Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil
Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

SP: Pró-Sangue opera com somente 34% do estoque necessário e precisa de doadores

Tipos O negativo e O positivo estão em situação emergencial; A e B negativo estão em estado crítico


Vinculada à Secretaria da Saúde do Estado de São Paulo, a Fundação Pró-Sangue está operando com somente 34% da quantidade necessária e precisa urgentemente de doadores.

Ministério da Saúde lança campanha para incentivar doação de leite materno

MG: estoques de sangue nos hemocentros estão 48% abaixo do ideal

Os tipos O negativo e O positivo estão em situação emergencial, com abastecimento para menos de um dia. Já os sangues do tipo A negativo e B negativo estão em estado crítico, sendo suficientes para um dia. O estoque da instituição abastece mais de 100 instituições de saúde da rede pública e sofre com a queda do número de doações nessa época por conta do tempo frio na região.

Para doar sangue é muito simples, basta fazer o agendamento online pelo site da Pró-Sangue, estar em boas condições de saúde e bem alimentado, ter entre 16 e 69 anos, pesar mais de 50 kg e levar documento de identidade original no dia da doação.

Continue Lendo



Receba nossos conteúdos em primeira mão.

Vinculada à Secretaria da Saúde do Estado de São Paulo, a Fundação Pró-Sangue está operando com somente 34% da quantidade necessária e precisa urgentemente de doadores.

Os tipos O negativo e O positivo estão em situação emergencial, com abastecimento para menos de um dia. Já os sangues do tipo A negativo e B negativo estão em estado crítico, sendo suficientes para um dia. O estoque da instituição abastece mais de 100 instituições de saúde da rede pública e sofre com a queda do número de doações nessa época por conta do tempo frio na região.

Para doar sangue é muito simples, basta fazer o agendamento online pelo site da Pró-Sangue, estar em boas condições de saúde e bem alimentado, ter entre 16 e 69 anos, pesar mais de 50 kg e levar documento de identidade original no dia da doação.

Reportagem, Larissa Lago