Foto: Unsplash
Foto: Unsplash

Covid-19: Fiocruz alerta para tendência de agravamento da pandemia no Brasil

Semana que terminou no dia 22 de maio registrou aumento de novas infecções


Em boletim divulgado nesta quinta-feira (27), a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) aponta para um novo recrudescimento da pandemia nas próximas semanas. Segundo os pesquisadores, na semana encerrada em 22 de maio, houve aumento da taxa que mede a quantidade de novas infecções.

Covid-19: Brasil tem 16,2 milhões de casos e 454,4 mil mortes

Covid-19: estados já podem ampliar vacinação com doses da Pfizer para municípios

Na semana analisada, a mortalidade causada pela Covid-19 se estabilizou em torno de 1,9 mil vítimas diárias. O patamar representa uma redução em relação ao mês de abril, mas é quase duas vezes maior que o primeiro pico da pandemia em 2020. A previsão do boletim é que, se mantida essa tendência, o aumento seria algo em torno de 2,2 mil óbitos por dia.

Para evitar que a doença faça mais vítimas, a Fiocruz recomenda às autoridades a manutenção de restrições de eventos de massa e atividades que promovam a interação e infecção de grupos suscetíveis, a intensificação de ações de vigilância em saúde e outras ações, como o reforço de estratégias de testagem, a vigilância das cepas e o controle de voos internacionais.

Continue Lendo



Receba nossos conteúdos em primeira mão.

Em boletim divulgado nesta quinta-feira (27), a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) aponta para um novo recrudescimento da pandemia nas próximas semanas. Segundo os pesquisadores, na semana encerrada em 22 de maio, houve aumento da taxa que mede a quantidade de novas infecções.

Na semana analisada, a mortalidade causada pela Covid-19 se estabilizou em torno de 1,9 mil vítimas diárias. O patamar representa uma redução em relação ao mês de abril, mas é quase duas vezes maior que o primeiro pico da pandemia em 2020. A previsão do boletim é que, se mantida essa tendência, o aumento seria algo em torno de 2,2 mil óbitos por dia.

Para evitar que a doença faça mais vítimas, a Fiocruz recomenda às autoridades a manutenção de restrições de eventos de massa e atividades que promovam a interação e infecção de grupos suscetíveis, a intensificação de ações de vigilância em saúde e outras ações, como o reforço de estratégias de testagem, a vigilância das cepas e o controle de voos internacionais.

Reportagem, Larissa Lago