Foto: Reprodução Agência Senado
Foto: Reprodução Agência Senado

Texto-base da reforma tributária é aprovado na CCJ do Senado

Por 20 votos a favor e 6 contra, os senadores aprovaram o texto-base da reforma tributária na Comissão de Constituição e Justiça. Entre as principais medidas propostas pela PEC 45/2019, está a unificação de cinco impostos que serão transformados em um único, o IVA dual


O texto-base da PEC 45/2019, que trata da reforma tributária, foi aprovado nesta terça-feira (7) na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado, por 20 votos a seis.

Foram recebidas novas emendas, entregues na manhã desta terça-feira, e feitos ajustes na redação. No total, mais de 780 emendas foram protocoladas pelos senadores. O relator da PEC 45/2019, senador Eduardo Braga (MDB-AM), acatou, parcial ou totalmente, 247 emendas. Ele falou sobre o ponto mais importante do texto entregue hoje.

“O principal legado do relatório apresentado hoje é estabelecer uma trava sobre a carga tributária, uma trava que não permitirá que haja aumento de imposto para o contribuinte. Esse é o tema central do nosso relatório.”

O relator explica ainda o que foi levado em consideração para a formulação do texto-base aprovado nesta terça-feira.

“O que se levou em consideração foram os anos de 2012 a 2022, criando um valor de referência sobre essa carga e projetando os quatro primeiros anos de implementação — seja do CBS ou do IBS — para tirar uma média. Essa média, comparada com o valor de referência, se for maior, obrigará a redução da alíquota, se for menor ou igual, abre-se espaço para a implantação de políticas públicas.”

Entre as principais mudanças acatadas estão:

  • A emenda que incorpora a aquisição de medicamentos e dispositivos médicos adquiridos pela Administração Pública e por entidades de assistência social sem fins lucrativos na alíquota zero;
  • Os serviços prestados por Instituição Científica, Tecnológica e de Inovação (ICT) sem fins lucrativos para a zerar a alíquota tanto da CBS quanto do IBS incidentes sobre eles;
  • Emenda que preserva a atual isenção na compra de automóveis por pessoas com deficiência ou no espectro autista, bem como por taxistas;
  • Emendas que esclarecerem a possibilidade de o imposto vir destacado na nota fiscal;
  • Emendas que tratam da regressividade do sistema tributário — que deve ser evitada a todo custo — em relação à necessidade de que cada alteração na legislação tributária tenha de vir acompanhada de estudos de impacto regulatório;

Imposto único

A reforma tem como objetivo simplificar o sistema tributário e transformar cinco tributos em um IVA dual - Imposto sobre o Valor Agregado.

  • PIS, Cofins e IPI – tributos federais – darão origem a Contribuição sobre Bens e Serviços (CBS); 
  • ICMS (estadual) e o ISS (municipal) serão unificados no formato do Imposto sobre Bens e Serviços (IBS), com gestão compartilhada entre estados e municípios.

Fase de transição

Segundo a proposta, o período de transição para unificação dos tributos vai durar sete anos — de 2026 e 2032. E só a partir de 2033 os impostos atuais serão extintos. A transição foi prevista para não haver prejuízo de arrecadação para nenhum estado ou município.

O texto agora será votado no plenário do Senado e, em seguida, volta para a Câmara — já que os senadores fizeram mudanças no texto —  e elas precisam ser avaliadas pelos deputados novamente antes de virar lei. 

Receba nossos conteúdos em primeira mão.

LOC.: O texto-base da reforma tributária foi aprovado nesta terça-feira (7),  na Comissão de Constituição e Justiça do Senado, por 20 votos a seis. Foram recebidas novas emendas, entregues na manhã desta terça, e feitos ajustes na redação. 

No total, foram protocoladas mais de 780 emendas pelos senadores. O relator da proposta, senador Eduardo Braga, do MDB do Amazonas, acatou duzentas e quartenta e sete emendas, parcial ou totalmente.

Ele comentou sobre o ponto mais importante do texto aprovado.
 

TEC/SONORA: senador Eduardo Braga (MDB-AM)

“O principal legado do relatório apresentado hoje é estabelecer uma trava sobre a carga tributária, uma trava que não permitirá que haja aumento de imposto para o contribuinte. Esse é o tema central do nosso relatório.”


LOC.: O relator explica ainda o que foi levado em consideração para a formulação do texto-base.

TEC/SONORA: senador Eduardo Braga (MDB-AM)

“O que se levou em consideração foram os anos de 2012 a 2022 criando um valor de referência sobre essa carga e projetando os quatro primeiros anos de implementação — seja do CBS ou do IBS — para tirar uma média. Essa mídia, comparada com o valor de referência, se for maior, obrigará a redução da alíquota se for menor ou igual, abre-se espaço para a implantação de políticas públicas.”



LOC.: A reforma tem como objetivo simplificar o sistema tributário e transformar cinco tributos em um IVA - Imposto sobre o Valor Agregado, dual. PIS, Cofins e IPI, que são tributos federais, darão origem a Contribuição sobre Bens e Serviços — a CBS. Já o ICMS estadual e o ISS municipal serão unificados no formato do Imposto sobre Bens e Serviços, o IBS, com gestão compartilhada entre estados e municípios.

O texto agora será votado no plenário do Senado e em seguida, volta para a Câmara — já que os senadores fizeram mudanças no texto —  e elas precisam ser avaliadas pelos deputados novamente antes de virar lei. 

Reportagem, Lívia Braz