Foto: FIERGS-RS
Foto: FIERGS-RS

Dívida pública supera R$ 5 trilhões e emissão de títulos segue superior a R$ 150 bi

O valor é referente ao mês de março, quando títulos corrigidos pela Selic seguraram o ritmo de crescimento da dívida em 0,85%.


A dívida pública do país ultrapassou o valor de R$ 5,2 trilhões e se aproxima do teto previsto pelo Plano Anual de Financiamento, divulgado em janeiro, que prevê limite da dívida entre R$ 5,6 e R$ 5,9 trilhões no ano. O valor é referente ao mês de março, quando títulos corrigidos pela Selic seguraram o ritmo de crescimento da dívida em 0,85%. 

Especialistas estimam queda de preços com Nova Lei do Gás

A dívida pública mobiliária interna, sobre forma de títulos, subiu 0,74% entre fevereiro e março, chegando perto de R$ 5 trilhões (4,9), no mês passado. 
O Tesouro Nacional emitiu R$ 1,1 bilhão em títulos da dívida, mas as apropriações de juros somaram cerca de R$ 35 bilhões. 

No geral, o Tesouro emitiu mais de R$ 164 bilhões em títulos. Foi a sétima vez consecutiva que a emissão de títulos ultrapassa o valor de R$ 150 bilhões. Os resgastes somaram R$ 163 bilhões, no período. 

O Tesouro usa a emissão de títulos públicos para fazer caixa de pagamento da dívida pública. A reserva foi parcialmente consumida pelas ações de combate a Covid-19, mas, mesmo assim, a arrecadação é superior a R$ 1,1 trilhão. Nesse mês, vencem cerca de R$ 445 bilhões em títulos federais, o que deve impactar no saldo da reserva, no próximo mês.  

Continue Lendo



Receba nossos conteúdos em primeira mão.

LOC: A dívida pública do país ultrapassou o valor de R$ 5,2 trilhões e se aproxima do teto previsto pelo Plano Anual de Financiamento, divulgado em janeiro, que prevê limite da dívida entre R$ 5,6 e R$ 5,9 trilhões no ano. O valor é referente ao mês de março, quando títulos corrigidos pela Selic seguraram o ritmo de crescimento da dívida em 0,85%. 

A dívida pública mobiliária interna, sobre forma de títulos, subiu 0,74% entre fevereiro e março, chegando perto de R$ 5 trilhões (4,9), no mês passado. 
O Tesouro Nacional emitiu R$ 1,1 bilhão em títulos da dívida, mas as apropriações de juros somaram cerca de R$ 35 bilhões. 

No geral, o Tesouro emitiu mais de R$ 164 bilhões em títulos. Foi a sétima vez consecutiva que a emissão de títulos ultrapassa o valor de R$ 150 bilhões. Os resgastes somaram R$ 163 bilhões, no período. 

O Tesouro usa a emissão de títulos públicos para fazer caixa de pagamento da dívida pública. A reserva foi parcialmente consumida pelas ações de combate a Covid-19, mas, mesmo assim, a arrecadação é superior a R$ 1,1 trilhão. Nesse mês, vencem cerca de R$ 445 bilhões em títulos federais, o que deve impactar no saldo da reserva, no próximo mês.  

Reportagem, Cristiano Ghorgomillos