Foto: Divulgação/MIDR
Foto: Divulgação/MIDR

MIDR repassa mais R$ 50,7 milhões para dar continuidade para obras no Cinturão das Águas do Ceará

Empreendimento tem por finalidade proporcionar uma distribuição homogênea da disponibilidade hídrica no Ceará, por meio das águas da transposição do Rio São Francisco


O Ministério da Integração e do Desenvolvimento Regional (MIDR) acaba de repassar mais de R$ 50,7 milhões para a continuidade das obras do Cinturão das Águas do Ceará (CAC), infraestrutura que abastece, desde 2021, a Região Metropolitana de Fortaleza. Realizada pelo governo estadual, a obra conta com 75,44% de execução e já recebeu, desde 2013, cerca de R$ 1,4 bilhão em investimentos do Governo Federal, dos quais R$ 100,7 milhões foram repassados neste ano.

Todo o projeto do CAC tem 145,2 km de extensão, compreendendo segmentos de canal a céu aberto, túneis e sifões. Além da Região Metropolitana de Fortaleza, onde vivem cerca de 4,5 milhões de pessoas, também receberão as águas do Cinturão 24 cidades localizadas entre a Barragem de Jati e a Travessia do Rio Cariús, atendendo outras 560 mil pessoas.

Em fevereiro de 2021, foi inaugurado o primeiro trecho, que corresponde aos lotes 1, 2 e 5, que faz a transposição de água para o Riacho Seco, seguindo por leito natural até os rios Salgado e Jaguaribe e, por fim, ao Açude Castanhão, que posteriormente transfere água para a Região Metropolitana de Fortaleza.

“Esta é uma obra extremamente importante para garantir segurança hídrica em boa parte do estado do Ceará. O Governo Federal tem dado total prioridade para o CAC, tanto que o presidente Lula, durante a articulação da PEC da Transição, conseguiu colocar recursos de R$ 115 milhões para serem investidos no Cinturão das Águas”, destacou o secretário Nacional de Segurança Hídrica do MIDR, Giuseppe Vieira. “É uma estrutura que já está em funcionamento e beneficia parte da população do estado”, completa.

O empreendimento tem por finalidade proporcionar uma distribuição espacial mais homogênea da disponibilidade hídrica no Ceará, com o intuito de aumentar o suprimento de água por meio da adução de vazões recebidas do Eixo Norte da Transposição do Rio São Francisco para atendimento de demandas prioritárias por abastecimento humano, industrial e turístico, além de permitir a irrigação.

Transposição do Rio São Francisco

O CAC é uma obra complementar ao Projeto de Integração do Rio São Francisco, que conta com os dois eixos, Leste e Norte, concluídos. No caso do Eixo Norte, que abastecerá o CAC, as águas saem de Cabrobó, em Pernambuco, passam por Jati, no Ceará, e chegam à Paraíba e ao Rio Grande do Norte.

Além dos dois eixos, o projeto original da transposição do São Francisco inclui também o Ramal do Agreste, em Pernambuco, concluído em outubro de 2021; o Ramal do Apodi, que vai atender 750 mil pessoas na Paraíba, no Ceará e no Rio Grande do Norte, já em obras; e o Ramal do Salgado, no Ceará, que está em fase de licitação.

Receba nossos conteúdos em primeira mão.

LOC: O Ministério da Integração e do Desenvolvimento Regional, o MIDR, acaba de repassar mais de 50 milhões de reais para a continuidade das obras no Cinturão das Águas do Ceará. A infraestrutura hídrica abastece, desde 2021, a Região Metropolitana de Fortaleza.

Realizada pelo governo estadual, a obra conta com mais de 75 por cento de execução e já recebeu, desde 2013, cerca de R$ 1 bilhão e 400 milhões em investimentos federais. Desde o início do ano, os repasses superam 100 milhões de reais.

Todo o projeto do CAC tem cerca de 145 quilômetros de extensão, compreendendo segmentos de canal a céu aberto, túneis e sifões. Além da capital e Região Metropolitana, onde vivem 4,5 milhões de pessoas, também receberão as águas do CAC 24 cidades localizadas entre a Barragem de Jati e a Travessia do Rio Cariús, atendendo outras 560 mil pessoas.

Giuseppe Vieira, secretário Nacional de Segurança Hídrica do MIDR, mostra o quanto a obra é importante para o Governo Federal.

TEC/SONORA: Giuseppe Vieira

"O cinturão das águas é uma obra extremamente importante para o estado do Ceará, para garantir a segurança hídrica de boa parte do Estado do Ceará e é uma obra que o Governo Federal tem dado total prioridade, tanto é que o presidente Lula, durante a articulação da PEC da transição, contando aí com o apoio dos parlamentares, compreenderam a necessidade e o desafio que estava se deparando e fizeram todo o esforço e foi colocado no orçamento desse ano 115 milhões para ser investido no cinturão das águas."

LOC: O CAC é uma obra complementar à transposição do Rio São Francisco, que conta com os dois eixos, Leste e Norte, concluídos.

O projeto original da transposição conta, ainda, com o Ramal do Agreste, em Pernambuco, concluído em outubro de 2021; o Ramal do Apodi, que está em obras e vai atender 750 mil pessoas na Paraíba, Ceará e Rio Grande do Norte; e o Ramal do Salgado, no Ceará, que está em fase de licitação.

Para saber mais ações do Governo Federal em Segurança Hídrica, acesse mdr.gov.br.

Reportagem, Petronilo Oliveira