário no Brasil 61 são utilizadas para a formulação de estratégia comercial e desenvolvimento de novos produtos e/ou serviços.

Essas informações individualizadas podem ser usadas pelo Brasil 61 para o envio de campanhas comerciais e divulgação de serviços e/ou produtos próprios. Não são compartilhadas com nenhum terceiro.

As informações captadas por meio de cookies e pixel tags são usadas em relatórios internos de monitoramento da audiência e também em relatórios para os anunciantes verificarem a efetividade de suas campanhas. Essas informações não estão vinculadas a nome ou e-mail dos leitores e são sempre avaliadas de forma não individualizada.

O Brasil 61 compartilha informações captadas por meio de cookies e pixel tags com terceiros, como anunciantes, plataformas de redes sociais e provedores de serviço – por exemplo, o serviço de envio de e-mails. O Brasil 61 também em seu site cookies de terceiros que captam informações diretamente do usuário, de acordo com suas próprias políticas de privacidade e uso de dados. 

O QUE O BRASIL 61 NÃO FAZ COM SEUS DADOS

– Não monitoramos ou coletamos dados de páginas que não pertencem ao Brasil 61.
– Não compartilhamos ou vendemos para terceiros nenhuma informação identificável.

O QUE VOCÊ PODE FAZER SE NÃO QUISER MAIS QUE SEUS DADOS SEJAM USADOS PELO BRASIL 61

– Caso não queira que o Brasil 61 use nenhum tipo de cookies, altere as configurações do seu navegador. Nesse caso, a exibição de anúncios e mensagens importantes do Brasil 61 e de nossos anunciantes pode ser prejudicada.

– Caso queira deixar de receber algum newsletter ou e-mail de alertas de notícias, basta clicar em “Unsubscribe”, na parte de baixo do e-mail enviado pelo Brasil 61. 

– Caso queira excluir seu usuário e apagar seus dados individuais da base do Brasil 61, basta enviar um e-mail para: privacidade@brasil61.com

 Última atualização: 24 de dezembro de 2020 

Foto: José Cruz/ Agência Brasil

Política governamental pode ampliar a produção nacional de minerais estratégicos

A política Pró-Minerais Estratégicos foi recomendada pelo CPPI ao presidente da República e pode priorizar a implantação de projetos de produção de substâncias estratégicos para o desenvolvimento do País


Na tentativa de priorizar esforços governamentais para a implantação de projetos de produção de minerais estratégicos para o desenvolvimento do Brasil, o Conselho de Programas de Parcerias e Investimentos (CPPI) recomendou ao presidente Jair Bolsonaro a criação da Política de Apoio ao Licenciamento Ambiental de Projetos de Investimentos para a Produção de Minerais Estratégicos (Pró-Minerais Estratégicos). A sugestão foi feita por meio da Resolução 126/2020, ainda em junho, mas depende da chancela do presidente da República. 

“O PPI atua em diversas frentes na atração de investimentos privados em infraestrutura no Brasil e em programas de privatização de empresas, de desestatização. Ele tem em suas competências legais atribuições relativas à melhora do ambiente regulatório no País e apoio ao licenciamento ambiental de empreendimentos considerados estratégicos e relevantes”, adianta a secretária especial do PPI do Ministério da Economia, Martha Seillier. 
  
A política de apoio sugerida pelo CPPI prevê mudanças no licenciamento ambiental de projetos de mineração que envolvam a extração de substâncias estratégicas. De acordo com o Plano Nacional de Mineração 2030, elaborado pelo Ministério de Minas e Energia (MME), mineral estratégico está relacionado ao conceito de mineral escasso, essencial ou crítico.    

Segundo a publicação, o caso do Brasil se encaixa em três situações: minerais de que o País depende e que importa em larga escala, como potássio e o carvão metalúrgico; minerais cuja demanda é crescente e que deverá expandir ainda mais nas próximas décadas devido à aplicação em produtos de alta tecnologia, como terras-raras, lítio, silício, tântalo, cobalto e grafita, entre outros; e minerais em que o Brasil apresenta vantagens comparativas naturais e liderança internacional em reservas e produção, como minérios de ferro e de nióbio. 

“No âmbito de políticas para minerais estratégicos, o PPI poderá contribuir com a articulação necessária com os órgãos licenciadores, a exemplo dos órgãos estaduais de meio ambiente, com Ibama, Funai, Incra e gestores de unidades de conservação, além de agências reguladoras e outros órgãos estaduais e municipais, para garantir o avanço dos projetos tidos como importantes, observadas todas as normas de conservação do meio ambiente”, assegura Seillier.  

