Foto: Ministério da Saúde
Foto: Ministério da Saúde

Terceiro caso de morte por febre maculosa, transmitida por carrapato, é investigado em São Paulo

Foi confirmada uma morte pela doença contraída em Campinas (SP). Mais dois casos ainda estão em investigação pelo Instituto Adolfo Lutz


O Instituto Adolfo Lutz investiga um terceiro caso de morte por febre maculosa, que é transmitida pelo carrapato,  no estado de São Paulo. O primeiro caso foi confirmado na última segunda (12). É  o de uma dentista de 36 anos, moradora da cidade de São Paulo, que a Secretaria Municipal de Saúde de Campinas confirmou como tendo sido contraído na cidade. No dia 27 de maio, a mulher esteve em um evento em uma fazenda na região leste de Campinas, local provável da infecção. 

Mais dois casos de pessoas que estiveram no mesmo evento e morreram com os mesmos sintomas são investigados pelo Instituto. São eles o namorado da primeira vítima, que tinha 42 anos e morava em Jundiaí, e uma mulher de 28 anos de Hortolândia. Os  três morreram no dia 8 de junho. Os casos eram  suspeitos de febre maculosa, dengue ou leptospirose. 

De difícil diagnóstico e com alta taxa de letalidade, a febre maculosa preocupa as autoridades de saúde do país. Mas, afinal, o que é a doença, quais são os seus principais sintomas e como prevenir, diagnosticar e tratar?  O Brasil 61 entrevistou a pesquisadora Elba Regina de Lemos, chefe do Laboratório de Hantaviroses e Rickettsioses do Instituto Oswaldo Cruz para explicar o assunto. Confira abaixo: 

  • O que é a febre maculosa
  • Quais os sintomas da febre maculosa
  • Prevenção
  • Diagnóstico
  • Tratamento 

O que é a febre maculosa

A febre maculosa é uma doença bacteriana, cujo agente transmissor é o carrapato. No Brasil, os principais vetores são os carrapatos do gênero Amblyomma, como o conhecido carrapato estrela. Elba explica que esses artrópodes costumam parasitar animais domésticos, como o cachorro e o cavalo, além de bichos selvagens, como a capivara. 

O problema é que o carrapato estrela também gosta de sangue humano, motivo pelo qual as pessoas devem redobrar a atenção, diz a pesquisadora. “Ele parasita todas as espécies de animais, não é específico. Então, é importante que as pessoas saibam que a febre maculosa vai ser transmitida por carrapato. Na maioria das vezes, ele está na região rural. Há a importância de a gente sempre considerar que os animais soltos, principalmente cão e cavalo, servem como transportadores de carrapato infectado”, alerta. 

É importante lembrar que o carrapato é o agente que carrega a bactéria. A bactéria é a responsável pela febre maculosa. Uma vez que a pessoa é picada pelo carrapato, a bactéria causadora da doença começa a destruir as células que ficam nas paredes dos vasos sanguíneos, explica Elba. O corpo humano reage para combater a doença, o que causa os sintomas da febre maculosa. 

Elba ressalta que a febre maculosa não pode ser transmitida diretamente de pessoa para pessoa. Somente por meio da picada do carrapato. 

Quais são os sintomas da febre maculosa

Um dos principais sintomas, como o próprio nome da doença indica, é a febre. Mas os pacientes costumam sentir desde dor de cabeça forte, náuseas e vômitos, diarreia e dor abdominal, até dor muscular, inchaço e vermelhidão nas palmas das mãos e sola dos pés, gangrena nos dedos e orelhas, além de paralisia dos membros que começa nas pernas e sobe até os pulmões, causando parada respiratória. 

Alguns sintomas, como as manchas no corpo, podem confundir a febre maculosa com outras enfermidades que têm sintomas semelhantes, como dengue, rubéola e  meningite, por exemplo. A falta de conhecimento e tratamento adequado para a febre maculosa costuma ser fatal, explica Elba Regina. “É uma doença que se não for identificada precocemente, no tempo certo para iniciar o tratamento, o paciente pode evoluir para óbito. Ele vai morrer, porque a bactéria destrói toda a parede do vaso”, explica. 

