Universiade de São Paulo- foto:Rovena Rosa/ Agência Brasil
Universiade de São Paulo- foto:Rovena Rosa/ Agência Brasil

Exame de sangue pode detectar risco de complicações em pacientes com Covid-19, segundo pesquisa

A técnica desenvolvida por USP e Fapesp consiste em analisar o conjunto de proteínas presentes no plasma sanguíneo


Pesquisadores da Universidade de São Paulo (USP) e da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp) estão desenvolvendo um teste de Covid-19 que pode detectar se uma pessoa com a doença vai precisar ou não de internação hospitalar.

O teste em desenvolvimento utiliza uma técnica rápida, com capacidade de analisar moléculas, como explica o pesquisador Giuseppe Palmisano, coordenador do projeto.

“Nós identificamos um grupo de moléculas cujo nível está significativamente mais elevado no plasma de pacientes com a forma grave da COVID-19, com destaque para as proteínas SAA1 e a SAA2 - são produzidas no fígado e têm potencial inflamatório. Nossa proposta é que essa análise do plasma seja feita assim que a pessoa tiver o diagnóstico confirmado pelo teste de RT-PCR. E, caso ela apresente o perfil de alto risco, o médico já poderia adotar uma conduta mais direcionada”, conta. 

O teste, que será feito por meio de exame de sangue, terá chances de chegar a toda a população, segundo Palmisano. “O teste tem alta chance de ser vendido e de ser distribuído para o público por meio do Sistema Único de Saúde para todos os hospitais do Brasil, pois as metodologias usadas nele e os equipamentos estão disponíveis em vários laboratórios clínicos. Além disso, será um teste não invasivo”, diz. Mas ainda não há expectativa de quando o exame estará disponível. 

O teste, que ainda está em fase de estudo preliminar, foi publicado na revista internacional Life Science Alliance e revisado por pares. Além disso, os pesquisadores ainda precisam ampliar o número de amostras. Ou seja,  incluir mais pacientes no teste. 

As conclusões da pesquisa, até agora, se baseiam em análises feitas com amostras de 117 pacientes com Covid-19 atendidos no Instituto do Coração. Os voluntários que tiveram amostras incluídas no estudo foram separados por idade, sexo e comorbidades, para que os resultados fossem comparáveis. 

Comparação com testes já usados

Questionado sobre as diferenças entre o teste em desenvolvimento e os que já existem ou estão em desenvolvimento, o coordenador do estudo explicou as particularidades do exame.

“Ainda não existe um teste clínico para predizer o risco de hospitalização. Todos os testes propostos estão em fase de desenvolvimento ou validação. O teste que a gente desenvolveu utiliza pequena quantidade de amostra, plasma, é relativamente barato e pode ser logo implementado em laboratório clínicos”. 

Os testes em uso no Brasil são:

  • RT-PCR
  • Teste de Antígeno
  • Teste Sorológico
  • Teste molecular.

Dados da Covid-19

O Brasil registrou mais 17.184 casos e 443  óbitos por Covid-19, quarta-feira (27), de acordo com o balanço mais recente do Ministério da Saúde. Desde o início da pandemia, mais de 21.766.168 milhões de brasileiros foram infectados pelo novo coronavírus. 

O Rio de Janeiro ainda é o estado com a maior taxa de letalidade entre as 27 unidades da federação: 5,18%. O índice médio de letalidade do País estava em 2,9%. 

Taxa de letalidade nos estados

  • RJ    5,18%
  • SP    3,45%
  • AM    3,22%
  • PE    3,17%
  • MA    2,84%
  • PA    28,00%
  • GO    2,68%
  • AL    2,62%
  • PR    2,61%
  • CE    2,60%
  • MS    2,56%
  • MG    2,54%
  • MT    2,52%
  • RO    2,44%
  • RS    2,42%
  • PI    2,18%
  • BA    2,17%
  • SE    2,16%
  • ES    2,13%
  • PB    2,11%
  • DF    2,11%
  • AC    2,10%
  • RN    1,98%
  • TO    1,70%
  • SC    1,62%
  • AP    1,61%
  • RR    1,59%

Os números têm como base o repasse de dados das Secretarias Estaduais de Saúde ao órgão. Acesse as informações sobre a Covid-19 no seu estado e município no portal brasil61.com/painelcovid.  

Continue Lendo



Receba nossos conteúdos em primeira mão.

LOC.:  Pesquisadores estão desenvolvendo um teste capaz de prever se uma pessoa com Covid-19 tem risco de hospitalização pela doença. O estudo é da Universidade de São Paulo, a USP, e da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo, a Fapesp,  O coordenador do projeto, professor Giuseppe Palmisano, explica como vai funcionar a identificação do risco de complicações.
 

TEC./SONORA: Giuseppe Palmisano, professor do Instituto de Ciências Biomédicas (ICB-USP) e coordenador do projeto.
 
“A identificação entre pacientes que têm alto e baixo risco de hospitalização é feita através da técnica espectrômetro de massas e algumas proteínas presentes do plasma desses pacientes identificam quem tem mais risco de hospitalização”.

LOC.:  o pesquisador explicou ainda que o teste, que ainda está em fase de estudo preliminar, tem chances de ser distribuído para toda a população.
 


 TEC./SONORA:  Giuseppe Palmisano, professor do Instituto de Ciências Biomédicas (ICB-USP) e coordenador do projeto.
 
 “O teste tem alta chance de ser vendido e de ser distribuído para o público por meio do Sistema Único de Saúde para todos os hospitais do Brasil, pois as metodologias usadas nele e os equipamentos estão disponíveis em vários laboratórios clínicos. Além disso, será um teste não invasivo”.
 

LOC.:
 Agora, os números da Covid-19 no Brasil, segundo o Ministério da Saúde. Nas últimas 24 horas, o país registrou pouco mais de 17 mil casos e o número de mortes ficou em 443. Já a taxa de letalidade do país está em 2,9% O estado do Rio de Janeiro lidera com o indicador de 5,18%.