Foto: Pedro Ribas/Arquivo AEN
Foto: Pedro Ribas/Arquivo AEN

Paraná possui 2.398 casos confirmados de dengue

Durante o período epidemiológico que começou no dia 30 de julho, até agora, o estado registrou 186 novos casos. 1.480 notificações — e a primeira morte no período


O Paraná possui um total de 2.398 casos confirmados de dengue e 20.462 notificações da doença. Durante o período epidemiológico que começou no dia 30 de julho — e  até agora —, o estado registrou 186 novos casos, 1.480 notificações e a primeira morte no período. Os dados são do informe semanal da dengue divulgado na última terça-feira (7) pela Secretaria da Saúde do Paraná (Sesa).

Segundo o informe, a regional de saúde de Londrina lidera em casos de dengue, seguida por Maringá e Paranavaí, com 489, 468 e 276 casos confirmados, respectivamente. A primeira morte registrada neste período foi de um homem de 69 anos, que possuía comorbidades e morava em Marilena, no noroeste, de abrangência da 14ª Regional de Saúde de Paranavaí.

Beto Preto, secretário de Estado da Saúde do Paraná ressalta que a dengue é uma doença endêmica tanto no Paraná quanto em todo o Brasil. Ele enfatiza a importância contínua dos esforços para erradicar os criadouros do mosquito Aedes aegypti, destacando que essa é uma tarefa constante e sem prazo definido.

“Ainda não temos em mãos a vacina contra a dengue, por isso nós precisamos nos prevenir, continuando esse trabalho comunitário de combater o mosquito”, alerta.

O secretário reforça a importância de  se manter os cuidados contra os criatórios do mosquito. “Não deixar água parada dentro do quintal de casa, dar aquela olhada nos terrenos vazios próximos da sua residência e lembrar desses assuntos, seja na escola dos seus filhos, seja na igreja, no clube ou na associação de moradores. Combater a dengue é, antes de tudo, um trabalho comunitário”, avalia.

O mosquito transmissor da dengue também é responsável pela propagação da zika e chikungunya. Até o momento, não houve casos confirmados de zika, apenas 22 notificações e nenhuma morte. Foram confirmados dois novos casos de chikungunya, totalizando 253 notificações e 16 casos confirmados desde o início do período sazonal.

Veja Mais:

Pará tem redução de 7,5% nos casos de malária nos 9 primeiros meses do ano
Após melhoria no tempo, parques paranaenses voltam a funcionar
 

Receba nossos conteúdos em primeira mão.

LOC.: Desde o dia 30 de julho, o Paraná registrou cento e oitenta e seis novos casos de dengue, mil quatrocentos e oitenta notificações e uma morte. Londrina, Maringá e Paranavaí são as regiões com mais casos, totalizando 489, 468 e 276, respectivamente. Os dados são do informe semanal da dengue divulgado na última terça-feira pela Secretaria da Saúde do Paraná.

O secretário de Estado da Saúde do Paraná, Beto Preto, enfatiza a importância contínua dos esforços para erradicar os criadouros do mosquito Aedes aegypti, destacando que essa é uma tarefa constante e sem prazo definido.
 

TEC./SONORA: Beto Preto - secretário de Estado da Saúde do Paraná

“Ainda não temos em mãos a vacina contra a dengue, por isso nós precisamos nos prevenir, continuando esse trabalho comunitário de combater o mosquito.”
 


LOC.: O secretário reforça a importância de as pessoas manterem  os cuidados contra os criatórios do mosquito.
 

TEC./SONORA: Beto Preto - secretário de Estado da Saúde do Paraná

“Não deixar água parada dentro do quintal de casa, dar aquela olhada nos terrenos vazios próximos da sua residência e lembrar desses assuntos, seja na escola dos seus filhos, seja na igreja, no clube ou na associação de moradores. Combater a dengue é, antes de tudo, um trabalho comunitário.”
 


LOC.: O mosquito transmissor da dengue também é responsável pela propagação da zika e chikungunya. Até o momento, não houve casos confirmados de zika, apenas 22 notificações —  e nenhuma morte. Foram confirmados dois novos casos de chikungunya, totalizando 253 notificações —  e 16 casos confirmados desde o início do período sazonal.

Reportagem, Sophia Stein