A febre maculosa tem uma altíssima taxa de mortalidade. Segundo a pesquisadora, pode chegar a 50%. Ou seja, metade daqueles que são acometidos pela doença acabam morrendo, diferentemente do que ocorre com a covid-19 ou mesmo a dengue, cuja letalidade é bastante inferior. 

Diagnóstico

A assustadora letalidade da febre maculosa se deve mais à falta de conhecimento por parte dos profissionais de saúde e da população do que pela doença em si, afirma Elba. Em boa parte dos casos, o quadro dos pacientes evolui para a forma grave e, depois, para a morte, por causa do diagnóstico impreciso no estágio inicial. 
“É importante a gente chamar atenção porque morrer de febre maculosa é por falta de conhecimento, morrer de febre maculosa é decorrente do retardo do diagnóstico e de tratamento correto”, crava.

Ela destaca que diante de sintomas comuns para várias doenças, como febre, dor de cabeça e manchas no corpo, o médico responsável pelo primeiro atendimento do paciente deve assumir a febre maculosa como uma das possibilidades, principalmente se a pessoa esteve em uma área rural ou teve contato com animais domésticos parasitados pelos carrapatos. “Nós tivemos casos que foram confundidos com Covid: uma criança que morreu e era febre maculosa e, também, tivemos outros indivíduos, no estado do Rio de Janeiro, cujo diagnóstico foi de dengue e, no final, o indivíduo tinha a febre maculosa”, testemunha. 

A pesquisadora ressalta que o diagnóstico é ofertado de forma gratuita na rede pública de saúde. Elba destaca que demorar a identificar a febre maculosa pode ser fatal para o paciente, por isso, orienta os profissionais a iniciarem o tratamento “no escuro”. “É como a gente chama o tratamento empírico. Esse é o diagnóstico inicial. Se não for febre maculosa, tira o antibiótico depois”. 

Elba ressalta que o “tratamento no escuro” é importante no início porque, ao contrário de doenças como a dengue, em que já é possível saber se o diagnóstico é positivo ou negativo após o processamento da amostra de sangue, com a febre maculosa isso não funciona. Ela explica que isso ocorre porque a bactéria agride o organismo de uma forma que impede, ao menos nos primeiros sete dias, o corpo de produzir defesa. 

“Não adianta a gente fazer sorologia para febre maculosa no momento da doença. A sorologia vai ser negativa. O que a gente tem que fazer? É a pesquisa do genoma do DNA, por meio do PCR, e a gente confirma”, recomenda. É esse exame de PCR, feito a partir de amostras de sangue do paciente, que detecta o material genético da bactéria e ajuda o profissional de saúde a ter um diagnóstico mais certeiro. 

Tratamento

O tratamento do paciente com febre maculosa é feito com antibiótico específico. O Ministério da Saúde recomenda que o uso seja empregado por sete dias, devendo ser mantido por mais três dias depois que a febre passar. A pasta também confirma que o tratamento com antibióticos deve começar imediatamente após a suspeita clínica, sem esperar o resultado de laboratório. “É uma doença que tem um tratamento com antibiótico barato, sem resistência e que é disponível”, diz a pesquisadora do IOC. 

Prevenção

Ficar longe do carrapato que transmite a bactéria causadora da febre maculosa é a melhor forma de evitar a doença. Segundo o Ministério da Saúde, algumas medidas ajudam a evitar o problema, principalmente onde há maior incidência dos carrapatos. 

Confira as dicas: 

  • Use roupas claras para ajudar a identificar o carrapato;
  • Use calças, botas e blusas com mangas compridas ao caminhar em áreas arborizadas e gramadas;
  • Evite andar em locais com grama ou vegetação alta;
  • Use repelentes que possuem proteção contra carrapatos;
  • Realize o controle com antiparasitário nos animais domésticos;
  • Retire os carrapatos (caso sejam encontrados no corpo), preferencialmente com auxílio de uma pinça (de sobrancelhas ou pinça cirúrgica auxiliar);
  • Não esmague o carrapato com as unhas, pois ele pode liberar bactérias e contaminar partes do corpo com lesões;
  • Quanto mais rápido retirar os carrapatos do corpo, menor será o risco de contrair a doença.

