Foto: Rovena Rosa/Agência Brasil
Foto: Rovena Rosa/Agência Brasil

5 milhões de brasileiros perderam suas casas em desastres naturais nos últimos 10 anos

Levantamento da CNM mostra que a região Sul liderou em moradias afetadas, com 43,4%, seguida pelo Sudeste (25,5%), Nordeste (15,5%), Norte (10,8%) e Centro-Oeste (5%)


Na última década, mais de cinco milhões de pessoas viram suas moradias serem destruídas ou danificadas por desastres e tiveram que abandoná-las. A informação é de um estudo técnico da Confederação Nacional de Municípios (CNM). De acordo com o levantamento, mais de 2,5 milhões de moradias foram impactadas, sendo que mais 115.992 ficaram totalmente destruídas, entre 2013 e 16 de maio de 2024.

A região Sul liderou em registros de moradias afetadas, representando 43,4% do total, seguida pelas regiões Sudeste (25,5%), Nordeste (15,5%), Norte (10,8%) e Centro-Oeste (5%).

Veja o ranking dos estados com moradias destruídas de 2013 a 2023:

  1. Rio Grande do Sul (42.133)
  2. Paraná (10.818)
  3. Bahia (9.276)
  4. Amazonas (6.416)
  5. Minas Gerais (5.900)
  6. Alagoas (5.841)
  7. Santa Catarina (5.420)
  8. Maranhão (5.288)
  9. Pernambuco (5.194)
  10. Pará (4.422)

Marlon Bento, especialista em infraestrutura e diretor administrativo da Line Bank BR, explica que estudos climáticos mostram uma tendência de desastres naturais, como chuvas e enchentes. 

"Os riscos desse cenário hoje, que a gente tem atualizado com o número de pessoas morando em situação de risco, que aumentou drasticamente, demonstra que temos uma possibilidade de, todo ano, termos uma grande tragédia no Brasil", aponta.

Desastres naturais causam R$ 32 bi em prejuízos em 2024

1,9 mil municípios têm moradores em áreas com risco de catástrofes

O levantamento ainda mostra que 94% dos municípios brasileiros declararam situação de emergência ou estado de calamidade pública pelo menos uma vez devido a desastres naturais entre 2013 e 16 de maio de 2024.

Rio Grande do Sul

Além disso, desde 2013, cerca de 2.850 municípios (51,2% do total) tiveram moradias diretamente afetadas. Somente neste ano, até o dia 16 de maio, 428 municípios registraram perdas em habitação, resultando em mais de 1 milhão de pessoas desalojadas ou desabrigadas.

Devido às chuvas intensas e enchentes que atingiram o Rio Grande do Sul em maio, o estado tem 52% de moradias danificadas e 77,5% destruídas.

O governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite, anunciou medidas habitacionais para pessoas de baixa renda.

"Nós acreditamos que as providências que adotamos aqui vão se encarregar de fazer com que essas moradias sejam executadas mais rapidamente, porque já tem previamente alguém contratado. Quero dizer que os prefeitos que precisarem de apoio podem viabilizar a preparação de terrenos. Nossa equipe técnica também está pronta para ajudar no que for necessário, porque o que interessa é a casa executada”, ressalta.

O governador afirma que o plano Rio Grande possui mais de R$ 800 milhões, que já foram encaminhados para execução de projetos para reconstruir o estado, incluindo auxílio abrigamento para os municípios, aluguel social, estadia solidária e o programa Volta por Cima.

Receba nossos conteúdos em primeira mão.

LOC.: Nos últimos dez anos, mais de cinco milhões de pessoas viram suas casas serem destruídas ou danificadas por desastres e tiveram que abandoná-las. As informações são de um estudo técnico da Confederação Nacional de Municípios, CNM.

De acordo com o levantamento, mais de 2,5 milhões de moradias foram impactadas entre 2013 e 16 de maio de 2024.

O especialista em infraestrutura e diretor administrativo da Line Bank BR, Marlon Bento, informa que estudos climáticos mostram uma tendência de desastres naturais, como chuvas e enchentes.

TEC./SONORA: Marlon Bento, especialista em infraestrutura e diretor administrativo da Line Bank BR

"Os riscos desse cenário hoje, que a gente tem atualizado com o número de pessoas morando em situação de risco, que aumentou drasticamente, demonstra que a gente tem uma possibilidade de, todo ano, ter uma grande tragédia no Brasil."
 


LOC.: O levantamento mostra que a região Sul liderou em registros de moradias afetadas, representando 43,4% do total, seguida pelas regiões Sudeste, Nordeste, Norte e Centro-Oeste. Entre os estados com maior número de casas destruídas entre 2013 e 2023 estão: Rio Grande do Sul, Paraná, Bahia, Amazonas e Minas Gerais.

Devido às chuvas intensas e enchentes que atingiram o Rio Grande do Sul em maio, o estado tem 52% das moradias danificadas e cerca de 77% destruídas.

O governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite, anunciou medidas habitacionais para pessoas de baixa renda.
 

TEC./SONORA: Governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite

"Nós acreditamos que as providências que adotamos aqui vão se encarregar de fazer com que essas moradias sejam executadas mais rapidamente, porque já tem previamente alguém contratado. Quero dizer que os prefeitos que precisarem de apoio podem viabilizar a preparação de terrenos. Nossa equipe técnica também está pronta para ajudar no que for necessário, porque o que interessa é a casa executada."
 


LOC.: O governador afirma que o plano Rio Grande possui mais de oitocentos milhões de reais que já foram encaminhados para execução de projetos para reconstruir o estado, incluindo auxílio abrigamento para os municípios e o programa Volta por Cima.

Reportagem, Nathália Guimarães