Concessões florestais: Mapa/Divulgação
Concessões florestais: Mapa/Divulgação

Ministério da Agricultura faz parceria com BNDES para concessão florestal em Santa Catarina e Paraná

Concessões florestais são prioritárias para o governo federal, que tem 17 contratos em vigência e busca alcançar 4,8 milhões de hectares até 2022 para geração de renda para as comunidades, preservação da floresta e produção de mudas e sementes


O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) firmou uma parceria com o Banco Nacional de Desenvolvimento Social (BNDES) para as primeiras  concessões florestais do Sul do País. Os contratos são referentes às gestões das Florestas Nacionais de Três Barras (SC), Chapecó (SC) e Irati (PR). 

O governo federal avalia a agenda de concessão florestal como prioritária. Atualmente, há 17 contratos em vigência nesta área. A meta do Ministério da Agricultura é alcançar 4,8 milhões de hectares até 2022. Segundo o governo, a concessão permite promover a produção sustentável, estimular o desenvolvimento econômico regional e melhorar a qualidade de vida das populações que vivem no entorno dessas áreas.

O BNDES vai atuar com foco na exploração de produtos florestais madeireiros e não madeireiros das florestas, como já faz em cinco áreas no Amazonas. O banco estima que as concessões permitem a elaboração de contratos florestais mais modernos e eficientes, alavancando as finanças verdes no país.

Continue Lendo



Receba nossos conteúdos em primeira mão.

O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento firmou uma parceria com o BNDES para as primeiras  concessões florestais do Sul do País. Os contratos são referentes às gestões das Florestas Nacionais de Três Barras e Chapecó, de Santa Catarina, e Irati, no Paraná. 

O governo federal avalia a agenda de concessão florestal como prioritária. Atualmente, há 17 contratos em vigência nesta área. Segundo o governo, a concessão permite promover a produção sustentável, estimular o desenvolvimento econômico regional e melhorar a qualidade de vida das populações que vivem no entorno dessas áreas.

O BNDES vai atuar com foco na exploração de produtos florestais madeireiros e não madeireiros das florestas, como já faz em cinco áreas no Amazonas. O banco estima que as concessões permitem a elaboração de contratos florestais mais modernos e eficientes, alavancando as finanças verdes no país.