A pesquisadora do Instituto Oswaldo Cruz, Elba Regina, afirma que, embora as pessoas da área rural devam ter mais atenção, quem vive na cidade também deve se proteger. 

“Em 2011 nós tivemos um desastre natural na região serrana. Mais de novecentas pessoas morreram, porque foi uma enchente que destruiu toda a região serrana do Rio de Janeiro. Houve o resgate de gente, mas também resgataram cães e trouxeram os cães para uma ONG aqui no Rio de Janeiro. O que aconteceu? Cinco funcionários morreram de febre maculosa, porque você trouxe cão com carrapato infectado”, lembra. 
 

Receba nossos conteúdos em primeira mão.

LOC.: O Instituto Adolfo Lutz investiga um terceiro caso de morte  no estado de  São Paulo de pessoas com febre maculosa, que é transmitida pelo carrapato. O primeiro caso foi confirmado na última segunda (12). É o de uma dentista de 36 anos, moradora da cidade de São Paulo, que a Secretaria Municipal de Saúde de Campinas confirmou como tendo sido contraído na cidade. No dia 27 de maio, a mulher esteve em um evento em uma fazenda na região leste de Campinas, local provável da infecção. 

Mais dois casos de pessoas que estiveram no mesmo evento e morreram com os mesmos sintomas são investigados pelo Instituto. São eles o namorado da primeira vítima, que tinha 42 anos e morava em Jundiaí, e uma mulher de 28 anos de Hortolândia. Os  três morreram no dia 8 de junho. Os casos eram  suspeitos de febre maculosa, dengue ou leptospirose. 

De difícil diagnóstico e alta taxa de letalidade, a febre maculosa preocupa as autoridades de saúde. A pesquisadora do Instituto Oswaldo Cruz, Elba Regina, explica que a doença é transmitida por meio da picada do carrapato, que tem animais domésticos, como o cachorro e o cavalo, entre os principais hospedeiros. 

Febre, dor de cabeça e manchas no corpo estão entre os principais sintomas, o que faz a doença ser confundida com outras de sintomas semelhantes, como dengue, meningite e, até mesmo, a Covid-19. A falta de conhecimento dos profissionais de saúde e da população pode levar a um diagnóstico inadequado, dificultando o tratamento adequado e levando à morte, diz a pesquisadora. 

TEC./SONORA: Elba Regina de Lemos, chefe do Laboratório de Hantaviroses e Rickettsioses do Instituto Oswaldo Cruz

"É uma doença que se não for identificada precocemente, no tempo certo para iniciar o tratamento, o paciente pode evoluir para óbito. Ele vai morrer, porque a bactéria destrói toda a parede do vaso”. 


LOC.:  A especialista recomenda que antes mesmo do diagnóstico, que deve ser feito por meio do exame PCR, se o profissional de saúde observar esses sintomas e que o paciente esteve em área rural ou foi picado por carrapato, deve começar o tratamento com antibiótico. Essa dica é fundamental para evitar que a febre maculosa se agrave. 

“Coleta amostra de sangue para confirmar e inicia o tratamento no escuro porque um dia, duas, três horas pode ser fatal para esse paciente. É uma doença que tem um tratamento com antibiótico barato, sem resistência e que é disponível”. 
 


LOC.: Felizmente, a febre maculosa não pode ser passada de pessoa para pessoa. Mas é importante ficar atento a algumas dicas para se prevenir da doença. Ficar longe do carrapato que transmite a bactéria causadora da febre maculosa é a mais importante, além de usar roupas compridas e botas ao andar em áreas arborizadas e gramados, evitar andar em locais com vegetação alta, usar repelentes e retirar os carrapatos dos animais domésticos ou do próprio corpo da forma adequada. 

Reportagem, Janine Gaspar