A Resolução 126/2020 lista as características dos bens minerais que podem habilitar um projeto de investimento em mineração para receber tratamento prioritário no âmbito do governo. Entre eles, estão os bens minerais de cuja importação o Brasil dependa largamente para suprir setores-chave da economia, como o de agropecuária, e os bens minerais considerados importantes pela aplicação em produtos e processos de alta tecnologia, fundamentais para a indústria eletroeletrônica, por exemplo. 

Em nota enviada à reportagem, a Secretaria de Geologia e Mineração (SGM) do MME afirma que caberá ao Comitê Interministerial de Análise de Projetos de Minerais Estratégicos (CTAPME), sob coordenação do ministério, a competência para definir, para fins de apoio ao licenciamento ambiental, os projetos considerados relevantes para a ampliação da produção nacional de minerais estratégicos.

O Comitê, segundo a SGM, analisará projetos encaminhados pelo Ministérios de Minas e Energia, definindo a sua adequação para se enquadrar na Política. “A partir de sua inserção nesta política, eles terão o seu rito normal de licenciamento junto aos órgãos ambientais acompanhado, para melhoria do ambiente de comunicação”, continua a nota. 

Os projetos que forem selecionados passarão a contar com o apoio do comitê, em razão do seu caráter estratégico para o País. O apoio, ainda de acordo com a Secretaria, se dará na soma de esforços e interlocução do governo federal junto aos órgãos licenciadores. O MME garante que não haverá qualquer flexibilização de exigências, “pelo contrário, os estudos deverão cumprir fielmente as exigências da legislação.” 

Ambiente favorável 

Para o presidente do Instituto Brasileiro de Mineração (Ibram), Flávio Penido, a medida poderia contribuir com uma melhoria regulatória no setor de mineração. “O Ibram já vem sinalizando há um tempo para o governo que o melhor caminho para a compatibilização de legislações minerárias e ambiental é a criação de um sistema de licenciamento ambiental específico para atividade mineral”, revela Penido. “E isso deve ser regulado, no nosso entendimento, no plano federal”, completa.

Ele acrescenta que esse modelo já existe em outros setores, como o de petróleo e de energia elétrica, já que são regidos pelo sistema de concessão pública. Para Flávio Penido, faz todo sentido que o setor de mineração, também regido pelo mesmo sistema, esteja nesse modelo. 

“Isso seria uma solução que poderia apaziguar inúmeros conflitos verificados na indústria mineral, porque a tramitação de processos de mineração, de licenciamento ambiental, é um dos principais gargalos para a implantação de projetos”, destaca.  

Na opinião do presidente Flávio Penido, a Pró-Minerais Estratégicos contribuiria tanto para o ambiente de negócios mais favoráveis como para um desenvolvimento mais sustentável. “Não se trata de procurar facilidades para se fazer o licenciamento ou torná-lo menos rigoroso. Deve haver rigor no licenciamento ambiental. Mas é importante que existam regras bem definidas e que prevaleça para todo o Brasil”, pontua. 

De acordo com dados levantados pelo Ibram, o Brasil importa hoje US$ 3,5 bilhões em potássio e US$ 195 milhões em enxofre, minérios importantes para o setor de agronegócios. Outros minerais, como lítio, cobalto e grafita, também são importados – e considerados estratégicos para o desenvolvimento brasileiro. “A partir do momento que você prioriza a exploração e a pesquisa desses minerais aqui no Brasil, e facilita a desburocratização para fazer um licenciamento ambiental, você tem condições de substituir importações. 

“A política Pró-Minerais Estratégicos vai permitir que se preste o suporte necessário para que os projetos de licenciamento ambiental avancem, considerando bases sustentáveis, conciliando desenvolvimento econômico com responsabilidade ambiental e social. A política visa ampliar a produção nacional de minerais estratégicos, considerando aqueles dos quais o Brasil apresenta forte dependência de importação”, ressalta Martha Seillier, secretária especial do PPI do Ministério da Economia. 

Segundo a secretária, essa estratégica vai contribuir para redução do déficit de minerais importados, “com vistas a alcançar a autossuficiência, visto que, no Brasil, temos um potencial gigantesco para o desenvolvimento do agronegócio. Somos grandes produtores e exportadores de alimentos e ainda dependemos muito da importação de minerais para produção de fertilizantes.” 

O presidente da Associação Brasileira de Direito de Energia e Meio Ambiente (ABDEM) e da Comissão de Direito de Infraestrutura da OAB-MG, Alexandre Sion, explica por que o licenciamento ambiental é importante nesse processo. “Ele é um procedimento administrativo conduzido por órgão ambiental nas diferentes esferas do poder, que podem licenciar empreendimentos que impactem, ainda que potencialmente, o meio ambiente de forma negativa ou que utilizem recursos naturais. Então, não é qualquer empreendimento que precisa de licenciamento”, esclarece. 

