Prefeitura de Santarém (PA). Foto: Reprodução/Agência Santarém
Prefeitura de Santarém (PA). Foto: Reprodução/Agência Santarém

FPM: prefeituras recebem mais de R$ 3,6 bi nessa terça-feira (30)

Alta de 3% indica estabilização, em relação ao FPM pago no mesmo período do ano passado; Tesoureiro da CNM e prefeito de Santarém, Nélio Aguiar, explica a importância dos repasses para municípios menores


Prefeituras de todo o Brasil recebem, nesta terça-feira (30), um total de R$ 3.665.298.977,91 do FPM (Fundo de Participação dos Municípios), relativo ao terceiro decêndio de maio. O dinheiro é repassado a cada município de acordo com o número de habitantes e outros fatores, conforme determina a legislação atual.

Os recursos são distribuídos pela União Federal a cada dez dias do mês (por isso, o nome “decêndio”). De acordo com o consultor de Orçamento César Lima, descontada a inflação, os repasses pagos neste dia 30 de maio apresentam uma pequena alta de 3% na comparação com o mesmo período de 2022 - o que, segundo o analista, representa um momento de estabilidade.

"Descontados [os índices] da inflação, nós temos aí um viés de alta de 3% aproximadamente", informou. "Isso é praticamente uma estabilização - não dá para considerar um resultado maior ou menor - no nível de recebimento do FPM desse decêndio, em relação ao mesmo período do ano passado". 

Já o prefeito de Santarém (PA), Nélio Aguiar – atual tesoureiro da CNM (Confederação Nacional de Municípios) – , explicou que os recursos repassados através do FPM fazem grande diferença nas contas dos municípios, principalmente para as cidades menores ou mais pobres do país. 

“A atual legislação tributária faz com que os municípios maiores, médios e grandes sejam mais beneficiados com a cota-parte do ICMS – que é 25% da recuperação do ICMS – e também com o ISS, que é 100%  da arrecadação dos impostos sobre serviços”, detalhou o diretor da CNM. 

O tesoureiro da CNM explicou a diferença que os recursos do FPM faz, quando o município não tem um comércio pujante nem um parque industrial que lhe dê uma arrecadação razoável: “Um município pequeno tem pouca movimentação de mercadorias e, também, poucos serviços a oferecer. Então, a maior fonte de receita desses municípios é o FPM”, esclareceu o prefeito. 

Importância

O FPM é uma das principais fontes de receita dos municípios. Conforme dados da CNM, o Fundo é a maior fonte de recursos para cerca de 60% das prefeituras de todo o Brasil. Quando cai a arrecadação, a maioria das prefeituras enfrenta grandes dificuldades para manter as contas em dia. 

Segundo Nélio Aguiar, qualquer retenção de recursos ou queda dos valores repassados pelo FPM, repercute diretamente nas contas de muitas prefeituras “e compromete diretamente o dia-a-dia desses municípios, como pagar a folha de funcionários em dia, pagar fornecedores e até mesmo cumprir com encargos sociais, como o INSS”.

Bloqueios

Por falar em retenção, de acordo com o Siafi (Sistema Integrado de Administração Financeira do Governo Federal), os municípios abaixo estão impedidos de receber repasses do FPM. Para resolver a situação ou obter maiores esclarecimentos, seus representantes devem encaminhar-se ao órgão responsável da sua região para regularização e desbloqueio:

  •  Bacabeira (MA)
  •  Bicas (MG)
  •  Buriticupu (MA)
  •  Capivari do Sul (RS)
  •  Carmópolis (SE)
  •  Congonhas (MG)
  •  Fátima (BA)
  •  Ibiapina (CE)
  •  Ilhota (SC)
  •  Januária (MG)
  •  Lagoa da Prata (MG)
  •  Mâncio Lima (AC)
  •  Morrinhos (GO)
  •  Nazária (PI)
  •  Palmeira das Missões (RS)
  •  Pedrinhas (SE)
  •  Pedro II (PI)
  •  Santo Antônio dos Milagres (PI)
  •  Tasso Fragoso (MA)
  •  Três Barras (SC)

Como funciona

O FPM é um fundo que representa 22,5% da arrecadação da União com os valores recebidos pela Receita Federal do Imposto de Renda e o IPI. São três transferências de recursos por mês, feitas a cada dez dias (por isso o nome “decêndio”). Se a data cair no sábado, domingo ou feriado, o repasse é antecipado para o primeiro dia útil anterior. O dinheiro das prefeituras é creditado pelo Banco do Brasil. 

Os percentuais de participação de cada município são calculados anualmente pelo TCU, de acordo com o número de habitantes de cada cidade e a renda per capita dos estados. Os municípios são divididos em três categorias: capitais, interior e reserva. As capitais dos estados e Brasília recebem 10% do FPM. 

Os demais municípios brasileiros são considerados de interior, e embolsam 86,4% do fundo. Já os municípios de reserva são aqueles com população superior a 142.633 habitantes e recebem – além da participação como município de interior – uma cota adicional de 3,6%. 
 

Continue Lendo



Receba nossos conteúdos em primeira mão.

LOC: Prefeituras de todo o Brasil recebem, nesta terça-feira (30), mais de 3 bilhões e 600 milhões de reais do FPM (Fundo de Participação dos Municípios), relativos ao terceiro decêndio de maio. O dinheiro é repassado pela União Federal a cada município, de acordo com o número de habitantes e outros fatores, conforme determina a legislação atual.

Os recursos são distribuídos três vezes por mês, de dez em dez dias em média (por isso, tem o nome de “decêndio”).

De acordo com o consultor de Orçamento César Lima, os repasses pagos neste dia 30 de maio indicam uma estabilidade nos valores do Fundo porque, descontada a inflação, o montante de 3 bilhões e 600 milhões de reais apresenta uma pequena alta de 3% - na comparação com o mesmo período de 2022.

SONORA: César Lima, consultor de Orçamento

"Descontados da inflação, nós temos ainda aí um viés de alta de 3% - aproximadamente. Isso é praticamente uma estabilização, não dá para considerar um resultado maior ou menor, mas uma estabilização aí no nível de recebimento do FPM desse decêndio, em relação ao mesmo período do ano passado."


LOC: Já o prefeito de Santarém (PA), Nélio Aguiar – atual tesoureiro da CNM (Confederação Nacional de Municípios), explicou que os recursos repassados através do FPM fazem grande diferença nas contas dos municípios, principalmente para as cidades menores ou mais pobres, por causa da atual legislação tributária do país. 

SONORA: Nélio Aguiar, prefeito de Santarém (PA) e tesoureiro da CNM
“A atual legislação tributária faz com que os municípios maiores, médios e grandes municípios sejam mais beneficiados com a cota-parte do ICMS – que é 25% da recuperação do ICMS, que vão para os municípios – e também com o ISS, que é 100%  da arrecadação dos impostos sobre os serviços. Já um município pequeno ele tem pouca movimentação de mercadorias, ele tem também, poucos serviços a oferecer. Então, a maior fonte de receita desses municípios é o FPM.”


LOC: Conforme explicou o diretor da Confederação Nacional de Municípios, o FPM é uma das principais fontes de receita da maioria das cidades brasileiras. De acordo com dados da própria CNM, o Fundo é a maior fonte de recursos para cerca de 60% das prefeituras de todo o Brasil. 

Reportagem: José Roberto Azambuja