Quebradeira de coco do Maranhão. Foto: Arquivo/EBC
Quebradeira de coco do Maranhão. Foto: Arquivo/EBC

MA: Cajari aumenta valor da produção de amêndoa de babaçu em 5,4%

Resultado agrada quebradeiras de coco babaçu. O óleo de babaçu, extraído das amêndoas, tem perdido espaço para o óleo de palmiste, principalmente na fabricação de sabão e sabonete. Situação prejudica renda dessas famílias


O município maranhense de Cajari (MA) produziu 125 toneladas de amêndoa de babaçu em 2020, totalizando R$ 251 mil em valor de produção. Os dados são da Produção da Extração Vegetal e da Silvicultura (PEVS), divulgado recentemente pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE)

Em 2019, a cidade produziu 116 toneladas, totalizando R$ 238 mil. Isso significa que a receita com a extração da amêndoa de babaçu aumentou 5,4% no último ano. O resultado é um alívio para as quebradeiras de coco locais, que tiram o próprio sustento da exploração do fruto do babaçu. Como é o caso de Maria Antônia dos Santos, de 68 anos. Ela mora no quilombo do Camaputiua, conta que trabalha como quebradeira de coco desde os 5 anos de idade.

“Tiramos nosso sustento do coco. Lutamos muito por esse coco e não podemos deixar de lutar, porque sabemos o valor desse recurso. Com essa renda a partir do coco é que a gente sobrevive. Por isso lutamos, para que nunca se acabe o palmeiral na nossa comunidade”, afirma. 

Óleo de babaçu X Óleo de palmiste 

Nos últimos anos, o óleo de babaçu, que é extraído das amêndoas, vem perdendo espaço para o óleo de palmiste (originário da África), principalmente como insumo na fabricação de sabão e sabonete, o que tem prejudicado as famílias tradicionais que têm no babaçu uma fonte de renda. 

Diante deste cenário, o Conselho de Gestão do Patrimônio Genético (CGen), do Ministério do Meio Ambiente, criou a Câmara Temática do Óleo de Babaçu, instituída com o intuito de resgatar a competitividade do óleo de babaçu. 

Agronegócio está otimista com tecnologia 5G

Quantidade de mulheres na mineração cresce em 2021

Roraima recebe tecnologia de ponta para auxiliar na segurança da fronteira

Na avaliação do deputado federal Pastor Gil (PL-MA), as autoridades, assim como o setor produtivo, devem implementar programas que revertam a queda na produção do insumo em Cajari e em outros municípios como Anajatuba, Conceição do Lago-Açu e Matinha. Isso, segundo o parlamentar, contribuirá para a expansão das áreas de plantio e melhora na qualidade de vida das famílias que dependem dessas atividades. 

“Nossa luta no interior do estado vem sendo garantir o acesso das quebradeiras de coco babaçu, que mantêm uma tradição econômica no local, e conseguem o sustento tanto com a extração quanto com a produção em cooperativa de sabão, sabonete, azeite e até carvão”, destaca. 

Competição

De acordo com a Federação das Indústrias do Estado do Maranhão (FIEMA), a produção do óleo de babaçu caiu de 53 mil toneladas em 2010 para 22 mil toneladas em 2019, no Brasil. Já a produção do óleo de palmiste, no mundo, saltou de 5,75 milhões de toneladas para 8,9 milhões de toneladas no mesmo período, aponta o Departamento de Agricultura dos Estados Unidos. 

Para o pesquisador da Embrapa Cocais, José Frazão, o óleo de palmiste tem se sobressaído ao óleo de babaçu porque tem custos de produção inferiores. “O óleo de babaçu é mais caro porque é um produto do extrativismo. O extrativismo tem, normalmente, baixa produtividade. O custo do óleo de palmiste é muito mais baixo. Se o Brasil começar a importar óleo de palmiste, a consequência é a queda de preço imediata do óleo de babaçu, o que traz consequências para as quebradeiras de coco”, avalia. 

De acordo com o Movimento Interestadual das Quebradeiras de Coco Babaçu, mais de 300 mil mulheres extrativistas trabalham com o babaçu no Maranhão, Piauí, Tocantins e Pará. 
 

Continue Lendo



Receba nossos conteúdos em primeira mão.

LOC.: Dados do IBGE revelam que, em 2020, o município maranhense de Cajari aumentou em 5,4% a receita com a extração de amêndoa de babaçu, totalizando mais de 250 mil reais em valor de produção. 

O resultado é um alívio para as quebradeiras de coco locais, que utilizam a amêndoa para a fabricação de óleo de babaçu, insumo utilizado na produção de produtos de limpeza. É o que afirma a moradora do quilombo do Camaputiua, Maria Antônia dos Santos, de 68 anos. 
 

TEC./SONORA: Maria Antônia dos Santos, quebradeira de coco

“Tiramos nosso sustento do coco. Lutamos muito por esse coco e não podemos deixar de lutar, porque sabemos o valor desse recurso. Com essa renda a partir do coco é que a gente sobrevive. Por isso lutamos, para que nunca se acabe o palmeiral na nossa comunidade.”
 

LOC.: Infelizmente, o óleo de babaçu tem perdido espaço no mercado para o óleo de palmiste, que tem origem na África. Por esse motivo, a CNI encabeçou a criação da Câmara Temática do Óleo de Babaçu, instalada pelo Ministério do Meio Ambiente. O deputado federal Pastor Gil (PL-MA) diz que a iniciativa é positiva e pode garantir o sustento econômico das quebradeiras de coco. 

TEC./SONORA: Pastor Gil, deputado federal  (PL-MA)

“Nossa luta no interior do estado vem sendo garantir o acesso das quebradeiras de coco babaçu, que mantêm uma tradição econômica do estado, e consegue o sustento tanto com a extração quanto com a produção em cooperativa de sabão, sabonete, azeite e até carvão.”
 

LOC.: De acordo com a Federação das Indústrias do Estado do Maranhão (FIEMA), a produção do óleo de babaçu caiu de 53 mil toneladas em 2010 para 22 mil toneladas em 2019, no Brasil. Já a produção do óleo de palmiste, no mundo, saltou de 5,75 milhões de toneladas para 8,9 milhões de toneladas no mesmo período, aponta o Departamento de Agricultura dos Estados Unidos. 

Reportagem, Marquezan Araújo