“Cena de guerra”: após rompimento da barragem em Brumadinho (MG), sobreviventes pedem justiça e punições mais duras

Com nova lei, Programa de Parcerias de Investimentos (PPI) se volta ao saneamento básico, diz Onyx Lorenzoni

Ele continua a explicação levantando a questão da relevância do licenciamento, especialmente para grandes empreendimentos. “É um grande desafio, porque é no palco do licenciamento que temos diversos interesses que são discutidos, como o da sociedade civil, da municipalidade, do governo, de políticas públicas, do empreendedor que quer desenvolver o projeto. Então, discutimos no licenciamento diversas questões que não deveriam ser discutidas nesse âmbito, mas que são levantadas e trazem reflexo direto, como levar anos para que projetos sejam licenciados”, avalia. 

Para Sion, a mineração está inserida em um mercado de competição global e diversos aspectos estão em jogo para que um investidor decida por um lugar ou outro. “Certamente a questão ambiental é relevante”, aposta. Sobre isso, o especialista acredita ser necessário estabelecer critérios bem definidos. “Precisam ser razoáveis e tratar as questões com a diferenciação que elas precisam. Aquilo que é estratégico para o País, que trará resultados significativos deve ter tratamento diferenciado”, defende.  

Outra questão relevante, na opinião de Alexandre Sion, é que essa política pode aumentar a competitividade brasileira em nível global. “Ter com norte uma política governamental de incentivo a minerais estratégicos me parece algo bem-vindo”, finaliza. 

Continue Lendo





Receba nossos conteúdos em primeira mão.

LOC: O Conselho de Programas de Parcerias e Investimentos (CPPI) recomendou ao presidente Jair Bolsonaro a criação da Política de Apoio ao Licenciamento Ambiental de Projetos de Investimentos para a Produção de Minerais Estratégicos (Pró-Minerais Estratégicos). O objetivo, segundo o Conselho, é priorizar esforços governamentais para a implantação de projetos de produção de minerais estratégicos para o desenvolvimento do Brasil.  

A sugestão foi feita por meio da Resolução 126/2020, ainda em junho, mas depende da chancela do presidente da República. 

A secretária especial do PPI do Ministério da Economia, Martha Seillier, explica que entre as competências do CPPI estão as relativas à melhora do ambiente regulatório no País e apoio ao licenciamento ambiental de empreendimentos considerados estratégicos e relevantes.  

TEC./SONORA: Martha Seillier, secretária especial do PPI do Ministério da Economia 
“A política Pró-Minerais Estratégicos vai permitir que se preste o suporte necessário para que os projetos de licenciamento ambiental avancem, considerando bases sustentáveis, conciliando desenvolvimento econômico com responsabilidade ambiental e social. A política visa ampliar a produção nacional de minerais estratégicos, considerando aqueles dos quais o Brasil apresenta forte dependência de importação, com vistas a alcançar a autossuficiência.” 
 

LOC.: A política de apoio sugerida pelo CPPI prevê mudanças no licenciamento ambiental de projetos de mineração que envolvam a extração de substâncias estratégicas. Na lista de minerais estratégicos, estão potássio, carvão metalúrgico, terras-raras, lítio, silício, tântalo, cobalto, grafita, minérios de ferro e de nióbio. 

A Resolução 126/2020 lista as características dos bens minerais que podem habilitar um projeto de investimento em mineração para receber tratamento prioritário no âmbito do governo. Entre eles, estão os bens minerais de cuja importação o Brasil dependa largamente para suprir setores-chave da economia, como o de agropecuária, e os bens minerais considerados importantes pela aplicação em produtos e processos de alta tecnologia, fundamentais para a indústria eletroeletrônica, por exemplo. 

Na opinião do presidente do Instituto Brasileiro de Mineração (Ibram), Flávio Penido, a medida poderia contribuir com uma melhoria regulatória no setor de mineração. Ele afirma que há tempos o Ibram sinaliza para o governo que o melhor caminho para a compatibilização de legislações minerárias e ambiental é a criação de um sistema de licenciamento ambiental específico para atividade mineral. 
 

TEC./SONORA: Flávio Penido, presidente do Instituto Brasileiro de Mineração (Ibram)
“Isso seria uma solução que poderia apaziguar inúmeros conflitos verificados na indústria mineral, porque a tramitação de processos de mineração, de licenciamento ambiental, é um dos principais gargalos para a implantação de projetos.”
 

LOC.: De acordo com dados levantados pelo Ibram, o Brasil importa hoje US$ 3,5 bilhões em potássio e US$ 195 milhões em enxofre, considerados minérios importantes para o setor de agronegócios. Outros minerais, como lítio, cobalto e grafita, também são importados. Na opinião do presidente do Instituto, a política pode ampliar a produção nacional de minerais estratégicos.  

Reportagem, Jalila Arabi.